Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Outros Cinemas, outras narrativas

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.09.2019
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Immensa, 1982
Cildo Meireles
Madeira

O termo vincula-se a filmes e experimentos audiovisuais que fogem ao tradicional filme de exibição e exposição comercial. Caracterizam-se pela narrativa como expressão artística, conjunto de elementos poéticos e traços estilísticos com o objetivo de explorar o potencial estético da linguagem cinematográfica contemporânea. Nesse contexto, o filme...

Texto

Abrir módulo

Definição

O termo vincula-se a filmes e experimentos audiovisuais que fogem ao tradicional filme de exibição e exposição comercial. Caracterizam-se pela narrativa como expressão artística, conjunto de elementos poéticos e traços estilísticos com o objetivo de explorar o potencial estético da linguagem cinematográfica contemporânea. Nesse contexto, o filme alia-se a outros recursos dinâmicos e sensoriais, o que liberta a mente do espectador para participar do universo ficcional. 

Nestes outros cinemas, o filme comporta-se como instalação, é mapeado para seu lugar de exibição (videomapping), torna-se interativo, é exibido à medida que é produzido (em tempo real) e distribuído pela web, entre outras possibilidades.

O pesquisador Phillipe Dubois1 afirma que o cinema é, simultaneamente, uma sala, um dispositivo, uma linguagem e um diálogo com o espectador. Os outros cinemas discutem estes elementos. Para dialogar com a cultura contemporânea, buscam novos espaços para a exibição: prédios, árvores, jatos de água ou vapor. A reinvenção de suportes de exibição desconstrói a face interna do cubo, explora o exterior e instala-se em suportes flexíveis, interagindo com o local. Também abandonam a produção em 35 mm e percorrem o vídeo digital, os dispositivos móveis, os drones, as webcams e outros equipamentos que captem imagens em movimento, assumindo um contexto pluralizado de máquinas de ver. 

No que diz respeito à linguagem, as narrativas são descontínuas, multilineares, em vários formatos e extensões, lugares e tempos, aproximando-se da dinâmica dos jogos, das artes visuais ou da performance.  Neste cenário, o corpo do espectador também é solicitado. Antes sentado numa poltrona, é convidado a participar. Ele pode caminhar, movimentar-se diante das telas de projeção e compor diferentes modos enunciativos. 

Estes outros cinemas convocam olhares e formas de narrar diversos. As narrativas brincam com a linguagem fílmica, tradicionalmente organizadas de modo linear, ainda que trabalhadas com flashbacks, elipses e hiatos, em mosaicos narrativos. Outras bases narrativas multiplicam-se em contextos hipertextuais, multilineares, simultâneos e interativos, como desenhado pela literatura desde o século XIX. Sem definir um único vetor para a narrativa, a cena contemporânea avança para uma multiplicidade que se desvia do tradicional. A invenção da nova mídia2 traz consigo a construção de outros modos de narrar, mesclando gêneros, fórmulas e estruturando novas poéticas.

Não se trata de uma ruptura ou negação, mas de experiências distintas, expressão de seu tempo, e não substitutos da tradição cinematográfica e a narrativa linear. 

No cenário internacional, Jeffrey Shaw (1944), Maurice Benayoun (1957), Peter Greenaway (1942), Peter Weibel (1944) e Gary Hill (1951) são referência de filmes experimentais. No Brasil, destacam-se artistas e pesquisadores como Arlindo Machado (1949), Christine Melo, Ricardo Ribenboim (1953), Kátia Maciel (1963), Eder Santos (1960), Danillo Barata (1976) e André Parente (1957), entre outros.

Kátia Maciel e André Parente inserem o espectador na cena em trabalhos como a instalação interativa de Katia Maciel, À Sombra, (2001) e Visorama, (1997/2007)um sistema de visualização de ambientes virtuais criado por  André Parente, envolvendo-o física, visual e sensorialmente. Já Danillo Barata e Eder Santos, vindos do vídeo, exploram as instalações e efeitos de sons e imagens. Em Bruce Nauman’s Friend, 2010 (videoinstalação de Danillo Barata), os efeitos visuais tomam a cena, em um confronto de performer e câmera. Em Passagem de Mariana, 1996 (performance de Eder Santos), uma aldeia composta por sete tendas ocupadas por músicos são locais de projeção de objetos relacionados aos pecados capitais.

A cena brasileira em novos cinemas e novas narrativas é vasta e densa, abrangendo desde o trato da imagem e som até a interatividade.

Notas

1. DUBOIS, Phillipe. Entrevista In: Comunicação & Informação. v. 11, n. 1: p. 146-153, jan./ jun. 2008. Disponível em: https://revistas.ufg.emnuvens.com.br/ci/article/viewFile/7500/5318. Acesso em: 06 mai. 2014.

2.  MURRAY, Janet. Inventing the Medium: principles of interaction design as a cultural practice. Massachusetts: The MIT Press, 2012; MURRAY,  Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003 e MANOVICH, Lev. The Language of New Media. Massachusetts: MIT Press, 2000.

Obras 13

Abrir módulo
Romulo Fialdini

As Irmãs

Bronze e base de mármore
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Auto-retrato

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Immensa

Madeira

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • DUBOIS, Phillipe. Entrevista. In: Comunicação & Informação. v. 11, n. 1: p. 146-153, jan./ jun. 2008. Disponível em: https://revistas.ufg.emnuvens.com.br/ci/article/viewFile/7500/5318. Acesso em: 06 mai. 2014.
  • MANOVICH, Lev. The Language of New Media. Massachusetts: MIT Press, 2000.
  • MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003.
  • MURRAY, Janet. Inventing the Medium: principles of interaction design as a cultural practice. Massachusetts: The MIT Press, 2012.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: