Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Nova Objetividade

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2017
A produção do grupo em torno do que se convencionou chamar nova objetividade [neue sachlichkeit] deve ser compreendida como um desdobramento da voga expressionista após a Primeira Guerra Mundial, 1914 - 1918, sobretudo do aspecto de crítica social que caracteriza boa parte do expressionismo alemão. Trata-se portanto de uma arte de forte acento r...

Texto

Abrir módulo

Definição

A produção do grupo em torno do que se convencionou chamar nova objetividade [neue sachlichkeit] deve ser compreendida como um desdobramento da voga expressionista após a Primeira Guerra Mundial, 1914 - 1918, sobretudo do aspecto de crítica social que caracteriza boa parte do expressionismo alemão. Trata-se portanto de uma arte de forte acento realista que recusa as inclinações abstratas defendidas pelo grupo Die Brücke [A Ponte]. O termo é criado em 1923 por Gustav Hartlaub, quando, em carta aos jornais, manifesta a intenção de realizar uma exposição com o título Nova Objetividade, que reunisse obras referidas à "realidade positiva". A exposição ocorre dois anos depois no Kunsthalle de Munique, e dá nome a uma tendência figurativa da arte alemã das décadas de 1920 e 1930. Menos que um estilo definido ou unificado, as obras expostas em 1925 têm em comum o tom de denúncia e sátira social, a crítica mordaz à sociedade burguesa e à guerra. A dicção contestadora e crítica dessa produção leva à perseguição dos artistas pelo Estado nazista e à dissipação do movimento na década de 1930.

O pintor e gravador alemão Otto Dix (1891 - 1969) e o pintor e desenhista, também alemão, George Grosz (1893 - 1959) são considerados os dois grandes nomes dessa linhagem expressionista. A obra de Dix flagra a hipocrisia e frivolidade da sociedade berlinense do pós-guerra, como indica seu tríptico A Grande Cidade, 1927 - 1928),e a representação de personagens socialmente marginalizados, por exemplo prostitutas e trabalhadores. À condenação moral da sociedade burguesa decadente soma-se a desilusão diante dos horrores da guerra, que se torna um dos motivos centrais de sua obra. A série A Guerra, 1924, composta por cinqüenta gravuras, é considerada a mais eloqüente expressão antibelicista já produzida por um artista. No célebre Vendedor de Fósforos, 1920, Dix expõe, quase fotograficamente, o descaso dos passantes diante do sofrimento de um ex-soldado cego e paralítico. A produção dessa fase do artista constitui uma espécie de crônica ácida e indignada do ambiente alemão do período, o que vale a sua prisão em 1939 e a condenação de sua obra como arte degenerada.

Não muito distinto é o andamento da trajetória e obra de George Grosz. Marcado de perto pela experiência da  Primeira Guerra Mundial, da qual participa como membro do exército alemão, Grosz produz caricaturas e ilustrações satíricas que denunciam, não apenas as tragédias da guerra, mas a sociedade e as classes dirigentes alemãs. O tom explicitamente político de seus trabalhos se faz notar, entre outros, em A Face da Classe Dominante, 1921 e Ecce Homo, 1927. A guerra é tematizada satiricamente em desenhos como Apto para o Serviço Ativo, 1918 - onde se vê um médico declarando um esqueleto apto para o serviço militar - e em diversas telas, por exemplo, Funcionário do Estado para as Pensões dos Mutilados de Guerra, 1921, que representa uma cena citadina, em que se cruzam operários, soldados e outros personagens e, em primeiro plano, um grotesco funcionário vesgo e gordo, protótipo da mediocridade burocrática. De sua galeria de personagens urbanos fazem parte ainda prostitutas e especuladores. A denúncia do militarismo e da sociedade alemães vale a Grosz uma série de processos e um auto-exílio nos Estados Unidos, em 1933, momento em que sua obra busca outras direções. Vale observar que tanto Dix como Grosz ligam-se aos grupos dadaístas berlinenses, no início dos anos 1920, colaborando com o teatro político de Erwin Piscator (1893 - 1966), em 1928. O pintor e artista gráfico Max Beckmann (1884 - 1950), que participa da exposição de 1925, tem algumas de suas obras classificadas como ligadas à nova objetividade, pelo acento realista e tom crítico. A maior parte de sua produção distancia-se do tipo de realismo defendido por Dix e Grosz, sobretudo pela presença de alegorias e do simbolismo.

Se o impacto do expressionismo no Brasil pode ser aferido em épocas e obras variadas - por exemplo na produção de Anita Malfatti (1889 - 1964) dos anos 1915 e 1916, assim como nas obras de Oswaldo Goeldi (1895 - 1961), de Flávio de Carvalho (1899 - 1973) e de Iberê Camargo (1914 - 1994) -,  a dimensão de crítica social e política da nova objetividade se evidencia sobretudo nos trabalhos de Lasar Segall (1891 - 1957). Nos anos de sua formação alemã, Segall conviveu de perto com O. Dix e G. Grosz. As afinidades da obra de Segall com o movimento da nova objetividade são enfatizadas por parte dos críticos: o sentimento de descrença diante da sociedade alemã e da guerra transparece em boa parte de suas pinturas e gravuras dos anos 1920. Se isso é verdade, não se nota em seus trabalhos, aponta Rodrigo Naves, o tom de escárnio e ironia presente nos trabalhos dos artistas alemães.

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
  • CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • D'HORTA, Vera. Lasar Segall e o modernismo paulista. São Paulo: Brasiliense, 1984. (Antologias e biografias).
  • DICIONÁRIO da Pintura Moderna. Tradução Jacy Monteiro. São Paulo: Hemus, 1981. 380 p., il. p.b.
  • DIX, Otto. Otto Dix, 1891 - 1969. London: Tate Gallery, 1992. 230 p. il. p&b. color.
  • La nuova enciclopedia dell'arte Garzanti. Milano: Garzanti, 1986.
  • NAVES, Rodrigo. A Forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Ática, 1996. 285 p. il. color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: