Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Novecento

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2017
O Novecento é um movimento que nasce em Milão em 1922 e reúne a obra de um grupo de artistas ligados à galeria Pesaro: Anselmo Bucci (1887 - 1955), Leornado Dudreville (1885 - 1975), Achille Funi (1890 - 1972), Gian Emilio Malerba (1880 - 1926), Pietro Marussig (1879 - 1937), Ubaldo Oppi (1889 - 1942) e Mario Sironi (1885 - 1961). No início, o g...

Texto

Abrir módulo

Definição

O Novecento é um movimento que nasce em Milão em 1922 e reúne a obra de um grupo de artistas ligados à galeria Pesaro: Anselmo Bucci (1887 - 1955), Leornado Dudreville (1885 - 1975), Achille Funi (1890 - 1972), Gian Emilio Malerba (1880 - 1926), Pietro Marussig (1879 - 1937), Ubaldo Oppi (1889 - 1942) e Mario Sironi (1885 - 1961). No início, o grupo é liderado pela crítica de arte Margherita Sarfatti Grassini (1880 - 1961), amante do ditador Benito Mussolini, que por duas ocasiões (1923 e 1926) discursa na abertura de exposições do Novecento. O nome sugere uma dupla associação: ao século XX e aos grandes períodos clássicos da arte italiana como o Quattrocento e o Cinquencento. Pretende-se revitalizar a arte italiana com base em uma volta a sua fonte mais pura, o classicismo, inaugurando uma nova fase de ouro na história dessa arte.

No decorrer da década de 1920 e 1930, no período do entreguerras, o Novecento torna-se cada vez mais popular e ganha novos adeptos. Em 1925, o grupo é rebatizado com o nome de Novecento Italiano, refletindo a ambição de representar a arte nacional italiana. Passa a contar com comitê diretor (Comitato del Novecento) presidido por Sarfatti e responsável por promover seus artistas na Itália e no exterior. A primeira grande exposição do novo grupo, que contou com a participação de 110 artistas dos 130 convidados, ocorre em 1926 em Milão, e pela diversidade de artistas participantes sugere a expansão da tendência a toda Itália. Entre os novos integrantes do movimento encontram-se Carlo Carrà (1881 - 1966), Massimo Campigli (1895 - 1971), Felice Casorati (1883 - 1963), Marino Marini (1901 - 1980), Arturo Martini (1889 - 1947) e Arturo Tosi (1871 - 1956).

Do ponto de vista estilístico, o Novecento é um movimento que abarca diversas poéticas. No âmbito geral, insere-se nas tendências de retorno à ordem que atingem a Europa e a América após a 1ª Guerra Mundial (1914-1918) - por exemplo, a nova objetividade, o Realismo Mágico, a pintura da cena americana. Na Itália, a pintura metafísica de final dos anos 1910 exerce enorme influência sobre o Novecento. Em todos esses movimentos, percebe-se um ímpeto antivanguardista que se manifesta por uma volta aos códigos realistas de representação (a recuperação de uma noção de arte como tradução idealizada ou não do real), a reabilitação da tradição, o gosto pela obra bem-acabada e a revalorização do trabalho especializado mediante a ênfase no métier do artista, a preservação da autonomia da obra de arte e a retomada dos valores culturais nacionais.

Essas características gerais estão presentes no Novecento Italiano e são particularizadas em três vertentes principais, segundo o estudioso italiano Marco Lorandi. A primeira, denominada "arcaico-mítica", mantém uma maior ligação com a pintura metafísica anterior, com sua solenidade e caráter atemporal. Visa a construção de uma realidade "mágica" ou utópica, mediante a leitura singular do primeiro Renascimento italiano por meio das conquistas visuais da pintura pós-impressionista - sobretudo Paul Cézanne (1839 - 1906). A esse grupo estariam ligados os artistas Sironi, Carrà, Campigli, Martini, entre outros. A segunda corrente, intitulada neo-renascentista ou neoclassica, é representada por Funi, Bucci, Casorati, o De Chirico dos anos 1920, Dudreville, Marussig, Oppi, Tosi, entre outros. Caracteriza-se pela retomada de toda tradição da "grande arte italiana" clássica posterior, como Ticiano (ca.1488 - 1576), Giorgione (1477 - 1510) e Rafael (1483 - 1520). Por fim, há a corrente "cezanniana", que como indica o nome, visa a compreensão, principalmente no âmbito da pintura de paisagem, do espaço plástico pós-impressionista de Cézanne. Essa vertente também recupera os paisagistas italianos do século XIX, os macchiaioli, e sua possível relação com os artistas do Quattrocento. Entres seus principais representantes estão Tosi, Caligiani, Alberto Vitali (1898 - 1974) e Christoforo de Amicis (1902 - ?).

Nos últimos anos, alguns estudiosos têm pesquisado a existência do movimento na América do Sul. Isso se daria, entre outras razões, pela forte presença italiana no continente. Na Argentina, por exemplo, sabe-se que a mostra Novecento Italiano, montada em Buenos Aires em 1930 pelo governo italiano, teve um importante impacto no ambiente artístico. Apesar da exposição não chegar ao Brasil, o Novecento se faz presente mediante artistas italianos ou ítalo-brasileiros que aqui residem. Entre eles encontram-se Vittorio Gobbis (1894 - 1968), Rossi Osir (1890 - 1959), Fulvio Pennacchi (1905 - 1992) e Hugo Adami (1899 - 1999), sendo que este último participa da grande mostra do Novecento em 1926, quando estudava na Itália.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
  • CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
  • CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • DEMPSEY, Amy. Estilos, escolas & movimentos: guia enciclopédico da arte moderna. Tradução Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. 304 p., il. color.
  • NOVECENTO Sudamericano: relazioni artistiche tra Italia e Argentina, Brasile, Uruguay. Apresentação Roberto Formigoni, Gabriele Albertini, Mario Banccini, Salvatore Carrubba, Guido Clemente, Flavio Caroli; tradução Mariagrazia D'Alessandri Aprile, Roberta Barni, Gabriele Frigerio, Marcelo C. Huernos Cervini. Milano: Skira, 2003. 144 p., il. p&b color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: