Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Escola Paulista

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.03.2019
Escola Paulista é o termo pelo qual uma parcela importante da produção moderna da arquitetura brasileira é comumente reconhecida pela historiografia, mas não identifica toda a produção arquitetônica do estado de São Paulo. Trata-se originalmente da arquitetura produzida por um grupo radicado em São Paulo, que, com a liderança de  Vilanova Artiga...

Texto

Abrir módulo

Definição

Escola Paulista é o termo pelo qual uma parcela importante da produção moderna da arquitetura brasileira é comumente reconhecida pela historiografia, mas não identifica toda a produção arquitetônica do estado de São Paulo. Trata-se originalmente da arquitetura produzida por um grupo radicado em São Paulo, que, com a liderança de  Vilanova Artigas (1915-1985), realiza uma arquitetura marcada pela ênfase na técnica construtiva, pela adoção do concreto armado aparente e valorização da estrutura.

Artigas, engenheiro-arquiteto formado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), em 1937, destaca-se dentro da Escola Paulista não apenas por suas obras, mas também pelas posições políticas que informam a sua produção prática, didática e teórica. É a partir da Casa Baeta, 1956, que o arquiteto passa a ser "o chefe de fila da arquitetura de São Paulo, responsável pela melhor produção brasileira desde o concurso de Brasília",1 mas é somente com a sequência de projetos realizados entre 1959 e 1961 - Casa Mário Taques Bitencourt, Ginásio de Itanhaém, Ginásio de Guarulhos, Anhembi Tênis Clube, Garagem de Barcos do Iate Clube Santa Paula e o edifício da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP) -  que as linhas mestras dessa escola se definem. A partir daí, a arquitetura feita em São Paulo cada vez mais se caracteriza pela introversão, pela continuidade espacial garantida pela adoção de rampas e de iluminação zenital, e pelo emprego de grandes vãos, gerando extensos planos horizontais de concreto aparente e exigindo o uso de técnicas construtivas elaboradas, como o concreto protendido. Mais do que uma busca puramente estética ou técnica, essas características revelam um projeto político para o país, que aposta na industrialização para a superação do subdesenvolvimento.

Para Artigas, cabe aos arquitetos contribuir para esse projeto de desenvolvimento nacional, algo que só poderia ser realizado pelo investimento na modernização técnica da construção civil, empregando a técnica do concreto armado, a racionalização do desenho tendente à pré-fabricação e à mecanização do canteiro de obras. Nesse sentido, a Escola Paulista se diferencia da Escola Carioca, mais preocupada com a afirmação de uma linguagem ao mesmo tempo moderna e nacional, composta pela junção da gramática racionalista com elementos ditos "tradicionais". É preciso que se reconheça, entretanto, que há entre os arquitetos cariocas aqueles que se preocupam de algum modo com questões semelhantes às levantadas por Artigas2 e que a ênfase na estrutura é notada não só nos projetos do Colégio Brasil-Paraguai, 1952, e do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1953, de Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), como pelo depoimento publicado por Oscar Niemeyer (1907-2012) em fevereiro de 1958 na revista Módulo, comentado por Artigas em julho do mesmo ano, e novamente em 1965, na revista Acrópole.3 

Segundo o arquiteto Hugo Segawa, a arquitetura paulista alcança maturidade também a partir da fermentação de ideias que ocorre sobretudo na FAU/USP, curso criado em 1948, tema de debate em diversos fóruns e encontros nacionais, dos anos 1960, que tratam da formulação de um currículo mínimo para os cursos de arquitetura.4 O novo currículo proposto por Artigas e implantado na FAU/USP em 1962 (e dali em diante em outras escolas de arquitetura por todo o país) se fundamenta basicamente na ideia de que o curso de arquitetura e urbanismo deve se estruturar nas disciplinas dedicadas ao projeto em diferentes escalas, sendo o estúdio ou o ateliê o principal espaço de aula e de discussão. Além disso, que o curso passe a ser organizado em três eixos ou departamentos: História, Projetos e Técnicas, o que dá uma amplitude de saber ao novo profissional, habilitando-o ao enfrentamento das diversas demandas e fazendo dele um "profissional completo" que possa contribuir para a construção da nação.

O edifício da FAU/USP na Cidade Universitária procura expressar esse projeto didático, integrando por meio de rampas e do vazio central todas as atividades ali realizadas, enfatizando o espaço do ateliê e da biblioteca e, mais do que isso, sendo um edifício sem portas de entrada, aberto a manifestação de todos, ou seja, um edifício que é ele mesmo a "espacialização da democracia [...] onde todas as atividades são lícitas".5 Se o Ministério da Educação e Saúde (MES) é o edifício símbolo da Escola Carioca, o edifício da FAU/USP é o marco principal da Escola Paulista.

Além de Artigas, fazem parte da chamada Escola Paulista, ou "brutalismo paulista", Paulo Mendes da Rocha (1928), Marcello Fragelli (1928-2014), Abrahão Sanovicz (1933-1999), João Walter Toscano (1933), Pedro Paulo de Melo Saraiva (1933-2016), Ruy Ohtake (1938), entre outros.

Notas

1. LIRA, José. Apresentação. In: ARTIGAS, Vilanova. Caminhos da arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004. p.9.
2. Entre esses arquitetos estão Carlos Frederico Ferreira (1906-1966), chefe do Setor de Engenharia do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários (Iapi), e Affonso Eduardo Reidy, arquiteto-chefe da Secretaria Geral de Viação, Trabalho e Obras da Prefeitura do Distrito Federal, no Rio de Janeiro.
3. NIEMEYER, Oscar. Depoimento. In: XAVIER, Alberto (org.). Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 238-240; ARTIGAS, João Batista Vilanova. Revisão crítica de Niemeyer. In: Op. cit. p. 240; ARTIGAS, João Batista Vilanova. Uma falsa crise. In: Op cit. p. 248-253.
4. SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. São Paulo: Edusp, 1998. p. 146.
5. Vilanova Artigas: arquitetos brasileiros. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi: Fundação Vilanova Artigas, 1997. p. 101.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ARTIGAS, Vilanova. Vilanova Artigas. Organização Marcelo Carvalho Ferraz; São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi : Fundação Vilanova Artigas, 1997. 215 p., il. color. (Arquitetos brasileiros).
  • ESPECIAL Escola Paulista. AU, São Paulo, n.17, abr./ mai. 1988.
  • KOURY, Ana Paula. Grupo Arquitetura Nova: Flávio Império, Rodrigo Lefèvre e Sérgio Ferro. São Paulo: Edusp: Fapesp: Romano Guerra, 2003. 136 p., il. p&b. (Olhar arquitetônico, 1).
  • LIRA, José Tavares Correia de. Apresentação. In: ARTIGAS, Vilanova. Caminhos da arquitetura. Organização Rosa Camargo Artigas e José Tavares Correia de Lira. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. 240 p., il. p&b. p.7-13.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • XAVIER, Alberto (Org.). Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. rev. ampl. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: