Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Escola Baiana de Pintura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.04.2020
A chamada escola baiana de pintura refere-se a uma sucessão de pintores atuantes especialmente em Salvador entre a segunda metade do século XVIII e a primeira do XIX. De acordo com o sentido amplo dado ao termo "escola", admitiram-se afinidades de cunho estilístico e temático entre obras e artistas, não raro abraçadas por etiquetas geográficas, ...

Texto

Abrir módulo

Histórico
A chamada escola baiana de pintura refere-se a uma sucessão de pintores atuantes especialmente em Salvador entre a segunda metade do século XVIII e a primeira do XIX. De acordo com o sentido amplo dado ao termo "escola", admitiram-se afinidades de cunho estilístico e temático entre obras e artistas, não raro abraçadas por etiquetas geográficas, como é aparente em seu nome, a exemplo da escola veneziana, romana, francesa etc.

A primeira alusão conhecida ao nome encontra-se ainda no oitocentos, em um manuscrito intitulado Noções sobre a Procedência da Arte de Pintura na Província da Bahia, produzido provavelmente entre as décadas de 1860 e 1870. Embora ainda se desconheça a sua autoria, desde os primeiros anos do século XX esse estudo se tornou fundamental para pesquisas e reavaliações constantes dedicadas ao tema. Dele surge uma genealogia prévia de artistas, ainda aceita por muitos estudiosos, que apresenta o pintor José Joaquim da Rocha (1737?-1807) como o fundador da escola e responsável pela preparação de vários discípulos.

Em comum, esses artistas mantêm uma produção pautada sobretudo na pintura religiosa, cuja maior parte das encomendas são solicitadas por confrarias e ordens terceiras em Salvador (franciscanas, carmelitas, beneditinas), que haviam se estabelecido no Brasil desde o século XVI, em meio à expansão contra-reformista da Igreja Católica.

Além da constante edificação de novos templos, por vezes “rivais”, tais ordens definiram complexos programas iconográficos para pinturas devocionais em seus tetos, paredes e painéis. Centrados em passagens do Novo Testamento, investiram mais frequentemente na adoração à Nossa Senhora (protetora das ordens); mas também em episódios da Paixão de Jesus Cristo, na vida dos santos, na adoração dos reis magos, na eucaristia, na anunciação e na catequese, entre outros temas menos frequentes.

Embora saiba-se que José Joaquim da Rocha não tenha sido o primeiro artista a se envolver nesse tipo de produção – a julgar pela atuação de longa data de vários pintores portugueses na Bahia, alguns especializados na pintura em perspectiva de tetos, como Antonio Simões Ribeiro (s.d.-1755) –, a sua primazia em estudos que pressupõem uma filiação constante de pintores ao longo de mais de cem anos parece decorrer da sua suposta naturalidade brasileira e de uma atuação que perdura por várias décadas em Salvador.

A sua “escola”, no entanto, não deve ser entendida como a de uma união formal entre artistas, nem como uma formação metódica regulada por uma série de disciplinas práticas e teóricas, tal como será o modelo adotado pela futura Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), no Rio de Janeiro. O aprendizado dos seus integrantes dá-se pela prática constante do ofício, exercido sempre sob a supervisão do mestre, que corrige e ensina seus ajudantes em trabalhos de sua responsabilidade. Eles próprios tornam-se futuros mestres e continuam o processo.

Foi com base nessas constatações, e partindo de um conjunto limitado mas importante de informações sobre artistas, obras e agentes de encomendas apontados em Noções sobre a Procedência da Arte de Pintura na Província da Bahia, que estudiosos como Manoel Querino (nas primeiras décadas do século XX) e Carlos Ott (na segunda metade do mesmo século) ampliaram substancialmente as leituras a respeito da escola baiana de pintura, consolidando a ideia de sua existência.

Com poucas divergências na bibliografia,1 Rocha inaugura a escola, tomando como alunos, ao longo dos anos, José Teófilo de Jesus (1758-1847) e Franco Velasco (1780-1833) - que se tornam mais conhecidos -, além de Antônio Dias (17-- -18--), Lopes Marques, Mateus Lopes, Ramos Nunes da Motta, Sousa Coutinho, José Veríssimo e Lourenço Machado.

Teófilo de Jesus, até onde se sabe, parece ter sido o único a estudar fora do Brasil, custeado por Rocha, que o envia a Portugal entre 1794 e 1801. Apesar de sua atuação ter se estendido por mais de 45 anos em Salvador, se desconhecem notícias de que tenha mantido um grupo contínuo de trabalho.

Coube a Velasco, segundo a maior parte da bibliografia, dar sequência ao legado do seu mestre, formando sua própria ramificação de discípulos, entre eles José Rodrigues Nunes (1800-1881), Luís Gomes Tourinho, Luís da Silva Dias, Cornélio Ferreira França, Bento José Rufino Capinam (1791-1874) e José Antônio da Cunha Couto, alguns dos quais, especialmente Rodrigues Nunes, ajudariam a formar uma nova rede de discípulos, que terminaria por se “institucionalizar” no fim do século XIX, criando então o Liceu de Artes e Ofícios da Bahia e a Academia de Belas Artes da Bahia.

Ligados àquela filiação, sobressaem-se nessas iniciativas João Francisco Lopes Rodrigues (1825-1893) e seu filho, Manoel Lopes Rodrigues (1860-1917); esse, talvez o primeiro artista a operar uma mudança radical naquela sucessão artística: morando no Rio de Janeiro, em Paris e em Roma por mais de 14 anos, onde estuda nas academias locais e em ateliês privados, mantém diminuta produção religiosa, especializando-se, ao contrário, em natureza-morta, paisagem e pintura de gênero.

De todo modo, Lopes não parece ser um fenômeno isolado. A organização do Liceu de Artes e Ofícios e da Academia de Belas Artes da Bahia, somada a uma crescente laicização percebida em encomendas artísticas em Salvador desde o período de atuação de Franco Velasco, é usualmente tomada como a causa principal para o fim da escola baiana, uma vez que instaura mudanças significativas no aprendizado artístico, na produção, nos temas e nas relações de trabalho estabelecidas na tradição local – da qual a própria escola baiana faria parte.

Nota
1 Ver, por exemplo, SOBRAL, Luís de Moura (2008).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: