Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Classicismo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.02.2015
O termo, correlato a clássico, é empregado na história e na crítica da arte com sentidos diversos. Em acepção mais estrita, referida ao contexto da arte grega, "clássico" designa a produção específica da fase entre os anos 510 a.C. e 460 a.C., considerada o auge da produção artística grega (Mirón, Policleto, Fídias e Praxíteles estão entre os ma...

Texto

Abrir módulo

Definição
O termo, correlato a clássico, é empregado na história e na crítica da arte com sentidos diversos. Em acepção mais estrita, referida ao contexto da arte grega, "clássico" designa a produção específica da fase entre os anos 510 a.C. e 460 a.C., considerada o auge da produção artística grega (Mirón, Policleto, Fídias e Praxíteles estão entre os maiores escultores do período). Mais freqüentemente, "classicismo" é pensado por oposição a romantismo. Se o termo "clássico" remete à ordem, ao equilíbrio e à objetividade, a designação "romântico" apela às paixões, às desmedidas e ao subjetivismo. O belo clássico define-se na arte grega, com base em um ideal de perfeição, harmonia, equilíbrio e graça que os artistas procuram representar pela simetria e proporção (Praxíteles, Hermes com o Jovem Dionisio, 350 a.C.). As formas humanas apresentam-se como se fossem reais e, ao mesmo tempo, exemplares aperfeiçoados (Vênus de Milo, século I a.C.).

A arte renascentista italiana reanima o projeto de representação do mundo com base nos ideais clássicos. Algumas obras de Michelangelo Buonarrotti (1475 - 1564) exemplificam a realização desse modelo, seja nos estudos de anatomia para composições maiores, Estudo para uma das Sibilas, no teto da capela Sistina, seja em escultura, como o célebre Davi, 1501/1504. As imagens de Rafael (1483 - 1520), dão expressão aos valores da arte renascentista, destacando-se pela beleza projetada segundo os padrões idealizados do universo clássico, como A Ninfa Galatéia, ca.1514. Na arquitetura, especificamente, o clássico tal como formulado por Leon Batista Alberti (1404 - 1472), o mais importante teórico da arte na Renascença, também se orienta pelas regras da arquitetura greco-romana e por seu modelo de beleza arquitetônica que prega ser "a harmonia e a concórdia de todas as partes, atingida mediante a aplicação de regras bem fundamentadas e resultando numa unidade tal que nada possa ser acrescentado, retirado ou modificado sem prejuízo das obras". A partir daí fala-se no clássico arquitetônico, por oposição ao gótico.

Tanto o clássico quanto o romântico são teorizados entre a metade do século XVIII e meados do século XIX. O clássico constitui a base da reflexão de Anton Raphael Mengs (1728 - 1779) e de Joachim Johann Winckelmann (1717 - 1768), que defendem a retomada da arte antiga, especialmente a greco-romana, considerada modelo de equilíbrio, clareza e proporção. À linha curva e retorcida do barroco e do rococó, o neoclassicismo - como se convenciona chamar a retomada do modelo clássico na passagem do século XVIII ao XIX - opõe a retidão e a geometria, como se vê nas telas de Jacques-Louis David (1748 - 1825) e nas esculturas de Antonio Canova (1757 - 1822). O romântico, por sua vez, é sistematizado histórica e criticamente pelo grupo reunido com os irmãos Schlegel na Alemanha, a partir de 1797, ao qual se ligam Novalis, Tieck, Schelling e muitos outros. Se a dicotomia clássico/romântico é útil para definir contornos mais amplos, não deve levar ao estabelecimento de uma oposição radical entre os modelos, que se encontram combinados em diversos artistas e obras. Por exemplo, as pinturas visionárias e fantásticas do inglês William Blake (1757 - 1827), indica Giulio Carlo Argan, ainda que próximas à dicção romântica, tomam como modelo as formas clássicas.

Os termos clássico e classicismo podem ser empregados com base em uma mescla de juízos de valor - como se a arte greco-romana estabelecesse um padrão para toda a arte produzida posteriormente - e periodização histórica. Heinrich Wölfflin (1864 - 1945), por exemplo, em A Arte Clássica, 1899, pensa a noção como indicadora dos exemplos artísticos mais representativos de qualquer período. Assim, é possível utilizar a noção de "clássico" e também "romântico", como fazem alguns críticos, como orientações mais gerais, descoladas de localizações cronológicas marcadas, o que levaria a distinguir tendências "clássicas" ou "românticas" em diferentes épocas. A oposição clássico/romântico permitiria explicar, no limite, o desenvolvimento das artes e da cultura na Europa e Estados Unidos nos séculos XIX e XX. Em sentido mais corrente, próximo ao senso comum, é possível ainda utilizar o termo como referência à clareza de expressão ou como índice de conservadorismo.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
  • ARGAN, Giulio Carlo. Clássico anticlássico. O Ranascimento de Brunelleschi a Bruegel. Introdução, tradução e notas de Lorenzo Mammì. São Paulo: Cia. das Letras, 1999, 497 p.
  • CHASTEL, André. A arte italiana. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 738 p., il. p&b.
  • CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: