Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Azulejo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.07.2018
Termo, cuja raiz etimológica árabe (az-zulaich) designa peça de cerâmica vitrificada e/ou esmaltada usada, sobretudo, no revestimento de paredes. A origem das técnicas de corte e fabricação de azulejos é oriental, mas sua expansão pela Europa traz consigo uma diversificação de estilos, padrões e usos, que podem ser decorativos, utilitários e arq...

Texto

Abrir módulo

Definição

Termo, cuja raiz etimológica árabe (az-zulaich) designa peça de cerâmica vitrificada e/ou esmaltada usada, sobretudo, no revestimento de paredes. A origem das técnicas de corte e fabricação de azulejos é oriental, mas sua expansão pela Europa traz consigo uma diversificação de estilos, padrões e usos, que podem ser decorativos, utilitários e arquitetônicos. O mundo árabe assimila, desde o século IX, a prática de uso de azulejos na arquitetura que remonta a longínquas tradições orientais, assírias, persas, egípcias e chinesas. Datam dos séculos XV e XVI as primeiras tentativas ocidentais de emprego da cerâmica - escultórica e azulejera - na decoração e valorização da arquitetura exterior, quebrando, com desenhos e cores, a monotonia das fachadas de tijolos dos palácios e templos religiosos Em paredes, frisos e coberturas, os azulejos renovam a decoração exterior, permitindo soluções inéditas pelo uso de cores, traçados e desenhos.

Se a disseminação do azulejo na Europa atravessa fronteiras, atingindo diversos países, é possível localizar na Península Ibérica, um apreço especial pelo uso do azulejo na decoração interior e exterior das residências, igrejas e palácios. O azulejo mudéjar (dos mouros que permanecem na Península sob domínio cristão) domina o revestimento arquitetônico de Lisboa e das regiões próximas, desde o século XV, coincidindo sua ampla utilização com o florescimento do estilo manuelino. As "casas de louça" se beneficiam da produção da cidade de Sevilha, berço de artífices de origem mouresca. Azulejos hispano-mouriscos são utilizados em palácios (Palácio Real de Sintra), conventos, residências nobres e da alta burguesia. Produto caro no Portugal quinhentista e seicentista, o azulejo é preferencialmente empregado nos interiores (mais protegidos), sendo o seu uso exterior limitado, nesse momento, às cúpulas das igrejas, torres e pináculos (Torre e relógio da Sé velha de Funchal e Torre da Catedral de Évora). Aos poucos, os espaços intermediários entre interior e exterior - loggias, alpendres, pátios e claustros - vão conhecendo os azulejos que acabam por interferir no embelezamento de todo o conjunto (Pátio do Repuxo do Palácio de Sintra).

Marcas italianas podem ser encontradas na cerâmica ornamental aplicada à arquitetura por toda a Europa e também em solo português. Medalhões e baixos-relevos confeccionados nas oficinas dos Della-Robia e de Urbino chegam a Portugal no século XVI, assim como as peças de faiança italiana, produzidas desde o século XIII. O estilo flamengo se imprime na cerâmica utilitária e arquitetônica por meio da faiança e do azulejo liso de uma só cor, ambos difundidos a partir da cidade de Antuérpia. O século XVI assiste à fabricação em escala comercial do azulejo, o que contribui para o barateamento e ampliação de seu uso. No século seguinte, generaliza-se o azulejo "de padronagem" ou de "tapete" (próximo, em efeito, dos tecidos ornamentais), ainda mais econômico e de fácil execução. Com o auge da azulejaria portuguesa no século XVIII, o "azulejo historiado" passa a substituir as grandes tapeçarias; diferenciando-se da azulejaria de padronagem pelos motivos figurados e pelas narrativas que propõem, passam a ser empregados em painéis internos, mas também em fachadas, terraços e escadas exteriores (por exemplo, Casa Galache, Vila Franca de Xira). O Romantismo traz consigo a revalorização das antigas tradições nacionais e, com elas, é retomado o gosto pelos baixos-relevos (da Babilônia e da Pérsia, por exemplo), a arte dos Della-Robia e as faianças francesas de Bernard Pallissy (1510 - 1589). Por outro lado, o incremento da produção industrial solapa a azulejaria artística que resiste a partir de uns poucos exemplos. Em Portugal, são os discípulos da antiga Fábrica de Louças do Rato (Luís das Tabuletas e Antonio Manuel de Jesus, entre outros) aqueles que se mantém dedicados ao artesanato com azulejos. A obra cerâmica do português Bordalo Pinheiro (1846 - 1905) é exemplar da tentativa de combinar a produção industrial (o uso do azulejo liso, por exemplo) com a cerâmica artística e artesanal (fundo do lavabo do Palácio de Beau-Séjour, Benfica, além de várias residências burguesas nos arredores de Lisboa).

A contribuição de Portugal no campo da azulejaria repercute no Brasil desde o período colonial. A arquitetura brasileira - da colônia a atualidade - utiliza amplamente o azulejo em fachadas, painéis decorativos, espaços internos e externos. Os grandes casarões coloniais das regiões açucareiras do país; os sobrados e casario dos principais centros urbanos (Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e Belém) e os conventos e igrejas barrocas (Convento da Ordem Terceira de São Francisco, Salvador e Igreja de Santo Antonio, João Pessoa), atestam a importância do emprego do azulejo entre nós. A arquitetura nacional faz uso tanto da azulejaria de padrão - não historiada -, quanto da "técnica do alicato" (recorte de placas cerâmicas esmaltadas, com cores variadas e feitios diversos de polígonos) e das formas figuradas compondo amplos painéis narrativos. Os azulejos importados de Portugal, mas também da Espanha, Holanda e França, povoam as construções do Brasil independente, fazendo-se presentes em frisos, ornamentos, arremates e painéis (vide o conjunto do atual Museu do Açude, no Rio de Janeiro, que remonta ao final do período joanino, 1845-1850).

A arquitetura brasileira do século XX assiste à utilização dos azulejos em obras públicas e residenciais. Lembremos as residências projetadas por Ricardo Severo (1869 - 1940), expressão maior do movimento neocolonial entre nós (por exemplo, o palacete Numa de Oliveira 1916, na avenida Paulista) ou as construções de Victor Dubugras (1868 - 1933), arquiteto importante pelas construções art nouveau, cujas obras se notabilizam também pelo uso de azulejos, entre outros, o Conjunto dos Pousos do Caminho do Mar e reurbanização do Largo da Memória, no centro de São Paulo, com o "Painel do Rancho da Maioridade" de Wasth Rodrigues (1891 - 1957). A arquitetura moderna retoma o azulejo como elemento decorativo importante, por exemplo as paredes e painéis que decoram o Conjunto Habitacional Pedregulho e o edifício do Ministério da Educação e Saúde, ambos no Rio de Janeiro, e a Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha, Belo Horizonte. Athos Bulcão (1918) também utiliza em vários edifícios públicos de Brasília. Candido Portinari (1903 - 1962) e Rossi Osir (1890 - 1959) são alguns dos principais responsáveis pelos trabalhos em azulejo presentes nas construções arquitetônicas modernas. Este último criaria, com Mario Zanini (1907 - 1971), e Alfredo Volpi (1896 - 1988), a Osirarte, que atuaria por vinte anos no mercado nacional produzindo obras artísticas em azulejos.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ALCÂNTARA, Dora de (org). Azulejos na cultura luso-brasileira. Brasília ; Rio de Janeiro: Ministério da Cultura (MINC) : Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), 1997. 110 p. il. p& b. color.
  • DIAS, Maria Cristina Vereza Iodi (org). Patrimônio azulejar brasileiro. Aspectos históricos e de conservação. Brasília, Monumenta/ BID/ Ministério da Cultura, 2001. 195p. il. p&b. color.
  • MORAIS, Frederico. Azulejaria contemporânea no Brasil. São Paulo: Editoração Publicações e Comunicações, 1990. 143 p. il. p &b. color. v.2.
  • PANIGUA, José Ramon. Vocabulário básico de arquitectura. 7.ed. Madrid: Ediciones Cátedra, s.d. 339 p. il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: