Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Artistas Viajantes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.06.2017
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Os Arcos e o Convento de Santa Tereza
Richard Bate
27,00 cm x 21,00 cm
Museus Castro Maya - IPHAN/MinC (Rio de Janeiro)

Artistas viajantes são aqueles cuja produção encontra-se inexoravelmente ligada ao ato de viajar; os desenhos e pinturas que realizam, de franca vocação documental, acompanham deslocamentos no espaço, descobertas de paisagens e tipos humanos. De modo geral, esses artistas integram expedições artísticas e científicas que, nas Américas, desde sua ...

Texto

Abrir módulo

Histórico

Artistas viajantes são aqueles cuja produção encontra-se inexoravelmente ligada ao ato de viajar; os desenhos e pinturas que realizam, de franca vocação documental, acompanham deslocamentos no espaço, descobertas de paisagens e tipos humanos. De modo geral, esses artistas integram expedições artísticas e científicas que, nas Américas, desde sua descoberta, no século XVI, atravessam os territórios recém-conquistados, com a finalidade de registrar a flora, a fauna e seu povos. No caso do Brasil, vastas literatura e iconografia são produzidas desde a chegada dos portugueses no século XVI até o século XIX: os relatos e registros pictóricos descrevem as novas paisagens projetando imagens variadas da terra e do homem. Espécimes naturais desconhecidos, animais estranhos e homens "primitivos" (às vezes "bons selvagens", outras, "selvagens-canibais") compõem o imaginário europeu acerca do Novo Mundo, descrito ora como "inferno", ora como "paraíso terreal". A riqueza da produção dos artistas viajantes - seja pelo seu valor artístico, seja por conta de seus pontos de vista e suas descrições acerca das novas terras e gentes - desperta a atenção de analistas de diversas áreas: geógrafos, antropólogos, historiadores da arte e da cultura.

Os primeiros relatos sobre o Brasil, como o do viajante Hans Staden (1510-1576), vêm acompanhados de ilustrações (em geral, de autoria desconhecida) que traduzem as peripécias do viajante alemão, prisioneiro dos índios tupinambás, ameaçado de morte e canibalismo. Do mesmo modo, os textos do frei André Thevet (1502-1592) - As Singularidades da França Antártica, 1557- que acompanha a expedição de colonização da França Antártica, comandada por Villegagnon (1510-1571) em 1555 e 1556, e os do pastor calvinista Jean de Léry (1536-1613) - História de uma Viagem Feita à Terra do Brasil, 1578 - são complementados por ilustrações, inseparáveis dos relatos. Se, no início, as imagens vêm a reboque dos textos dos viajantes, com a edição gravada de Grands Voyages et Petits Voyages, coordenada pelo editor e gravador flamengo Theodore de Bry (1528-1598), e publicada em Antuérpia, entre 1590 e 1634, os registros visuais parecem adquirir relativa autonomia em relação aos textos.

Muitos são os artistas viajantes que passam pelo Brasil desde o período colonial; cabe destacar os mais importantes em relação às obras produzidas. O governo de Maurício de Nassau em Pernambuco, de 1636 a 1645, é responsável por fontes iconográficas fundamentais a respeito do Brasil holandês. Entre os artistas que documentam o país nesse contexto encontram-se os holandeses Albert Eckhout (ca.1610-ca.1666) e Frans Post (1612-1680), contratados para integrar a comitiva de Nassau. A pintura desses artistas, dizem os estudiosos, inaugura novos parâmetros de visualidade, menos comprometida com preocupações morais e religiosas, e mais afeita à observação naturalista do mundo, de acordo com os preceitos das escolas flamenga e holandesa. Paisagens são preferencialmente realizadas por Post, entre 1637 a 1644. De sua vasta obra documental é possível lembrar Engenho de Açúcar, s.d., Vista da Ilha de Itamaracá, 1637, e Mocambos, 1659. Eckhout trabalha com telas de grandes dimensões, além de fazer desenhos e esboços. Fauna, flora e tipos humanos são por ele registrados em: Homem Mestiço, s.d., Dança dos Tarairiu [Tapuias], s.d., Índia Tupi, 1641, Abacaxi, Melancia e Outras Frutas, s.d., entre outros.  Ainda no período colonial, vale mencionar a "Viagem Filosófica", chefiada por Alexandre Rodrigues Ferreira, responsável por uma série de expedições ao interior do país, com fins botânicos, zoológicos, mineralógicos e etnográficos. Dessa expedição resultam desenhos e aquarelas de autoria de Joaquim José Codina (s.d.-1790) e José Joaquim Freire (1760-1847).

A abertura dos portos brasileiros por dom João VI (1767-1826), em 1808, acompanha a alteração do rigoroso estatuto colonial que restringe as viagens de estrangeiros pelo país. A partir daí, diversas expedições artísticas e científicas são realizadas com o propósito não apenas de registrar espécimes naturais e objetos, como também de coletá-los. A expedição Rurick, organizada pelo conde de Romanzov (1754-1826), entre 1815 e 1818, deixa registros visuais da ilha de Santa Catarina, realizados por Louis Choris (1795-1828). A missão austríaca de 1817, formada por ocasião do casamento de dona Leopoldina (1797-1826)  com o príncipe dom Pedro (1798-1834), traz um conjunto de sábios e artistas destacados para estudar o país. São nomeados para compor o séquito da arquiduquesa Leopoldina, o zoólogo Johan Baptiste von Spix (1781-1826) e o botânico Karl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868). Spix e Martius descrevem a natureza e a vida social brasileira de forma minuciosa em sua Viagem pelo Brasil (cujos três tomos são editados em 1823, 1828 e 1831, respectivamente, e a edição brasileira, promovida pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - IHGB, data de 1938). Integra também a missão austríaca Thomas Ender (1793-1875), responsável por diversos desenhos da região do Rio de Janeiro e da província de São Paulo, por exemplo, Vista da Tijuca e O Catete e o Vale das Laranjeiras.

Outra importante expedição do ponto de vista das pinturas documentais a cargo de artistas viajantes é organizada pelo barão Georg Heinrich Von Langsdorff (1774-1852), entre 1824 e 1829. Durante o trajeto de 17 mil quilômetros, os artistas contratados criam um rico acervo iconográfico. O desenhista topógrafo Hercule Florence (1804-1879) executa diversas aquarelas mostrando o ambiente natural e social do Brasil da época (Habitação dos Apiacás sobre o Arinos, 1828); o pintor Rugendas (1802-1858) registra o périplo da missão em Viagem Pitoresca pelo Brasil, 1834; o pintor Adrien Taunay (1802-1828), por sua vez, realiza paisagens e descreve aspectos da vida social bororo (Agrupamento dos Índios Bororo do Acampamento Chamado Pau-Seco, entre os Rios Paraguai e Jauru, 1827). Da expedição Thayer, 1865-1866, chefiada pelo naturalista Louis Agassiz (1807-1873), que percorre o país em 1865, ficam as paisagens amazônicas de autoria de Jacques Burckhardt (1808-1867) - como, Paisagem Brasileira, Manaus, 1865, - e a série Peixes Brasileiros, 1865.

A Missão Artística Francesa, que chega ao Rio de Janeiro em 1816, conta com a participação de muitos artistas estrangeiros, entre eles Debret (1768-1848). Se Debret e os demais membros da missão não são artistas viajantes do mesmo feitio que os anteriores, pelo vínculo prolongado que estabelecem com o Brasil, contribuem como os demais para a construção de um repertório visual acerca do país. Professor de pintura histórica na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), Debret é responsável por descrições detalhadas da vida social brasileira em suas múltiplas dimensões: a vida na corte, o trabalho escravo, a cidade do Rio de Janeiro, o cotidiano, a família etc. Sua Viagem Pitoresca e Histórica do Brasil, de 1834 (1ª edição brasileira, 1840), é um dos mais importantes exemplos de registros de valor documental realizados, amplamente utilizada como fonte iconográfica para o estudo da vida social brasileira no século XIX e, mais recentemente, interpretada do ponto de seus desafios propriamente pictóricos, como expressão das dificuldades de aclimatação do modelo neoclássico no Brasil. O pintor Nicolas Antoine Taunay (1755-1830) é outro integrante da missão contratada para inaugurar a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, futura Aiba.  Mesmo que tenha feito retratos e pintura histórica, Taunay se notabiliza pelas paisagens (Cascatinha da Tijuca e Paisagem do Brasil, entre outras), no que é seguido por seu filho Félix Taunay (1795-1881), autor de Vista da Mãe d'Água e Mata Reduzida a Carvão.

Cabe lembrar ainda a presença de viajantes no Brasil do século XIX ligados às atividades diplomáticas e à Marinha, assim como de diletantes e amadores, que deixam como legado de suas viagens e estadas temporárias obras pictóricas dedicadas ao país. Entre os paisagistas é possível mencionar a escritora e artista amadora Maria Graham (1785-1842), autora de panoramas como Vista da Baía de Guanabara, 1825; o militar, pintor e aquarelista amador Henry Chamberlain (1796-1844), responsável pelo álbum Vistas e Costumes da Cidade e Cercanias do Rio de Janeiro, 1822; e o pintor e aquarelista Hildebrandt (1818-1869), autor de obras como Panorama da Bahia. Vale observar que com a chegada do daguerreótipo ao Rio de Janeiro, em 1839, a fotografia passa a funcionar como nova forma de registro de artistas viajantes que, como Victor Frond (1821-1881) e Florence, se ligam também à história da fotografia no Brasil.

Obras 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes: um lugar no universo. São Paulo: Metalivros, 1994. v. 2.
  • FITTKAU, Ernst Josef. Johann Baptist Ritter von Spix: primeiro zoólogo de Munique e pesquisador no Brasil. Hist. cienc. saude-Manguinhos., Rio de Janeiro. Disponível em: [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000500017&lng=en&nrm=iso]. Acesso em: 15 dezembro 2007. Pré-publicação.
  • KOMISSAROV, Boris. Expedição Langsdorff: acervo e fontes históricas. Tradução Marcos Pinto Braga. São Paulo: Unesp : Hucitec, 1994.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, São Paulo, SP. O olhar distante. Curadoria Jean Galard, Pedro Corrêa do Lago; assistência de curadoria Mariana Cordiviola; tradução Alain François, Contador Borges, Tina Delia, John Norman, Eduardo Hardman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • NAVES, Rodrigo. Debret, o neoclassicismo e a escravidão. In: ______. A Forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Ática, 1996. 285 p., il. color.
  • O BRASIL dos viajantes. São Paulo: Museu de Arte de São Paulo (Masp), 20 de out. a 18 de dez. 1994.
  • ROSSATO, Luciana. Imagens de Santa Catarina: arte e ciência na obra do artista viajante Louis Choris, Revista Brasileira de História, v. 25, n. 49, 2005, pp.175-195.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: