Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Pintura de Interior

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.02.2015
O termo designa uma ramificação da pintura de gênero, especificamente as obras que representam cenas do cotidiano doméstico e aquelas ocorridas em espaços interiores: salas, quartos, cozinhas etc. Ainda que seja possível localizar registros de ambientes interiores em diversas tradições e épocas, a expressão faz referência sobretudo à pintura da ...

Texto

Abrir módulo

Definição
O termo designa uma ramificação da pintura de gênero, especificamente as obras que representam cenas do cotidiano doméstico e aquelas ocorridas em espaços interiores: salas, quartos, cozinhas etc. Ainda que seja possível localizar registros de ambientes interiores em diversas tradições e épocas, a expressão faz referência sobretudo à pintura da Holanda protestante do século XVII, onde se desenvolve um estilo sóbrio e realista, comprometido com a descrição de cenas rotineiras, de situações da vida diária, de homens realizando seus ofícios, de mulheres no interior das casas e de festas comunitárias. As imagens se particularizam pela riqueza de detalhes, pela precisão e apuro técnico, na contramão das formas barrocas que tomam os países da Europa católica. Vale lembrar que a expressão pintura de interior, ainda que parte integrante do vocabulário da crítica e da história da arte, é empregada de modo esporádico, encontrando-se ausente em boa parte dos dicionários e enciclopédias dedicadas às artes visuais. De modo geral, o termo pintura de gênero é aquele mais amplamente adotado.

A pintura flamenga, já nos séculos XV e XVI, mostra-se sensível à descrição dos registros triviais do cotidiano. O célebre quadro Giovanni Arnolfini e Sua Esposa (1434) de Jan van Eyck (ca.1390-1441) é revelador dessa orientação descritiva da pintura holandesa. Basta notarmos o cuidado do pintor com as texturas reais das faces do casal em primeiro plano e de suas vestimentas, bem como a composição detalhada do ambiente interior: os móveis, os candelabros, o cão e o espelho ao fundo em que se encontram refletidos o casal (de costas) e duas outras figuras. Peter Bruegel, o velho (ca.1525-1569), se notabiliza pelas cenas de gênero que realiza, em especial, as cenas da vida camponesa: os aldeões no trabalho e em festejos variados. Dentre elas, algumas podem ser mais claramente classificadas como pinturas de interior, por exemplo, Um Casamento Aldeão (1565). A cena, ocorrida no interior de um celeiro, repleta de personagens e situações, exemplifica a opção primeira de sua pintura: a riqueza de detalhes, o colorido e a técnica precisa. Muita coisa ocorre simultaneamente: em primeiro plano, os pratos transportados por dois homens de avental branco; no canto esquerdo, um homem serve cerveja e um menino brinca; à mesa, as pessoas comem e conversam, enquanto um grupo de músicos toca, de pé; no fundo, outros tentam entrar pela porta. O filão aberto por Bruegel vai ser explorado pelas obras animadas e humorísticas de Jan Steen (1626-1679), popular pelas tavernas e ambientes festivos que descreve com atenção aos coloridos, gestos e poses. Dentre suas obras, algumas são pinturas de interiores, como A Festa na Osteria (1674) e A Festa de Batizado (1664). Jan Vermeer (1622-1669 ou 1670) deixou registros antológicos de cenas de interior como A Leiteira (ca.1660), Mulher Lendo Diante da Janela (ca.1657), Jarro de Vinho (ca.1658-1660), A Lição de Música (ca.1662-1665), entre outras. O registro de cenas da vida doméstica, por meio de imagens harmoniosas, o foco colocado em uma ou duas figuras - que realizam tarefas domésticas ou em momentos de lazer - e a luz que entra pelas janelas, á esquerda da composição - em que predominam amarelos, azuis e tons acinzentados - são traços destacados da pintura de Vermeer.

No Brasil, a pintura de gênero é realizada pelos pintores do final do século XIX e início do século XX. No interior da ampla produção de Debret (1768-1848), por exemplo, o registro de cenas da vida cotidiana, dos ambientes domésticos e do mundo do trabalho está presente em diversos trabalhos, como Uma Senhora Brasileira em seu Lar (ca.1823), Botica e Interior de uma Casa de Ciganas (1823). Almeida Júnior (1850-1899), por sua vez, realiza pinturas de interior em diferentes momentos: Quarto do Artista em Paris (1886), O Importuno (1898). A pintura de gênero, e nesse caso mais detidamente o registro de ambientes interiores, encontra expressão em obras de Modesto Brocos (1852-1936) - Engenho de Mandioca (1892) -, de Belmiro de Almeida (1858-1935) - A Tagarela (1893) e Arrufos (1887) - e de Henrique Bernardelli (1858-1936), por exemplo Interior Italiano (s.d.). E nos anos 1920 convém recordar a produção francesa de Anita Malfatti (1889-1964).

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ALPERS, Svetlana. A arte holandesa no século XVII. Tradução Antonio de Pádua Danesi, São Paulo, EDUSP, 1983, 432 pp. il. p&b. color (Coleção Texto e Arte).
  • CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • La nuova enciclopedia dell'arte Garzanti. Milano: Garzanti, 1986.
  • VÉGH, János. A pintura holandesa. Tradução do inglês, Luiz Oscar Dubeux, Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico S/A, 1981.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: