Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Academicismo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.09.2018
Reprodução fotográfica Rômulo Fialdini

Rua de Túnis, 1874
Georg Grimm
Óleo sobre madeira
25,00 cm x 35,00 cm

O termo liga-se diretamente às academias e à arte aí produzida. Presentes na Europa desde 1562, com a criação da Academia de Desenho de Florença, disseminadas por diversos países durante o século XVIII, as academias de arte são responsáveis pelo estabelecimento de uma formação artística padronizada, ancorada em ensino prático - sobretudo em aula...

Texto

Abrir módulo

Definição

O termo liga-se diretamente às academias e à arte aí produzida. Presentes na Europa desde 1562, com a criação da Academia de Desenho de Florença, disseminadas por diversos países durante o século XVIII, as academias de arte são responsáveis pelo estabelecimento de uma formação artística padronizada, ancorada em ensino prático - sobretudo em aulas de desenho de observação e cópias de moldes - e teórico, em que se articulam as ciências (geometria, anatomia e perspectiva) e as humanidades (história e filosofia). Ao defender a possibilidade de ensino de todo e qualquer aspecto da criação artística por meio de regras comunicáveis, essas instituições descartam a idéia de gênio, movido pela inspiração divina ou pela intuição e talento individuais. Rompem com a visão de arte como artesanato, e isso acarreta mudança radical no status do artista: não mais artesãos das guildas, eles passam a ser considerados  teóricos e intelectuais. Além do ensino, as academias são responsáveis pela organização de exposições, concursos, prêmios, pinacotecas e coleções, o que significa o controle da atividade artística e a fixação rígida de padrões de gosto.

A associação mais nítida da academia com uma doutrina estética específica se verifica na criação em Paris da Real Academia de Pintura e Escultura em 1648. Dirigida pelo estadista Jean-Baptiste Colbert (1619-1683) e pelo pintor e teórico da arte Charles Lebrun (1619-1690), a academia francesa impõe uma ortodoxia estética com base principalmente na obra do pintor francês Nicolas Poussin (1594-1665), atuante em Roma. A paixão pela Antigüidade, revelada em temas alegóricos de derivação mitológica ou histórica - e associada à clareza expressiva e à obediência às regras, define o estilo de Poussin, que se converte no eixo da doutrina acadêmica, sobretudo a partir de 1663 quando Lebrun assume a direção da academia. Com Colbert e Lebrun, os termos belas-artes e arte acadêmica entram na ordem do dia, acentuando a distinção entre artes maiores e menores, arte pura e aplicada.

O sentimento revolucionário disseminado na França agudiza as críticas aos privilégios da academia de então, o que leva a sua dissolução, em 1793 (a Academia de Belas Artes é reconstruída em 1816). No período revolucionário e, em seguida, sob o império de Napoleão, a pintura neoclássica alça-se ao primeiro plano, e tem entre seus principais expoentes o pintor Jacques-Louis David (1748-1825). David lidera o movimento pelo fim da academia, assim como fica à frente do processo de sua refundação. A partir daí, o neoclassicismo aparece diretamente relacionado à produção acadêmica, na contramão da exuberância barroca e da frivolidade rococó. O entusiasmo pela arte antiga e a recuperação do espírito heróico e dos padrões decorativos de Grécia e Roma se beneficiam, entre outros, da pesquisa arqueológica (das descobertas das cidades de Herculano, 1738, e Pompéia, 1748) e da obra dos alemães radicados na Itália, o pintor Anton Raphael Mengs (1728-1779), autor do célebre Parnaso (1761), e o historiador de arte e arqueólogo Joachim Johann Winckelmann (1717-1768), principal teórico do neoclassicismo com a publicação de História da Arte Antiga (1764). David exercita seu estilo com base na experiência italiana que conhece de perto (esteve em Roma em 1774 e 1784) e nos exemplos franceses de Poussin e Claude Lorrain (1600-1682). A dicção austera das composições - ao mesmo tempo simples e grandiosas -, despidas de ornamentos e detalhes irrelevantes, nas quais o traço firme do desenho prevalece sobre a cor, tornar-se a marca caraterística de David. O Juramento dos Horácios (1784) e A Morte de Sócrates (1787) são exemplos nítidos da gramática neoclássica empregada pelo pintor francês, em que convivem o equilíbrio e a precisão das formas. Pintor da Revolução Francesa (ver, entre outros, A Morte de Marat, 1793), David foi também defensor de Napoleão (Coroação de Napoleão, 1805/1807). Nos dois momentos, a França encena os modelos da Roma republicana e da Roma imperial, tanto na arte quanto na vida social, nas modas e nos modos despojados, que recusam as desmedidas do estilo aristocrático anterior.

A chancela oficial das academias, associada à defesa intransigente de certos ideais artísticos e padrões de gosto que os prêmios e concursos explicitam, traz consigo a recusa de outras formas e concepções de arte, o que acarreta um inevitável conservadorismo. Daí o sentido pejorativo que ronda as noções de arte acadêmica e academicismo, associadas à arte oficial, à falta de originalidade e à mediocridade. Os grandes artistas do século XIX, como boa parte dos impressionistas, procuram canais alternativos para exibir suas obras, à margem da academia. Isso não deve afastar a compreensão das reverberações da arte acadêmica no mundo todo. No Brasil, a origem da arte acadêmica liga-se à criação da Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), inaugurada oficialmente em 1826, e marca o início do ensino superior artístico no Brasil. Os prêmios e bolsas de viagem ao exterior concedidos pela Aiba têm papel decisivo na formação de artistas como, por exemplo, Victor Meirelles (1832-1903) e Pedro Américo (1843-1905). Em linhas gerais, a arte acadêmica no país corresponde a um modelo neoclássico aclimatado, que tem de enfrentar as condições da natureza e da sociedade locais. Entre as várias alterações no modelo encontra-se o predomínio das paisagens entre os pintores acadêmicos no Brasil, a despeito da hierarquia de gêneros, que considerava a paisagem secundária.

Obras 56

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida
Reprodução fotográfica César Barreto

A Carioca

Óleo sobre tela
Reprodução fotografica Romulo Fialdini

A Noiva

Óleo sobre tela
Reprodução Fotográfica Lula Rodrigues

A Tarantela

Óleo sobre tela

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • BARATA, Mário. As artes plásticas de 1808 a 1889. In: HOLANDA, Sérgio B. (Org). História Geral da Civilização Brasileira, Volume II, Tomo III, O Brasil Monárquico - reações e transações. São Paulo: Difel, 1982, pp. 409-424.
  • CHASTEL, André. A arte italiana. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1991, 738 p., il. p&b.
  • CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • LA NUOVA ENCICLOPEDIA DELL´ARTE GARZANTI. MILÃO: Garzanti Editore, 1986. 1112p. il. p&b, color.
  • NAVES, Rodrigo. Debret, o neoclassicismo e a escravidão. In:______. A Forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Ática, 1996. 285 p. il. color.
  • O BRASIL dos viajantes. São Paulo: Museu de Arte de São Paulo (Masp), 20 de out. a 18 de dez. 1994.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: