Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Graffiti

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.07.2021
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Perua Grafitada do N. Y. Samba Band 83 (detalhe), 1983
Alex Vallauri
Grafite (estênceis aplicados com spray)

As inscrições em muros, paredes e metrôs – palavras e/ou desenhos –, sem autoria definida, tomam Nova York, no início da década de 1970. Em 1975, a exposição Artist's Space confere caráter artístico a parte dessa produção, classificada como graffiti. A palavra, do italiano graffito ou sgraffito, que significa arranhado, rabiscado, é incorporada ...

Texto

Abrir módulo

As inscrições em muros, paredes e metrôs – palavras e/ou desenhos –, sem autoria definida, tomam Nova York, no início da década de 1970. Em 1975, a exposição Artist's Space confere caráter artístico a parte dessa produção, classificada como graffiti. A palavra, do italiano graffito ou sgraffito, que significa arranhado, rabiscado, é incorporada ao inglês no plural graffiti, para designar uma arte urbana com forte sentido de intervenção na cena pública. Giz, carimbos, pincéis e, sobretudo, spray são instrumentos para a criação de formas, símbolos e imagens em diversos espaços da cidade.

O repertório dos artistas é composto de ícones do mundo da mídia, do cartum e da publicidade, o que evidencia as afinidades do graffiti com a arte pop, e a recusa em separar o universo artístico das coisas do mundo. Os grafiteiros remetem a origem de sua arte às pinturas rupestres e às inscrições nas cavernas. Para o americano Keith Haring (1958-1990), um dos principais expoentes do graffiti nova-iorquino no século XX, o desenho guarda a mesma origem desde a pré-história, com poucas mudanças.

A definição e o reconhecimento dessa modalidade artística impõem o estabelecimento de distinções entre graffiti e pichação, corroboradas por boa parte dos praticantes. Apesar de partilharem um mesmo espírito transgressor, a pichação aparece nos discursos críticos associada a uma produção sem elaboração formal e realizada, em geral, sem projeto definido. No graffiti, os artistas explicitam estilos próprios e diferenciados, mesclando referências às vanguardas e ao universo dos mass media. Artistas como Brassaï (1899-1984), Antoni Tàpies (1923-2012), Alberto Burri (1915-1995) e Jean Dubuffet (1901-1985), também incorporam elementos do grafitti em suas obras.

A produção de Haring se caracteriza pela ironia e crítica. No início dos anos 1980, suas imagens feitas com giz ocupam as superfícies negras das paredes do metrô, destinadas a cartazes publicitários. Bebês engatinhando, cachorros latindo, figuras magricelas são algumas de suas marcas. Em 1982, o mural com cores fluorescentes no Lower East Side e a animação para painel eletrônico na Times Square, em Nova York, projetam o nome do artista, que desenvolve, a partir de então, projetos fora dos Estados Unidos, como o trabalho realizado no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), em 1984, e a intervenção no Muro de Berlim, em 1986. As telas de Haring, por exemplo, Portrait of Macho Camacho (1985), e Walking in The Rain (1989), guardam semelhanças com o graffiti, seja pela manutenção da linha solta das inscrições e rabiscos, seja pelo repertório mobilizado.

Jean-Michel Basquiat (1960-1988) é outro nome importante dessa modalidade de produção artística. Ele enfatiza as ligações do graffiti e do hip-hop e com o mundo underground dos pichadores que o trabalho de Haring anuncia. De origem haitiana, Basquiat enraíza sua arte na experiência da exclusão social, no universo dos migrantes e no repertório cultural dos afro-americanos. Nos anos 1970, seus "textos pintados" tomam os muros do Soho e do East Village, em Nova York, redutos de intelectuais e artistas, e fazem dele um nome conhecido. Mas é na década seguinte que a caligrafia visual de Basquiat passa a ser reconhecida, pela sua colaboração com o artista americano Andy Warhol (1928-1987) em Arm and Hammer (1985), com sua alusão à anatomia humana, ao rap, ao break dance e à vida nova-iorquina. As obras de Haring e Basquiat tornam-se referências para experimentos com graffiti realizados em grandes cidades de todo o mundo. 

Em São Paulo, as imagens do grafiteiro Alex Vallauri (1949-1987) – figuras das histórias de quadrinhos, carrinhos de supermercado, o jacaré da marca Lacoste etc. – começam a ser identificadas entre 1978 e 1979. Destacam-se ainda os trabalhos de Zaidler (1958) e Carlos Matuck (1958)

O grupo Tupinãodá, criado em 1983 – formado por Carlos Delfino, Jaime Prades (1958), Milton Sogabe (1953), José Carratu (1955) e outros –, é mais um nome importante quando o assunto é o graffiti na capital paulista. A Bienal Internacional de São Paulo de 1987 abre espaço para essa produção ao exibir uma parede pintada pelo grupo. O Tupinãodá realiza performances e grafitagens pela cidade até o início da década de 1990, tendo a arte como instrumento para manifestação política. 

Na década de 2000, além de ganhar destaque no cenário internacional com nomes como Eduardo Kobra (1976), Zezão (1971), Os Gêmeos, o graffitti brasileiro aumenta o espaço da presença feminina com artistas como Nina Pandolfo (1977) e Panmela Castro (1981), incluindo em suas temáticas questões femininas, ambientais, desigualdade social, racial e de gênero.

Palco de manifestação política e social por sua intervenção na cena pública, o graffitti conquista espaço como arte urbana desde os anos 1970 e se consolida nas décadas seguintes, abrindo caminho para novos artistas e ampliando sua temática com novas abordagens. 

Obras 12

Abrir módulo
São Paulo, SP<br> Reprodução fotográfica da artista
Museu Aberto de Arte Urbana - Avenida Cruzeiro do Sul<br> Reprodução fotográfica da artista

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • CHALFANT, Henry & PRIGOFF, James. Spraycan Art. London: Thames & Hudson, 1987,.
  • DAWSON, Barry. Street Graphics Tokyo. London: Thames & Hudson, 2002.
  • HARING, Keith. Keith Haring. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2003.
  • RAMOS, Célia Maria Antonacci. Grafite, pichação & Cia. São Paulo: Annablume, 1994. (Selo Universidade, Arte, 20).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: