Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Carnaval

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.02.2022
Festa popular de origens e manifestações múltiplas, o Carnaval representa, de modo amplo, o período anterior a um intervalo de abstinência religiosa, tal qual a Quaresma cristã. Em geral, trata-se de animadas celebrações, em espaços públicos, de grandes grupos de pessoas ao longo de alguns dias marcados pela subversão de hierarquias cotidianas. ...

Texto

Abrir módulo

Festa popular de origens e manifestações múltiplas, o Carnaval representa, de modo amplo, o período anterior a um intervalo de abstinência religiosa, tal qual a Quaresma cristã. Em geral, trata-se de animadas celebrações, em espaços públicos, de grandes grupos de pessoas ao longo de alguns dias marcados pela subversão de hierarquias cotidianas. Forte mobilizador e transformador de repertórios comunitários, culturais, sociais e econômicos, encontra no Brasil um de seus terrenos mais férteis, sobretudo durante o século XX, quando se associa a gêneros musicais como a marchinha, o samba, o frevo e o axé, adquirindo status de síntese da identidade nacional.

A ideia de quarenta dias de penitência para os cristãos, de modo a emular os sofrimentos de Jesus no deserto, é instituída pelo papa Gregório I (590-604). Mas é apenas no século XI que a Igreja Católica fixa esse período no calendário, antes do Domingo de Páscoa. Seu início, em fevereiro ou março, dá-se na chamada Quarta-feira de Cinzas. Com a impossibilidade de ingerir carne, comunidades europeias se mobilizam às vésperas do jejum para um amplo desfrute dos prazeres da gula. O termo italiano carnevale, derivado do latim carnem levare ("eliminar a carne"), pode estar o étimo do termo carnaval.

Fato é que a tradição cristã do Carnaval também deita raízes em festividades pagãs. Por exemplo: a Lupercália, ritual romano da Antiguidade, celebrada em meados de fevereiro com diversas manifestações licenciosas, tem um sentido purificador e agregador de bons agouros. O Carnaval brasileiro contemporâneo também guarda certa simetria com aspectos gregos das festas: a folia é sua dimensão dionisíaca, ao passo que o seu lado apolíneo está no espetáculo. Reitere-se, também, que certas culturas da África contam com festivais anuais sucedidos por extensos períodos de resguardo. A realização do odwira entre os axânti, povo do Sul de Gana e áreas adjacentes de Togo e da Costa do Marfim, encontra paralelos em outros povos do continente africano, o que, no contexto da diáspora africana na América, contribui para explicar o enorme aporte histórico de afrodescendentes à cultura carnavalesca.

Em meados do século XVI, o entrudo, festa popular vinda de Portugal para Pernambuco, de onde se espalha pela colônia, torna-se uma das primeiras brincadeiras de Carnaval a se difundir no Brasil. Este folguedo constitui-se no arremesso de farinha, polvilho e limões-de-cheiro (às vezes com urina) em outras pessoas. Apesar da inflexibilidade hierárquica e da gigantesca desigualdade econômica e racial que marcam o período colonial, há registros de que tanto escravizados quanto proprietários de terra participam do entrudo.

Na passagem do Império (1822-1889) para a República, marcada pela abolição da escravatura, uma nova forma de celebração do Carnaval ganha as ruas da então capital do país, os cordões. Criados por membros subalternizados da população, como negros e brancos pobres, representam uma maneira de escapar à repressão ao entrudo. À frente do cordão, um mestre a cujo apito todo o grupo que desfila deve obedecer. A percussão sobressai, com cuícas, reco-recos e adufes. Os cordões confeccionam requintados estandartes e constituem importante embrião organizativo das futuras escolas de samba.

Da mesma forma, os ranchos, outra refinada expressão daquele momento histórico, contribuem para a posterior consolidação das agremiações. Surgem na região portuária do Rio de Janeiro pelo esforço de migrantes da Bahia e de Pernambuco, entre os quais o Hilário Jovino Ferreira (c. 1873-1933), o Lalu de Ouro, responsável do rancho Rei de Ouro, que passa a desfilar no Carnaval em 1893. Antes, as apresentações se concentram no período natalino, até o Dia de Reis. No Carnaval da Bahia, agrupamentos constituídos só por pessoas negras, entre os quais a Embaixada Africana e os Guerreiros d’África, desfilam entre 1892 e 1905, quando são proibidos. Influenciadas por pressupostos “civilizatórios” europeus, as elites e a classe média das cidades brasileiras, atentas a diferenciar-se das camadas populares (e negras) nos desfiles, formam as sociedades carnavalescas e adotam, no início do século XX, o formato de corso. No Rio, a então recém-inaugurada Avenida Central (hoje Avenida Rio Branco), transforma-se em passarela para carros, onde serpentinas e confetes são arremessados pelos passageiros, além dos lança-perfumes. A modalidade faz adeptos em São Paulo, na Avenida Paulista dos barões do café.

Uma agremiação de rancho carioca, a Ameno Resedá, inova com a ideia de eleger um enredo distinto para o desfile carnavalesco de cada ano. As alas do cortejo, bem como os figurinos, passam a obedecer ao tema estipulado pelo grêmio, autodenominado “rancho-escola” com a função de ensinar os foliões a construir alegorias e adereços. As primeiras escolas de samba efetivamente se formam nas décadas de 1920 e 1930, com a popularização do samba urbano carioca favorecida pela consolidação do rádio e da indústria fonográfica. De partida, essas escolas têm o intuito de garantir sociabilização para as comunidades em que se formam, majoritariamente negras, nos morros da cidade. Logo, porém, são estimuladas a competir — a primeira disputa ocorre no Carnaval de 1932, levando dezenove agremiações para o cortejo na Praça Onze, inclusive Mangueira e Unidos da Tijuca. O conceito se espalha: Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre, São Luís e Belém já contam com relevantes agremiações nos anos 1950. A partir da década de 1970, os desfiles adquirem status de espetáculo comercial televisionado, em particular no Rio de Janeiro, onde o modelo do “sambódromo”, aberto em 1984 na Avenida Marquês de Sapucaí e depois imitado em outros locais, torna-se no principal chamariz do Carnaval.

Em Salvador, um grupo de estivadores e adeptos do candomblé funda em 1949 o cordão Afoxé Filhos de Gandhy, com desfiles carnavalescos importantes para a exaltação de elementos da cultura afro-baiana. O Ilê Aiyê, a partir de 1975, primeiro bloco formado só por negros no Carnaval soteropolitano, reforça politicamente a vinculação com culturas africanas. Também é da Bahia um dos mais cativantes símbolos do Carnaval contemporâneo: o trio elétrico. Inventado em 1951 por percussionistas, populariza-se duas décadas depois com a banda Novos Baianos, antes de se elitizar. Nos anos 1990, a axé-music sobe nos trios elétricos para garantir a nova sonoridade do Carnaval de Salvador. Mas é em Recife que o maior bloco de Carnaval do mundo, o Galo da Madrugada, mobiliza centenas de milhares de foliões desde 1978. Embalados pelo frevo, começam suas atividades no raiar do sábado de Carnaval. Movimento recente reanima blocos de rua paulistanos e cariocas, onde cordões como o Bola Preta, o mais antigo, mantêm a tradição secular de desfilar ao som de marchinhas.

Antigo e diverso, o Carnaval encontra no Brasil o seu estado da arte: reinventada sob o peso das desigualdades de uma sociedade excludente, a folia profana suspende (ainda que de modo ilusório) as brutalidades que separam negros e brancos, homens e mulheres, ricos e pobres. Por alguns dias, os diferentes se igualam na vontade de esquecer as preocupações e angústias que voltam no ano que está só começando.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CONHEÇA A HISTÓRIA do Carnaval. PUC-RS, Porto Alegre, 21 fev. 2020. Disponível em: https://www.pucrs.br/blog/conheca-a-historia-do-carnaval. Acesso em: 1 ago. 2021.
  • DINIZ, André. Almanaque do carnaval: a história do carnaval, o que ouvir, o que ler, onde curtir. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.
  • LOPES, Nei. Dicionário escolar afro-brasileiro. 2. ed. São Paulo: Selo Negro Edições, 2015.
  • LOPES, Nei; SIMAS, Luiz Antonio. Dicionário da história social do samba. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.
  • NETO, Lira. Uma história do samba: as origens. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: