Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural

Boca do Lixo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.01.2021
A Boca do Lixo de Cinema, também conhecida como Boca de Cinema ou simplesmente Boca do Lixo, é um polo de produção cinematográfica localizado nas imediações do bairro de Santa Ifigênia, no Centro da cidade de São Paulo, que tem seu período mais intenso de atividade entre o final da década de 1960 e o fim dos anos 1980. Destaca-se pela expressiva...

Texto

Abrir módulo

A Boca do Lixo de Cinema, também conhecida como Boca de Cinema ou simplesmente Boca do Lixo, é um polo de produção cinematográfica localizado nas imediações do bairro de Santa Ifigênia, no Centro da cidade de São Paulo, que tem seu período mais intenso de atividade entre o final da década de 1960 e o fim dos anos 1980. Destaca-se pela expressiva produção de filmes independentes1 com bom resultado comercial.

No início do século XX, instalam-se na região diversas distribuidoras estrangeiras de filmes, como Fox e Paramount, aproveitando a proximidade da estação ferroviária da Luz, que facilita o transporte das latas de película cinematográfica. Exibidores e distribuidores brasileiros também se instalam na região e, em 1954, a distribuidora Cinedistri, de Oswaldo Massaini (1919-1994), passa a atuar na produção de filmes.
A partir de 1966, com a criação do Instituto Nacional de Cinema (INC) e a implantação de medidas protecionistas com relação ao filme brasileiro2, desenha-se um cenário que favorece o aparecimento de pequenos produtores dispostos a investir em cinema.

Boca do Lixo é expressão cunhada pela imprensa policial a partir dos anos 1940 para designar essa região, em alusão à frequência de personagens vistos como marginais – bandidos e prostitutas –, que atuam nos Campos Elíseos, na Santa Ifigênia e adjacências. Com a concentração das produtoras cinematográficas, sobretudo a partir da segunda metade dos anos 1960, Boca do Lixo passa a denotar também o polo de cinema ali estabelecido, cujos técnicos e realizadores convivem na Rua do Triunfo.

Dois filmes de 1967 marcam o início da fase de produções regulares na Boca do Lixo: Vidas Nuas, de Ody Fraga (1927-1987), sucesso de público, estabelece Antonio Polo Galante (1934) como produtor na região; e A Margem, do diretor de cinema Ozualdo Candeias (1922-2007), sucesso de crítica, chama a atenção dos veículos de comunicação para o cinema ali produzido.

O Cinema da Boca do Lixo comporta projetos que variam do autoral e experimental, como os que configuram o cinema marginal de Candeias, passando por comédias, dramas, policiais, filmes de ação e terror, até as pornochanchadas. Diversos pesquisadores observam como a generalização quanto às pornochanchadas da Boca do Lixo leva a uma percepção redutora e estigmatizante do polo de cinema independente, que, nas décadas de 1970 e 1980, é responsável por cerca de 50% a 60% da produção nacional de filmes.

Três momentos principais podem ser identificados na história da Boca: o primeiro, de 1966 até 1974, da concentração de produtoras na região até o fim da experiência do cinema marginal e as mudanças na formulação da Embrafilme; o segundo, até 1983, marcado por uma efervescência produtiva, com o aparecimento de diversos diretores e produtoras cinematográficas, maior organização do setor e um empenho em aprimorar o nível técnico e artístico dos filmes; e o ocaso, quando começa a produção de filmes de sexo explícito. Nesse momento de declínio, é frequente a reutilização de trechos de filmes já realizados nas novas produções, e muitos diretores e produtores deixam de assinar suas obras. Poucos, como Walter Hugo Khouri (1929-2003) e Carlos Reichenbach (1945-2012), conseguem verbas estatais e realizam coproduções fora da Boca.

Questões presentes no discurso e no posicionamento de muitos dos envolvidos com a Boca de Cinema aparecem em O Bandido da Luz Vermelha (1968), com direção de Rogério Sganzerla (1946-2004). Ao narrar a trajetória do anti-herói Jorginho, o filme promove a colagem de múltiplos gêneros e referências, em sintonia com o tropicalismo, usando as chaves da ironia e da provocação, marcando um rompimento com os procedimentos éticos e estéticos do cinema novo. Nele, a Boca do Lixo aparece como locação, como alegoria do terceiro mundo pelo qual o personagem erra. A Boca aparece também como locação em As Libertinas (1969), longa de episódios dirigidos por Antonio Lima, Carlos Reichenbach e João Callegaro (1945). Além da provocação estética e política presente no filme, este é o primeiro trabalho realizado pelos jovens cineastas da Boca, com seu modo de produção cooperativo.

A partir dos anos 1970, paralelamente ao declínio do cinema marginal, consagra-se a fórmula que busca o contato com o grande público aliando a produção de baixo custo ao erotismo, em associação com o circuito exibidor. Esse modelo obtém bom retorno comercial, sobretudo levando-se em conta o baixo custo das produções.

Coisas Eróticas (1981), com direção de Raffaele Rossi (1938-2007) e Laente Calicchio, primeiro filme brasileiro de sexo explícito a ser lançado comercialmente no país, atinge a maior bilheteria da Boca, passando dos 4,7 milhões de espectadores, a 17ª maior bilheteria do cinema nacional até 2019. Seu lançamento coincide com o momento de crise iniciado pouco antes, em 1979, com a extinção do prêmio adicional de renda, quando o modelo de parceria entre produtores e exibidores é abalado.

Na segunda metade dos anos 1980, com o grande volume de produções explícitas norte-americanas, os poucos produtores que ainda restam na Boca do Lixo fecham seus escritórios. 

A Boca do Lixo de Cinema de São Paulo constitui um espaço de convivência e formação para uma geração de cineastas e técnicos que, graças a um contexto de estímulos à distribuição e à exibição do filme brasileiro, podem realizar suas produções independentes nos anos 1970 e 1980. 

Notas:

1. Em termos gerais, considera-se filme independente aquele realizado por produtoras pequenas, fora do esquema dos grandes estúdios cinematográficos, com maior liberdade de experimentação. 

2. Duas medidas importantes são a cota de tela para filmes nacionais, que estabelece a obrigatoriedade de exibição de filmes nacionais para 56 dias por ano, e o Prêmio Adicional de Bilheteria, que remunera o produtor pelo desempenho de público.

Obras 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • A MARGEM. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra67244/a-margem. Acesso em: 12 de jul. 2020.
  • ABREU, Nuno Cesar. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.
  • EDUARDO, Cléber. Ody Fraga: esculhambação crítica. Contracampo revista de cinema. Disponível em: http://www.contracampo.com.br/61/odyfraga.htm. Acesso em: 10 jul. 2020.
  • GALVÃO, Maria Rita. O desenvolvimento das idéias sobre cinema independente. Cadernos da Cinemateca, São Paulo, n. 4, p. 13-23, 1980.
  • GAMO, Alessandro Constantino. Vozes da Boca. 2006. 162 f. Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/285116?mode=full. Acesso em: 26 jan. 2021.
  • LISTAGEM de filmes brasileiros com mais de 500.000 espectadores - 1970 a 2018. Rio de Janeiro: Agência Nacional do Cinema / Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual, 2019. Disponível em: https://oca.ancine.gov.br/sites/default/files/repositorio/pdf/2105.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.
  • MELO, Luís Alberto Rocha. Cinema independente: produção, distribuição e exibição no Rio de Janeiro (1948-1954). 2011. 425 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011. Disponível em: http://est.uff.br/wp-content/uploads/sites/200/2020/03/tese_doutorado_2011_luis_alberto_rocha_melo.pdf. Acesso em: 26 jan. 2021.
  • O BANDIDO da Luz Vermelha. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra67285/o-bandido-da-luz-vermelha. Acesso em: 12 jul. 2020.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; SCHVARZMAN, Sheila (orgs.). Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: Sesc, 2018. v. 2 (edição ampliada).
  • SELIGMAN, Flávia. O Brasil é feito de pornôs: o ciclo da pornochanchada no país dos governos militares. 2000. 183 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
  • STERNHEIM, Alfredo. Cinema da Boca: dicionário de diretores. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo / Fundação Padre Anchieta, 2005.
  • SUPPIA, Alfredo; MELO, Maria Cristina Couto. Transformações do pensamento cinematográfico independente brasileiro: uma investigação preliminar. Alceu: Revista de Comunicação, Cultura e Política, v. 20, n. 38, 2019. Disponível em: http://revistaalceu.com.puc-rio.br/index.php/alceu/article/view/15/8. Acesso em: 26 jan. 2021.
  • TONIOLO, Aline Dip; HAMEL, Marcio Renan. A indústria cinematográfica nacional em tempos de ditadura militar: censura x democracia. Justiça do Direito, v. 29, n. 2, 2015. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rjd/article/view/5587/3802. Acesso em: 26 jan. 2021.
  • VIEIRA, João Luiz. “Lixo, marginais e chanchada”. In: PUPPO, Eugenio (org.). Cinema marginal e suas fronteiras. São Paulo: CCBB, 2001.
  • XAVIER, Ismail. Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal. São Paulo: Brasiliense, 1993.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: