Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Funk

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.01.2021
Funk é um estilo de música eletrônica com influência de ritmos da música eletrônica mundial, principalmente afro-diaspórica, assim como de outros ritmos negros desenvolvidos no Brasil, que compartilham entre si a predominância de sons graves e marcados, favoráveis à dança. Produzido pela juventude moradora de favelas e bairros pobres dos centros...

Texto

Abrir módulo

Funk é um estilo de música eletrônica com influência de ritmos da música eletrônica mundial, principalmente afro-diaspórica, assim como de outros ritmos negros desenvolvidos no Brasil, que compartilham entre si a predominância de sons graves e marcados, favoráveis à dança. Produzido pela juventude moradora de favelas e bairros pobres dos centros urbanos do Brasil, configura-se como gênero musical brasileiro entre as décadas de 1980 e 1990 e, a partir de 2000, passa a ser difundido nacionalmente, e alcança grande visibilidade internacional. 

O funk surge da experiência do baile funk, um estilo de festa em que ressoa o sound system jamaicano, no qual a aparelhagem sonora, o disc jockey (DJ), o Mestre de Cerimônia (MC) e o público são os pilares do evento. No baile funk, todos esses elementos interagem entre si e, mediados pela música, produzem um espaço no qual a regra é a diversão e o bem-estar coletivo. As interações entre os artistas e o público na experiência do baile resultam constantemente em atualizações da estética musical, o que torna impossível a definição do funk com base no ritmo ou tipo de letra e canto específicos. Além de um estilo musical bastante diverso, o funk é também um movimento cultural, por meio do qual muitos moradores de áreas negligenciadas pelo poder público e estigmatizadas pela sociedade encontram espaço para expressão e ascensão social.

Os primeiros bailes funks surgem na década de 1970 no Rio de Janeiro, especialmente nas zonas Norte e Oeste da cidade e na Baixada Fluminense. Na época, os bailes funks tocam o ritmo americano soul, mas ao longo dos anos 1980 aderem ao modern R&B1, chamado no Brasil de “charme”, e ao hip-hop, especialmente a vertente próxima do eletro, produzida em Miami e Los Angeles. 

Os bailes são eventos realizados em clubes, quadras de escola de samba ou desportivas, promovidos pelas Equipes de Som – coletivos de pequenos empresários donos da aparelhagem sonora e dos discos, responsáveis por toda a logística que esses eventos demandam, inclusive a transação de discos não comercializados no Brasil. 

Antes do surgimento dos MCs no funk, os DJs incitam o público dos bailes pelo microfone, cantando paródias em português das músicas americanas tocadas na festa. Essa brincadeira entre DJ e público origina as primeiras letras do funk em português, conhecidas como “Melôs”. Ao longo da década de 1990, surgem os Bailes de Corredor e os Concursos de Galera, eventos cuja dinâmica da festa gira em torno da competição entre galeras – grupos de jovens de uma mesma vizinhança – com outras galeras rivais. Os Bailes de Corredor, por meio das “montagens das galeras”, e os Concursos de Galera, com os “raps” apresentados, são responsáveis pelo surgimento e pela visibilidade dos primeiros MCs do funk. 

Também nos anos 1990, DJs passam a mixar as bases das músicas do Miami bass2 com discos de samba e MPB, introduzindo sons orgânicos de tambores e berimbau nas batidas metálicas desse estilo de hip-hop. Quando a bateria eletrônica torna-se acessível aos DJs de funk, no final da década, é produzida a primeira base rítmica “inteiramente” nacional, um loop de um trecho de samba-enredo que, devido à mistura de samples de tambores, recebe o nome de tamborzão. Por meio de programas de edição musical digitais, há infinitas possibilidades de bases rítmicas para o funk, como: atabacada, macumbinha, modinha, arrocha, brega funk, megatron, beat bolha. 

Ao mesmo tempo, a criminalização do funk é intensificada em meados de 1990, prejudicando diretamente os bailes organizados em favelas, chamados na época de Bailes de Comunidade, proibidos judicialmente em 1995. Os Bailes de Corredor e os bailes realizados em clubes, fora das favelas, sucumbem à pressão da mídia e do Estado. Anos mais tarde, a única forma de baile funk que existe é o Baile de Comunidade, chamado de Baile de Favela. São eventos que mobilizam a economia local e recebem centenas de milhares de pessoas todas as semanas.

Na década de 2000, o funk torna-se produto musical inserido no mercado fonográfico nacional, principalmente graças à atuação da Equipe de Som Furacão 2000, a maior na época, dona de programas de TV, rádio e outros meios de produção e divulgação do funk.

Embora seja consenso de que o funk tenha surgido no Rio de Janeiro, há diversas manifestações do estilo em outras capitais brasileiras, com destaque para as produções de São Paulo, Recife e Belo Horizonte, que ganham maior visibilidade a partir de 2012. Essas outras produções têm características estéticas próprias, que tornam sensíveis as diferenças locais e denotam a estreita relação do funk com o espaço onde seus produtores habitam.

Em razão da diversidade estética observada ao longo da história do funk, pode-se dizer que, com tipo de letra, base rítmica, montagem e voz variados, o funk é o estilo musical eletrônico que representa cotidianos de localidades específicas e marginalizadas, a partir da visão de seus moradores.

Notas:

1. Gênero musical que mescla elementos do rhythm and blues, pop, soul, funk, hip-hop e dance.

2. Subgênero do hip-hop popular nos Estados Unidos e na América Latina nas décadas de 1980 e 1990. Uma das origens do funk carioca.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CACERES, Guillermo; FERRARI, Lucas; PALOMBINI, Carlos. A Era Lula/Tamborzão: política e sonoridade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 58, p. 157-207, jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0020-38742014000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 jan. 2021.
  • FACINA, Adriana. Que batida é essa? Academia.edu, 2010. Disponível em: https://www.academia.edu/5280610/Que_batida_%C3%A9_essa. Acesso em: 7 fev. 2020.
  • HENRIQUES, Julian. Sonic Bodies – Reggae Sound Systems, Performance Techniques, and Ways of Knowing. Nova York: Continuum International Publishing Group, 2011.
  • HERSCHMANN, Micael. O Funk e o Hip-Hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.
  • ROSA, Daniela. Funk 150 bpm: baile, mídia e ritmo. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2020. p. 125.
  • VIANNA, Hermano. O mundo funk carioca. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: