Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Manguebeat

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.01.2021
Manguebeat é um termo que identifica a agitação cultural em Recife, Pernambuco, no começo dos anos 1990, a partir, sobretudo, do trabalho das bandas Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. É impreciso, no entanto, associar a expressão apenas a um gênero musical. A cena que movimenta a capital pernambucana no período é caracterizada, desde...

Texto

Abrir módulo

Manguebeat é um termo que identifica a agitação cultural em Recife, Pernambuco, no começo dos anos 1990, a partir, sobretudo, do trabalho das bandas Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. É impreciso, no entanto, associar a expressão apenas a um gênero musical. A cena que movimenta a capital pernambucana no período é caracterizada, desde sua origem, pela diversidade de estilos. Seus principais articuladores também rejeitam tratar o manguebeat como movimento e preferem usar as palavras “cena” e “cooperativa cultural” para identificar os acontecimentos do período.

A ideia da diversidade é uma bandeira que se levanta desde o release distribuído à imprensa, em 1991, conhecido como Primeiro Manifesto Mangue, assinado por Fred Zero Quatro (1962), integrante do Mundo Livre S/A. O texto, intitulado Caranguejos com Cérebro, consta no encarte do álbum Da Lama ao Caos (1994), com pequenas alterações, exaltando a imagem de uma antena parabólica enfiada na lama como um símbolo da cena.

No manifesto, Fred Zero Quatro desenvolve a ideia e estabelece metáforas com a diversidade natural do ecossistema, onde há “troca de matéria orgânica” entre as águas doce e salgada e “estima-se que duas mil espécies de micro-organismos e animais invertebrados e vertebrados estejam associados” à sua vegetação. São duas imagens que sintetizam o momento de efervescência musical no Recife: o mangue aponta para a diversidade de estilos que convivem na cena, e a parabólica enfiada na lama serve de alegoria para a conexão entre ritmos tradicionais com uma linguagem pop e contemporânea.

Chico Science & Nação Zumbi gravam dois discos – Da Lama ao Caos (1994), e Afrociberdelia (1996) – em que um novo som é apresentado à música brasileira. O estilo vocal de Chico Science (1966-1997) é uma original mistura do rap americano com a embolada e o rap nordestinos; a guitarra de Lúcio Maia (1971) remete tanto ao peso do heavy metal como às levadas suingadas de soul e funk; o baixo de Dengue não esconde claras influências dos ritmos jamaicanos, como dub e reggae; e os tambores são elementos que remetem a ritmos locais como maracatu, coco[1] e ciranda.

O Mundo Livre S/A é uma banda de rock, com muita influência do punk, mas que lida claramente com referências da música brasileira e com o estilo de composição de Jorge Ben (1942). A primeira geração associada ao manguebeat ainda envolve nomes como Devotos do Ódio (punk rock), Faces do Subúrbio (rap), Comadre Fulôzinha e Mestre Ambrósio (relacionadas com uma abordagem contemporânea de ritmos regionais como ciranda, baião, maracatu, coco). Ao mesmo tempo que abre espaço para essa nova geração, a cena é fundamental para dar maior visibilidade a mestres veteranos da música local, como Lia de Itamaracá (1944), Mestre Salu (1945-2008) e Selma do Coco (1930-2015).

A cena musical é marcada por letras que refletem sobre o cotidiano recifense e trabalham com as imagens do cenário geográfico da cidade (lama, pontes, mangue, caranguejo etc.) em metáforas associadas à diversidade sonora que caracteriza sua musicalidade.

Além dos integrantes de Chico Science & Nação Zumbi e do Mundo Livre S/A, o jornalista Renato Lins, o webdesigner H.D. Mabuse e o designer DJ Dolores (1966) são personagens importantes nas discussões em torno dos conceitos do manguebeat.

O manguebeat fomenta a produção musical na cidade e no estado, que se expande em trabalhos lançados posteriormente por artistas como Otto (1968), DJ Dolores, Siba (1969), e Banda Eddie. Festivais como Abril Pro Rock e Rec Beat são fundamentais para projetar esses artistas. No cinema, a estética também se manifesta, principalmente pelo filme Baile Perfumado (1996), com direção de Lírio Ferreira (1965) e Paulo Caldas (1964). A direção musical do filme é feita pelo guitarrista Paulo Rafael (1955), e conta com parceria de Chico Science, Fred Zero Quatro e outros integrantes do manguebeat na composição de sua trilha sonora, desenhando, mais uma vez, o caráter coletivo do movimento.

No começo dos anos 1990, o manguebeat movimenta culturalmente o Recife. A diversidade musical é uma intenção clara, bem como uma necessidade de criar uma estética original e pop em sincronia com a tradição rítmica local. A produção musical que se impõe na cidade a partir do sucesso de Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A comporta ainda artistas de rock, rap, maracatu e ciranda. 

 

Nota

1. Dança típica das regiões Norte e Nordeste do Brasil, em que os cantadores tiram versos em roda, acompanhados de palmas e instrumentos de percussão como pandeiro, bombos e ganzá. Cf.: COCO. In: DICIONÁRIO Cravo Albin de Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro, Instituto Cultural Cravo Albin, [s.d.].

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • CALÁBRIA, Lorena. O livro do disco – Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
  • COCO. In: DICIONÁRIO Cravo Albin de Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro, Instituto Cultural Cravo Albin, [s.d.]. Disponível em: https://dicionariompb.com.br/coco/dados-artisticos. Acesso em: 4 jan. 2021.
  • TELLES, José. Do frevo ao manguebeat. São Paulo: Editora 34, 2000.
  • VARGAS, Heron. Hibridismos musicais de Chico Science & Nação Zumbi. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: