Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Baião

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2021
Gênero musical fonográfico estabelecido em meados da década de 1940, suas origens remontam a diversas manifestações folclóricas do Nordeste, estilizadas e mescladas às influências da música popular urbana do Rio de Janeiro.

Texto

Abrir módulo

Gênero musical fonográfico estabelecido em meados da década de 1940, suas origens remontam a diversas manifestações folclóricas do Nordeste, estilizadas e mescladas às influências da música popular urbana do Rio de Janeiro.

Presente de maneira difusa em diversas manifestações musicais e coreográficas nordestinas, como o coco, o lundu e o maracatu, o termo baião é também sinônimo de “rojão”, pequeno trecho musical tocado à viola pelos repentistas nos intervalos do canto. A partir deste fragmento, transposto da viola para a sanfona, os compositores Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) concebem o baião como um gênero fonográfico, cujo marco inicial é o lançamento de “Baião” (1946) pelo conjunto Quatro Ases e um Curinga. A gravação por um prestigiado conjunto, dividindo o disco com um samba, contribui para sua aceitação.

A estética do baião surge do cruzamento entre o folclore rural nordestino com elementos da cultura popular urbana, estilizando referências como a poesia de cordel, a batida da viola dos repentistas e o balanceio1. Além de trazer temáticas que reportam à vida do sertanejo, sua construção musical recorre aos modos mixolídio e dórico, presentes na música dos violeiros, cantadores, aboios e novenas nordestinos. Ritmicamente, utiliza a fórmula de compasso 2/4, caracterizando-se “pelo início da frase após pequena pausa no tempo forte”2.

Originalmente executado com viola, tamborim, botijão3 e rabeca, ao ser transportado para o contexto das emissoras de rádio e estúdio de discos do Rio de Janeiro, o gênero recebe a instrumentação de conjuntos regionais que executam sambas e choros, levando cavaquinho e violão sete cordas em sua formação. Apenas no final da década de 1940, quando o próprio Gonzaga – então conhecido como o “Rei do Baião” – passa a registrar suas composições em sua voz, que se consolida a fórmula que caracteriza a sonoridade do baião, com o trio de base formado por acordeão, zabumba e triângulo. Além de compacta, esta formação possibilita um equilíbrio entre as frequências grave, média e aguda. Somada à sua técnica de “jogo de fole” da sanfona (resfolego), a performance de Gonzaga agrega um discurso de “autenticidade” pela voz nasalada – a princípio rechaçada por desviar do padrão estético do rádio e das gravadoras –, pelo canto próximo à fala, temperada por expressões regionais, e pelo figurino aludindo às figuras do vaqueiro e do cangaceiro.

Com o baião, a música nordestina alcança a primeira exposição extensiva nos meios de comunicação de massa. Parte de seu sucesso deve-se a fatores extramusicais: em um momento em que se repudia a “invasão” de ritmos estrangeiros e se acusa o samba de passar por uma crise criativa, o baião satisfaz a necessidade de renovar o repertório nacional e produzir uma música brasileira e dançante. Na década de 1950, os discos do gênero passam a contar com o mesmo tratamento dispensado ao samba, incorporando arranjos orquestrais, em gravações de artistas como Ivon Curi (1928-1995), Carmélia Alves (1923-2012) e Claudette Soares (1937). Além destes, dedicam-se ao gênero os compositores Zé Dantas (1921-1962), Luiz Vieira (1928-2020), Lauro Maia (1913-1950), Hervé Cordovil (1914-1979) e Sivuca (1930-2006). O gênero se projeta também fora do país, graças ao sucesso da trilha do filme O Cangaceiro (1953), premiada em Cannes, e também em diversas produções internacionais.

Um dos fatores que contribui para que o baião se torne um gênero popular é o fato de apresentar um conjunto de padrões rítmicos pouco complexos. Identificam-se pelo menos quatro padrões presentes nas gravações, revelando a multiplicidade e a plasticidade do gênero. Essa característica possibilita que se adapte às novas técnicas de gravação e instrumentação promovidas na música popular do final dos anos 1950, como a inclusão da bateria.

Apesar de entrar em declínio com o fim dos programas de auditório das emissoras de rádio e o sucesso da bossa nova, o baião inspira diversos trabalhos instrumentais no final da década de 1960, como o álbum Quarteto Novo (1967) e outros de Hermeto Pascoal (1936) e Egberto Gismonti (1947). Canções como “Adeus Maria Fulô” (1953), de Humberto Teixeira e Sivuca, recebe diversas releituras, entre as quais a do grupo Os Mutantes, de 1968, e “Asa Branca” (1947), de Gonzaga e Teixeira, é uma das canções mais regravadas no Brasil e no mundo. A influência do baião é significativa em todo o cancioneiro da MPB a partir dos anos 1970, estando no repertório de artistas como Caetano Veloso (1942), Gilberto Gil (1942), Dominguinhos (1942-2013), Geraldo Azevedo (1945) e  Elba Ramalho (1951).

Ao longo do tempo, o baião se torna simultaneamente referência de música nordestina e brasileira. Se sua origem foi de certa forma planejada, sua plasticidade, por outro lado, faz com que assuma características não imaginadas por seus autores e perdure na produção da música popular até os dias atuais.

 

Notas:

1. Gênero criado pelo compositor Lauro Maia (1913-1950) na década de 1940, que mistura ritmos rurais do Nordeste com a marcha carioca.

2. DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004. p. 37.

3. Ou botija, instrumento improvisado com um vaso de cerâmica preenchido por moedas ou pedras, tocado em manifestações que acompanham o candomblé.

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. [1954]. 10. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2012.
  • CÔRTES, Almir. Como se toca o baião: combinações de elementos musicais no repertório de Luiz Gonzaga. Per musi, Belo Horizonte, n. 29, jan./jun. 2014. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S1517-75992014000100020. Acesso em: 21 ago. 2020.
  • DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004.
  • DREYFUS, Dominique. Vida de viajante: a saga de Luiz Gonzaga. São Paulo: Editora 34, 1996. (Coleção Ouvido Musical.).
  • GALVÃO, Christiano Lima. Adaptação, interpretação e desenvolvimento do baião na bateria no âmbito da música instrumental brasileira: reflexões sobre processos de aprendizagem. 2015. 188 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
  • GUERRA-PEIXE. Variações sobre o baião. [1955]. Coleção Revista da Música Popular. Rio de Janeiro: Funarte: Bem-Te-Vi Produções Literárias, 2006. p. 234-235; 264.
  • MAIA, Marcos da Silva; NASCIMENTO, Hermilson Garcia do. Os ritmos do baião fonográfico de Luiz Gonzaga. Opus, v. 25, n. 3, p. 508-530, set./dez. 2019. Disponível em http://dx.doi.org/10.20504/opus2019c2523. Acesso em: 21 ago. 2020.
  • NAPOLITANO, Marcos. A música brasileira na década de 50. Revista USP, São Paulo, n. 87, p. 56-73, set./out./nov. 2010.
  • PAES, Jurema Mascarenhas. São Paulo em noite de festa: experiências culturais dos migrantes nordestinos (1940-1990). 2009. 305 f. Tese (Doutorado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de História, Rio de Janeiro, 2009.
  • SEVERIANO, Jairo. Uma história da música popular brasileira: das origens à modernidade. São Paulo: Editora 34, 2008.
  • SILVA, Ruberval José da. Vida de viajante: uma análise da obra musical do compositor e intérprete Luiz Gonzaga na cidade do Rio de Janeiro (1940-1970). 2017. 173 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de História, Rio de Janeiro, 2017.
  • TEIXEIRA, Humberto; JOBIM, Antonio Carlos; JOBIM, Ana Lontra; DUMONT, Denise. Cancioneiro Humberto Teixeira: biografia. Rio de Janeiro: Jobim Music, 2006. 2v. 188p.
  • TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: