Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Baião

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2021
Gênero musical fonográfico estabelecido em meados da década de 1940, suas origens remontam a diversas manifestações folclóricas do Nordeste, estilizadas e mescladas às influências da música popular urbana do Rio de Janeiro.

Texto

Abrir módulo

Gênero musical fonográfico estabelecido em meados da década de 1940, suas origens remontam a diversas manifestações folclóricas do Nordeste, estilizadas e mescladas às influências da música popular urbana do Rio de Janeiro.

Presente de maneira difusa em diversas manifestações musicais e coreográficas nordestinas, como o coco, o lundu e o maracatu, o termo baião é também sinônimo de “rojão”, pequeno trecho musical tocado à viola pelos repentistas nos intervalos do canto. A partir deste fragmento, transposto da viola para a sanfona, os compositores Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) concebem o baião como um gênero fonográfico, cujo marco inicial é o lançamento de “Baião” (1946) pelo conjunto Quatro Ases e um Curinga. A gravação por um prestigiado conjunto, dividindo o disco com um samba, contribui para sua aceitação.

A estética do baião surge do cruzamento entre o folclore rural nordestino com elementos da cultura popular urbana, estilizando referências como a poesia de cordel, a batida da viola dos repentistas e o balanceio1. Além de trazer temáticas que reportam à vida do sertanejo, sua construção musical recorre aos modos mixolídio e dórico, presentes na música dos violeiros, cantadores, aboios e novenas nordestinos. Ritmicamente, utiliza a fórmula de compasso 2/4, caracterizando-se “pelo início da frase após pequena pausa no tempo forte”2.

Originalmente executado com viola, tamborim, botijão3 e rabeca, ao ser transportado para o contexto das emissoras de rádio e estúdio de discos do Rio de Janeiro, o gênero recebe a instrumentação de conjuntos regionais que executam sambas e choros, levando cavaquinho e violão sete cordas em sua formação. Apenas no final da década de 1940, quando o próprio Gonzaga – então conhecido como o “Rei do Baião” – passa a registrar suas composições em sua voz, que se consolida a fórmula que caracteriza a sonoridade do baião, com o trio de base formado por acordeão, zabumba e triângulo. Além de compacta, esta formação possibilita um equilíbrio entre as frequências grave, média e aguda. Somada à sua técnica de “jogo de fole” da sanfona (resfolego), a performance de Gonzaga agrega um discurso de “autenticidade” pela voz nasalada – a princípio rechaçada por desviar do padrão estético do rádio e das gravadoras –, pelo canto próximo à fala, temperada por expressões regionais, e pelo figurino aludindo às figuras do vaqueiro e do cangaceiro.

Com o baião, a música nordestina alcança a primeira exposição extensiva nos meios de comunicação de massa. Parte de seu sucesso deve-se a fatores extramusicais: em um momento em que se repudia a “invasão” de ritmos estrangeiros e se acusa o samba de passar por uma crise criativa, o baião satisfaz a necessidade de renovar o repertório nacional e produzir uma música brasileira e dançante. Na década de 1950, os discos do gênero passam a contar com o mesmo tratamento dispensado ao samba, incorporando arranjos orquestrais, em gravações de artistas como Ivon Curi (1928-1995), Carmélia Alves (1923-2012) e Claudette Soares (1937). Além destes, dedicam-se ao gênero os compositores Zé Dantas (1921-1962), Luiz Vieira (1928-2020), Lauro Maia (1913-1950), Hervé Cordovil (1914-1979) e Sivuca (1930-2006). O gênero se projeta também fora do país, graças ao sucesso da trilha do filme O Cangaceiro (1953), premiada em Cannes, e também em diversas produções internacionais.

Um dos fatores que contribui para que o baião se torne um gênero popular é o fato de apresentar um conjunto de padrões rítmicos pouco complexos. Identificam-se pelo menos quatro padrões presentes nas gravações, revelando a multiplicidade e a plasticidade do gênero. Essa característica possibilita que se adapte às novas técnicas de gravação e instrumentação promovidas na música popular do final dos anos 1950, como a inclusão da bateria.

Apesar de entrar em declínio com o fim dos programas de auditório das emissoras de rádio e o sucesso da bossa nova, o baião inspira diversos trabalhos instrumentais no final da década de 1960, como o álbum Quarteto Novo (1967) e outros de Hermeto Pascoal (1936) e Egberto Gismonti (1947). Canções como “Adeus Maria Fulô” (1953), de Humberto Teixeira e Sivuca, recebe diversas releituras, entre as quais a do grupo Os Mutantes, de 1968, e “Asa Branca” (1947), de Gonzaga e Teixeira, é uma das canções mais regravadas no Brasil e no mundo. A influência do baião é significativa em todo o cancioneiro da MPB a partir dos anos 1970, estando no repertório de artistas como Caetano Veloso (1942), Gilberto Gil (1942), Dominguinhos (1942-2013), Geraldo Azevedo (1945) e  Elba Ramalho (1951).

Ao longo do tempo, o baião se torna simultaneamente referência de música nordestina e brasileira. Se sua origem foi de certa forma planejada, sua plasticidade, por outro lado, faz com que assuma características não imaginadas por seus autores e perdure na produção da música popular até os dias atuais.

 

Notas:

1. Gênero criado pelo compositor Lauro Maia (1913-1950) na década de 1940, que mistura ritmos rurais do Nordeste com a marcha carioca.

2. DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004. p. 37.

3. Ou botija, instrumento improvisado com um vaso de cerâmica preenchido por moedas ou pedras, tocado em manifestações que acompanham o candomblé.

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. [1954]. 10. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2012.
  • CÔRTES, Almir. Como se toca o baião: combinações de elementos musicais no repertório de Luiz Gonzaga. Per musi, Belo Horizonte, n. 29, jan./jun. 2014. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S1517-75992014000100020. Acesso em: 21 ago. 2020.
  • DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004.
  • DREYFUS, Dominique. Vida de viajante: a saga de Luiz Gonzaga. São Paulo: Editora 34, 1996. (Coleção Ouvido Musical.).
  • GALVÃO, Christiano Lima. Adaptação, interpretação e desenvolvimento do baião na bateria no âmbito da música instrumental brasileira: reflexões sobre processos de aprendizagem. 2015. 188 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
  • GUERRA-PEIXE. Variações sobre o baião. [1955]. Coleção Revista da Música Popular. Rio de Janeiro: Funarte: Bem-Te-Vi Produções Literárias, 2006. p. 234-235; 264.
  • MAIA, Marcos da Silva; NASCIMENTO, Hermilson Garcia do. Os ritmos do baião fonográfico de Luiz Gonzaga. Opus, v. 25, n. 3, p. 508-530, set./dez. 2019. Disponível em http://dx.doi.org/10.20504/opus2019c2523. Acesso em: 21 ago. 2020.
  • NAPOLITANO, Marcos. A música brasileira na década de 50. Revista USP, São Paulo, n. 87, p. 56-73, set./out./nov. 2010.
  • PAES, Jurema Mascarenhas. São Paulo em noite de festa: experiências culturais dos migrantes nordestinos (1940-1990). 2009. 305 f. Tese (Doutorado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de História, Rio de Janeiro, 2009.
  • SEVERIANO, Jairo. Uma história da música popular brasileira: das origens à modernidade. São Paulo: Editora 34, 2008.
  • SILVA, Ruberval José da. Vida de viajante: uma análise da obra musical do compositor e intérprete Luiz Gonzaga na cidade do Rio de Janeiro (1940-1970). 2017. 173 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de História, Rio de Janeiro, 2017.
  • TEIXEIRA, Humberto; JOBIM, Antonio Carlos; JOBIM, Ana Lontra; DUMONT, Denise. Cancioneiro Humberto Teixeira: biografia. Rio de Janeiro: Jobim Music, 2006. 2v. 188p.
  • TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: