Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Livro de artista

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.10.2020
Livro de artista é uma obra de arte em si, concebida integralmente em forma de livro. A leitura de um livro de artista não se encerra no deciframento de seu código, pois suas características não verbais, como a materialidade, são tão relevantes quanto o texto escrito.

Texto

Abrir módulo

Livro de artista é uma obra de arte em si, concebida integralmente em forma de livro. A leitura de um livro de artista não se encerra no deciframento de seu código, pois suas características não verbais, como a materialidade, são tão relevantes quanto o texto escrito.

O livro de artista é uma obra artística intermidiática, termo introduzido pelo artista plástico e poeta inglês Dick Higgins (1938-1998). Ou seja, mescla linguagens, técnicas e categorias artísticas, resultando em uma obra interdisciplinar. Ele não é apenas literário ou plástico, não pertence a um só gênero (dramático, lírico ou narrativo), ou a uma só técnica (pintura, gravura, desenho, colagem, fotografia etc). As possibilidades são limitadas somente pelo desenvolvimento tecnológico e pelas condições técnicas e materiais do artista. 

O termo "livro de artista" designa um vasto e variado campo artístico. Essa natureza híbrida dificulta a organização em museus e bibliotecas. O ensaísta inglês Clive Phillpot (1938) propõe uma classificação dos livros de artista em sua posição intermediária entre livro e arte. O livro de artista, então, pode ser: 1) apenas um livro, em seu aspecto formal; 2) um livro-obra, quando mescla práticas editoriais com técnicas e conceitos das artes plásticas; ou 3) um livro-objeto, quando se aproxima do escultórico e perde a funcionalidade do livro convencional.

Com base em experiências de artistas conceituais nos anos 1960, o termo ganha consistência no campo das artes. Sua trajetória, entretanto, remonta a experiências gráfico-editoriais do futurismo russo e do surrealismo. A Caixa Verde (1934), do artista e poeta francês Marcel Duchamp (1887-1968), é considerada um dos primeiros livros de artista. Especificamente, um livro-objeto, por seu formato não convencional, que contém notas, desenhos e miniaturas de obras como O Grande Vidro ou A Noiva Despida por Seus Celibatários, Mesmo (1915-1923).

No Brasil, a produção de livros de artista surge ligada ao concretismo, movimento poético que valoriza a dimensão gráfico-espacial da palavra, aproximando-a do ideograma e do poema-objeto. Em parceria com o poeta Augusto de Campos (1931), o artista Julio Plaza (1938-2003) produz o livro de artista Poemóbiles (1974). Nessa obra, as páginas contêm dobraduras e recortes que produzem o efeito de pop-ups. Com o manuseio, os poemas são projetados para fora do livro, possibilitando múltiplas leituras por meio do movimento e da tridimensionalidade.

Entre o final do século XX e início do XXI, o artista gráfico Waltercio Caldas (1946) se destaca na produção de livros de artista no Brasil. Sua obra Como Imprimir Sombras (2012) é um livro-objeto rígido que não pode ser aberto ou folheado. Feito em acrílico transparente moldado, tem o tamanho de um livro comum (32 x 23 x 5 cm), porém o miolo é ausente. Sobre o acrílico da capa está gravado o título, em preto e caixa alta: COMO IMPRIMIR SOMBRAS. A relação da obra com a luz do ambiente projeta as palavras sobre a terceira capa do livro, onde o título ressurge escrito em sombra.
Livros de artista menos artesanais possibilitam grandes tiragens a custo acessível, tornando-se aposta de editoras com ampla distribuição por livrarias de todo o país. São em geral obras conceituais, menos experimentais do ponto de vista editorial. Esse tipo de publicação tem presença constante em festas literárias e feiras de publicações independentes.

O Manual da Ciência Popular (1982), de Waltercio Caldas, é um exemplo de livro de artista que não subverte a forma do livro tradicional, mas sim seus usos e conceitos. O que o torna um livro de artista é sua natureza híbrida entre o manual, a poesia e o nonsense. Em 2008, a obra recebe nova edição, revista e ampliada, 25 anos depois da primeira tiragem.

No campo acadêmico, é crescente o número de colóquios, obras de referência, artigos e teses sobre o assunto. Os livros de artista vêm recebendo espaço em mostras, exposições especializadas e no acervo permanente de museus e bibliotecas. Criada em 2009, a Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais, conta com mais de 1.500 livros de artista, com a curadoria do artista gráfico Amir Brito Cadôr (1976), e atualmente é o maior acervo público desse tipo de publicação da América Latina.

Annateresa Fabris (1947), Cacilda Teixeira da Costa (1941) e Maria do Carmo de Freitas Veneroso (1954) são algumas das pesquisadoras que abrem caminhos para o livro de artista brasileiro, organizando exposições, compilando a produção existente e produzindo referencial teórico sobre o assunto. Seguindo essas pioneiras conceituais, Cadôr se torna referência na pesquisa do livro de artista no Brasil, com sua obra O Livro de Artista e a Enciclopédia Visual (2016). Outra obra essencial hoje é A Página Violada: da Ternura à Injúria na Construção do Livro de Artista (2001), de Paulo Silveira. 

O livro de artista não é um livro sobre arte, mas o livro como arte. Ler um livro de artista não é apenas uma atividade intelectual, mas também uma experiência tátil. Do projeto gráfico aos processos de impressão, encadernação e acabamento, cada livro de artista recria os processos editoriais. A textura das páginas, o peso, a transparência ou a opacidade da páginas, as (im)possibilidades de leitura: tudo compõe o sentido da obra. Forma e conteúdo são integrados de tal maneira que é impossível traduzir a obra resultante em um suporte que não o editorial.

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • CADÔR, Amir Britto. O livro de artista e a enciclopédia visual. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016.
  • CALDAS, Waltercio. Manual da ciência popular. Rio de Janeiro: Funarte, 1982. 51 p., il. color.
  • CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950 - 1960. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.
  • CARRIÓN, Ulises. El arte nuevo de hacer livros. Plural, México, 1975.
  • DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
  • FRANCHETTI, Paulo. Alguns aspectos da teoria da poesia concreta. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.
  • FREIRE, Cristina (org.). Terra incógnita: conceitualismos da América Latina no acervo do MAC USP. v. 1-3. São Paulo: USP, 2015.
  • HIGGINS, Dick. Horizons: The Poetics and Theory of the Intermedia. [S.l.]: Southern Illinois University Press, 1983.
  • JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. 10. ed. São Paulo: Cultrix, [s.d.].
  • MELOT, Michel. Livro. Cotia: Ateliê Editorial, 2012.
  • PHILLPOT, Clive. Books, bookworks, book objects, artists' books. Artforum, New York, v. 20, n. 9, p. 77-79, maio 1982.
  • PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 1987.
  • SILVEIRA, Paulo. A página violada: da ternura à injúria na construção do livro de artista. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2001.
  • TENDÊNCIAS do livro de artista no Brasil. Curadoria Annateresa Fabris e Cacilda Teixeira da Costa. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1985.
  • VALERY, Paul. Poesia e pensamento abstrato. In: Variedades. São Paulo: Iluminuras, 1991.
  • VENEROSO, Maria do Carmo de Freitas. Palavras e imagens em livros de artista. Pós: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 82-103, maio-out. 2012. Disponível em: https://eba.ufmg.br/revistapos3/index.php/pos/article/view/38/38. Acesso em: 9 out. 2020.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: