Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

xilogravura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.01.2021
Técnica de produção e reprodução de imagens que consiste na gravação em relevo de uma matriz de madeira (xýlo, em grego) para a impressão de estampas sobre outros suportes. A imagem é produzida por meio da remoção de matéria da matriz, de modo que a estampa obtida traz impressa a tinta fixada nas áreas não retiradas da madeira.

Texto

Abrir módulo

Técnica de produção e reprodução de imagens que consiste na gravação em relevo de uma matriz de madeira (xýlo, em grego) para a impressão de estampas sobre outros suportes. A imagem é produzida por meio da remoção de matéria da matriz, de modo que a estampa obtida traz impressa a tinta fixada nas áreas não retiradas da madeira.

Entre as práticas que têm em comum o uso de carimbos de madeira para reproduzir imagens, encontra-se a estamparia de tecidos desde a Antiguidade no Oriente. A xilogravura, no entanto, começa a ganhar forma nas imagens religiosas medievais na China, no Japão e, pouco mais tarde, na Europa, onde as cartas de jogar também passam a ser gravadas a partir do século XV. Neste contexto, “gravador” designa o entalhador que abre a madeira, e não necessariamente o autor do desenho ou da impressão, sendo a estampa quase sempre o resultado de um processo colaborativo. 

As estampas, desde o barroco, compõem uma rede de circulação mundial. No Brasil, livros ilustrados em diferentes técnicas são encontrados nos inventários das bibliotecas jesuíticas, servindo à conversão, à produção intelectual e arquitetônica. Reproduções de pinturas1 avulsas ou inseridas em livros informam a produção de artistas como Aleijadinho (1738-1814) e Manuel da Costa Ataíde (1762-1830). Já no século XIX, o estudo do desenho da figura humana por meio de estampas estrangeiras torna-se prática institucionalizada na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). 

Nos primórdios da impressão por tipos móveis, a xilogravura é a única técnica a possibilitar a impressão simultânea de texto e imagem, resultando desta combinação livros ilustrados mais acessíveis. Nesse momento, emprega-se a madeira de fio, com corte paralelo às fibras, gravada por ferramentas que pertencem ao domínio do entalhador: faca, formão, goiva. Entre os séculos XVIII e XIX o interesse editorial é dirigido para a madeira de topo, dada sua superior capacidade de tiragem e versatilidade para traduzir pinturas. As fibras se alinham perpendicularmente ao corte, obtendo uma superfície em retícula que permite a produção de gradações e o uso do buril, instrumento de grande precisão oriundo da gravação em metal.

A imprensa produzida no Brasil tem início com a chegada da Corte Portuguesa em 18082. Suprindo a carência de manuais ilustrados que instruíssem as atividades econômicas na colônia, Frei José Mariano da Conceição Veloso (1742-1811) funda em Lisboa a Tipografia do Arco do Cego (1799-1801). Com a transferência da Corte, seu maquinário é incorporado à Impressão Régia (1808), que forma muitos dos profissionais atuantes nas tipografias que proliferam a partir de 1823. O Colégio das Fábricas também forma profissionais para a estamparia de tecidos, cartas de jogar e papéis de parede.

Na imprensa oitocentista, diversos profissionais anunciam seus serviços como xilógrafos e/ou professores de técnicas gráficas, como o gravador português Manuel Joaquim da Costa Pinheiro (1832-1903) e seu filho Alfredo Pinheiro (1858-190?), que produzem xilogravuras de tradução e colaboram com o Brazil Illustrado3. Os irmãos gravadores alemães Heinrich (1823-1882) e Carl Fleiuss (-1878) e o pintor e litógrafo alemão Carl Linde (1830-1873) fundam a oficina Fleiuss Irmãos & Linde, o Imperial Instituto Artístico (1860), a revista Semana Ilustrada (1861-1876), que ilustram com xilogravuras, e também publicam em fascículos a História Natural Popular dos Animais (1865). 

Nas exposições do Liceu de Artes e Ofícios e da Aiba, as gravuras são exibidas como artes industriais, e estão ausentes do ensino. Em 1882, é criada a cadeira de xilogravura na Aiba, que permanece vazia, priorizando-se o estudo da gravação de medalhas. A partir da década de 1910, o Liceu começa a oferecer oficinas em diferentes técnicas gráficas.

No Nordeste brasileiro, a xilogravura se populariza nos folhetos da literatura de cordel produzidos por cantadores e gravadores de narrativas poéticas, como Leandro Gomes de Barros (1865-1918) e Mestre Noza (1897-1984).

No decorrer do século XX, a xilogravura se concentra no campo artístico. Valoriza-se a madeira de fio e deixa de prevalecer a distinção entre desenhista e gravador, tornando-se desenho e gravação um processo único. A xilogravura passa a ser explorada enquanto linguagem singular em obras como Mangue (1944), de Lasar Segall (1891-1957). A obra de Oswaldo Goeldi (1895-1961) explora um mínimo de incisões, realçando a densidade da tinta. Sua atuação como professor na Escolinha de Arte do Brasil (1952) e na Escola Nacional de Belas Artes (1955), intensifica o interesse pela exploração da linguagem xilográfica. Destacam-se ainda artistas como Lívio Abramo (1903-1992), Fayga Ostrower (1920-2001), Renina Katz (1925) e Gilvan Samico (1928-2013)

Enquanto técnica voltada para a reprodução, a xilogravura conecta diferentes continentes e áreas do conhecimento no período colonial. Ao longo de sua história, transita entre a visualidade popular e a erudita, conquistando o estatuto de uma linguagem artística singular em meio à produção contemporânea.

 

Notas:

1. Gravuras que reproduzem obras de outras linguagens também são conhecidas como estampas de tradução, como assim as define o historiador italiano Giulio Carlo Argan em O valor crítico da “gravura de tradução”. In: Imagem  e Persuasão: Ensaios sobre o Barroco. Companhia das Letras, São Paulo, 2004.

2. Anteriormente, as atividades gráficas eram proibidas pela Coroa Portuguesa, sob o temor de traições políticas e falsificações.

3. Periódico editado pelo publicista Félix Ferreira (1841-1898), grande defensor da difusão de obras de arte por meio da xilogravura. Ver: ARNONE, Marianne Farah. A gravura como difusora da arte: um estudo sobre a gravura brasileira no final do século XIX a partir da análise dos textos e produção crítica de Félix Ferreira. Dissertação de Mestrado – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ARGAN, Giulio Carlo. O valor crítico da “gravura de tradução”. In: ______ Imagem e Persuasão: Ensaios sobre o Barroco. Companhia das Letras, São Paulo, 2004.
  • ARNONE, Marianne Farah. A gravura como difusora da arte: um estudo sobre a gravura brasileira no final do século XIX a partir da análise dos textos e produção crítica de Félix Ferreira. Dissertação de Mestrado – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
  • ARNONE, Marianne Farah. A gravura como difusora da arte: um estudo sobre a gravura brasileira no final do século XIX a partir da análise dos textos e produção crítica de Félix Ferreira. Dissertação de Mestrado – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
  • COSTELLA, Antonio. Introdução à gravura e à sua história. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2006.
  • ESTAÇÃO Pinacoteca (São Paulo); GABINETE de Gravura Guita e José Mindlin; PINACOTECA do Estado (São Paulo). Gravura e modernidade: gravura brasileira dos anos 1920 aos anos 1960 no acervo da Pinacoteca de São Paulo. São Paulo: Estação Pinacoteca, 2016.
  • FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra: introdução à bibliologia brasileira: a imagem gravada. [S.l.]: Edusp, 1994.
  • KOSSOVITCH, Leon; LAUDANNA, Mayra; RESENDE, Ricardo. Gravura: arte brasileira do século XX. [S.l.]: Itaú Cultural, 2000.
  • LEVY, Hannah. Pintura e escultura I. São Paulo: Fausp/MEC/Iphan, 1978.
  • MARTINS, Renata Maria de Almeida. “A recepção da tradição emblemática renascentista na América Latina: o caso das Missões Jesuíticas na Amazônia”. In: BARGELLINI, Clara; DÍAZ, Patrícia (ed.). El Renacimiento Italiano desde la América Latina. Ciudad de México, 2018.
  • MUBARAC, Claudio. Anotações sobre o nascimento da gravura de estampa (mestres anônimos). ARS (São Paulo), São Paulo, v. 14, n. 28, p. 246-255, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-53202016000200246&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 jun. 2020.
  • SANTOS, Renata. A imagem gravada: a gravura no Rio de Janeiro entre 1808 e 1853. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2008. p. 56-59.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: