Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Dança Afro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.02.2017
Nome dado à dança baseada na gestualidade litúrgica afro-brasileira. A dança afro apresenta um cenário coreográfico coeso e multifacetado.

Texto

Abrir módulo

Análise

Nome dado à dança baseada na gestualidade litúrgica afro-brasileira. A dança afro apresenta um cenário coreográfico coeso e multifacetado.

A formação da dança afro no Brasil dá-se a partir da atuação de coreógrafos e seus discípulos que, juntos, alimentam processos múltiplos de criação. Entre os que contribuem para a criação de repertório coreográfico e metodologia de ensino associados a esse estilo de dança, destacam-se a bailarina carioca Eros Volúsia (1914-2004), que burila corporalidades afrodescendentes em suas criações; o babalorixá baiano Joãozinho da Goméia (1914-1971), que apresenta danças de orixás em palcos de teatro; e a bailarina fluminense Mercedes Baptista (1921-2014). Deve-se registrar a passagem pelo Brasil, em 1951, da bailarina e antropóloga estadunidense Katherine Dunham (1909-2006), referência na história da dança moderna afro-americana.

Esse gênero constitui-se como dança de palco pela ação de dançarinos majoritariamente negros, que, aos poucos, assumem a criação coreográfica, afastando-se da reprodução de danças rituais e populares. Embora a influência mais evidente provenha das danças de orixás, em suas mais distintas tradições (jeje-nagô, queto, angola, caboclo, mina, entre outras), as coreografias resultam da convergência de saberes variados: variações do samba, danças populares regionais (o jongo, a congada, o maracatu, o caboclinho, o coco, o frevo, o bumba meu boi etc.), movimentos da capoeira, dança moderna americana e dança clássica.

A dança afro procura escapar das apresentações de caráter exótico, carnavalesco ou folclorizante. Estigmatizada como manifestação da cultura popular, vista como natural, autêntica e típica, raramente esse gênero de dança é reconhecido como constituidor de uma tradição, detentor de treinamentos constituídos e elaborações técnicas legítimas. A naturalidade que lhe é conferida resulta de processos de hibridização e requer anos de preparo: a dança é treinada para parecer instintiva, conduzida no chão de terra ou amparada por barras em sala de aula.

A composição da dança afro possui diversas matizes corporais e cênicas. Entre as expressões mais representativas, destacam-se o Balé Folclórico Mercedes Baptista e o grupo Brasiliana, criados no Rio de Janeiro, na década de 1950. Em Salvador, distingue-se o Balé Folclórico da Bahia, que atualiza os modelos cênicos e coreográficos do Grupo Viva Bahia e da companhia Brasil Tropical, surgidos, respectivamente, nos anos 1960 e 1970. Propostas mais experimentais – como as do grupo Odundê, criado em 1981, na Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, ou dos bailarinos baianos Rosângela Silvestre (1959) e Augusto Omolú (1962-2013) – apontam novos vetores de criação artística. Em São Paulo, o trabalho desenvolvido pelo coreógrafo baiano Firmino Pitanga (1954) e pelo maranhense Irineu Nogueira (1967) também merecem destaque.

Apesar das precárias condições de trabalho enfrentadas por muitos coreógrafos, a dança afro constitui prática de resistência e assegura maneiras de aprendizagem e transmissão artística. A ação singular, os desejos e o comprometimento de cada intérprete permeiam espaços distintos: grupos folclóricos, projetos educacionais nas periferias urbanas, ações culturais da militância negra, cultos das religiões afro-brasileiras, agremiações de samba e estúdios de dança. Essa atuação variada subjetiva-se em processo de criação de intérpretes-criadores independentes, questiona os clichês, reclama pelo reconhecimento da crítica especializada e reivindica espaço nos departamentos das universidades e grandes teatros.

Algumas abordagens, entretanto, fixam modelos de produção que contribuem para a segregação dentro do campo geral da dança e acentuam estigmas e depreciações. Em contrapartida, essa diferenciação garante acesso a políticas afirmativas do Estado no incentivo à cultura afrodescendente. Há o esforço entre alguns criadores de reconhecer a especificidade da dança afro, sem desconsiderar que ela é formada pela fusão de vários elementos – como, por exemplo, o diálogo com a dança moderna e contemporânea e a formação eclética de seus intérpretes –, o que demonstra o caráter heterogênio capaz de integrá-la em diversos circuitos.

Longe pregação ideológica, a dança afro auxilia na formação educacional de jovens marginalizados, questiona a discriminação racial e a intolerância religiosa e retoma a mobilização social para o enaltecimento da cultura e da arte africanas.

Alguns ações localizadas garantem a divulgação e a visibilidade desse gênero de dança:  o Encontro Internacional de Dança Negra (Eidan), realizado em Salvador, em 2008; a sexta edição do Festival de Arte Negra (FAN), em Belo Horizonte, em 2012; a 22a edição do Festival de Dança do Triângulo, em Uberlândia, em 2010, cujo tema foi o corpo negro e suas identidades; o Fórum Dança e Cultura Afro-Brasileira, em 2009, e a Semana Negra de Dança em 2010, realizados no Rio de Janeiro; as duas primeiras edições de Dançando Nossas Matrizes (DNM), evento organizado por um coletivo de artistas e produtores de danças afro-brasileiras, em Salvador, em 2011.

Entre outras ações, destacam-se a revista virtual Terreiro Contemporâneo, organizada pela Cia. Rubens Barbot Teatro de Dança; o Terreiro Contemporâneo de Dança e a Cia. SeráQuê, ambos coordenados pelo bailarino e coreógrafo Rui Moreira (1963), em Belo Horizonte; e o Centro de Articulações e Referência em Dança Negra (Cardan), organizado pelo bailarino Elísio Pitta (1956), em Salvador. Esses dois últimos artistas esforçam-se para construir um acervo documental sobre profissionais e atividades na área da dança afro contemporânea. O maior entrave desse projeto é sua preservação e continuidade. 

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • CONRADO, Amélia Vitória de Souza. Dança étnica afro-baiana: uma educação movimento. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1996.
  • FERRAZ, Fernando Marques Camargo. O fazer saber das danças afro: investigando matrizes negras em movimento. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2012.
  • LIMA, Nelson. Dando conta do recado: a dança afro no Rio de Janeiro e suas influências. Dissertação (Mestrado) Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.
  • MONTEIRO, Marianna F. Martins. Dança Afro: uma dança moderna brasileira. In: NORA, Sigrid (Org.). Húmus 4. Caxias do Sul: Lorigraf, 2011. p. 51-59
  • MONTEIRO, Marianna F. Martins. Dança popular: espetáculo e devoção. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.
  • OLIVEIRA, Nadir Nóbrega. Agô alafiju, odara! A presença de Clyde Wesley Morgan na Escola de Dança da UFBA 1971-1978. Salvador: Editora P&A, 2007.
  • OLIVEIRA, Nadir Nóbrega. Dança afro: sincretismo de movimentos. Salvador: UFBA, 1991.
  • OLIVEIRA, Nadir Nóbrega. Grupos parafolclóricos baianos: olhar o passado e entender o presente para redimensionar o futuro. Revista da Bahia: Dança. Salvador, n. 41, p. 4-15, nov. 2005. p.4-15
  • ROBATTO, Lia; MASCARENHAS, Lúcia. Passos da Dança: Bahia. Salvador: Casa de Jorge Amado, 2002.
  • SABINO, Jorge e LODY, Raul. Danças de matriz africana: antropologia do movimento. Rio de Janeiro: Pallas, 2011.
  • SANTOS, Inaicyra Falcão dos. Corpo e ancestralidade: uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. Salvador: Editora da Ufba, 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: