Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Videodança

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.10.2015
A videodança é um produto híbrido realizado com a mistura entre o audiovisual e a dança e tem como principal elemento o movimento. É diferente do mero registro documental de um espetáculo porque pressupõe uma adaptação do que é captado do palco para a linguagem televisiva ou a criação de danças concebidas especialmente para a projeção na tela. I...

Texto

Abrir módulo

Definição
A videodança é um produto híbrido realizado com a mistura entre o audiovisual e a dança e tem como principal elemento o movimento. É diferente do mero registro documental de um espetáculo porque pressupõe uma adaptação do que é captado do palco para a linguagem televisiva ou a criação de danças concebidas especialmente para a projeção na tela. Isso significa que os movimentos da câmera – travellings, panorâmicas, zoom in, zoom out –, assim como a escolha dos planos, a montagem e a edição das cenas são tão importantes para o resultado final quanto os movimentos capturados pelas lentes. Com isso, o vídeo deixa de ser apenas meio para se transformar em um “sistema de expressão”, conforme descreve o pesquisador Arlindo Machado (1949). Apesar de adotar o termo “vídeo” em sua nomenclatura, a videodança pode ser produzida tanto no meio eletrônico e digital quanto em película cinematográfica.

Os primeiros experimentos no que viria a ser esse campo datam dos anos 1940, com o trabalho de câmera da ucraniana naturalizada americana Maya Deren (1917-1961). A dança já havia despertado o interesse do cinema desde o seu nascedouro, no fim do século XIX e início do século XX, com a produção de dezenas de filmes curtos que, no entanto, registravam apenas bailarinas em ação. Em A Study in Choreography for Camera (1945), Deren foi além ao buscar uma interface entre dança e audiovisual e manusear diferentes perspectivas de tempo e espaço, aprofundando o uso da iluminação e explorando técnicas de edição. Com isso, ela produziu sentidos até então desconhecidos para o audiovisual, originando uma obra considerada seminal para a linguagem cinematográfica ao longo do século e para o desenvolvimento, nos anos 1960, da videoarte, da qual derivaria a videodança.

O marco inaugural da videoarte é um filme realizado em 1965 pelo coreano naturalizado americano Nam June Paik (1932-2006), em Nova York, no qual ele registra com uma câmera, de dentro de um táxi na Quinta Avenida a comitiva papal em visita à cidade. O filme é exibido como obra artística na mesma cidade e sua realização só é possível devido ao surgimento da câmera de vídeo portátil e da fita magnética. A mobilidade conquistada com essas então novidades tecnológicas permite não só o registro de uma grande variedade de cenas externas, mas também possibilita que a imagem gravada seja reproduzida instantaneamente, sem a necessidade da revelação do filme em película, provocando uma revolução no formato de registro de movimento.

Nos anos 1970, os Estados Unidos assistem à popularização dos videocassetes, que tornam mais fáceis e baratas a reprodução, a gravação e a edição de vídeos, fazendo com que artistas de vanguarda se interessem pelo meio como uma forma de desenvolvimento de suas linguagens, dando fôlego à videoarte. Não se sabe ao certo quando nem como a videodança foi assim batizada. Uma hipótese é de que o termo tenha sido cunhado em 1982 com um festival anual de exibição de filmes de dança no Centro Georges Pompidou, na França. Há ainda registros de que o batismo tenha ocorrido também nos anos 1980 pelo programa inglês de televisão Channel 4, que apresenta adaptações para a TV de espetáculos feitos para o teatro e passa a encomendar obras criadas especificamente para vídeo sob a alcunha de videodança.

Um dos primeiros coreógrafos a trabalhar com a nova possibilidade é o americano Merce Cunningham (1919-2009). A partir de 1974, ele estabelece uma parceria com o videomarker Charles Atlas (1958) que resulta na produção de obras batizadas por eles como media/dances [mídia/danças], feitas especialmente para a câmera a partir da combinação de dança, filme e vídeo. Entre os trabalhos produzidos estão Westbeth (1975) e Locale (1980). Mais tarde, Cunningham trabalha também com Nam June Paik, com quem faz Merce and Marcel (1976), e com Elliot Caplan (1953), com quem produz Beach Birds for Camera (1993).

Outra representante da videodança é a coreógrafa belga Anne Teresa de Keersmaeker (1960). Em 1982, ela cria Rosa, com o diretor britânico Peter Greenaway (1942) e, a partir dos anos 1990, torna-se parceira constante do músico e realizador belga Thierry de Mey (1956), com quem produz os vídeos Rosas Danst Rosas (1996), Fase (2002) e Counter Phrases (2004), entre outros. No Reino Unido, um dos principais expoentes dessa linguagem, a partir dos anos 1980, é o grupo de teatro físico DV8, capitaneado pelo australiano Lloyd Newson (1957), que compõe obras para o palco e as recria quase concomitantemente para a TV, como no caso de sua peça de estreia My Sex, Our Dance (1986).

No Brasil, a videoarte e a videodança têm seu início nos anos 1970 com o trabalho da coreógrafa e videomaker paulista Analivia Cordeiro (1954). Suas primeiras incursões no gênero datam de 1973, com a criação de M3x3, obra realizada exclusivamente para a câmera, resultante de uma parceria com a TV Cultura. A obra é produzida em vídeo e computador numa época em que aparelhos de videocassete ainda não eram comercializados no país. Apesar desse pioneirismo, a produção brasileira de videodança só decola a partir dos anos 1990. O primeiro evento a reunir obras do tipo no país, mesmo que apenas estrangeiras, é a Mostra Gradiente de Filmes de Dança, realizada em São Paulo, em 1992, que apresenta títulos arquivados da Cinémathèque de la Danse de Paris [Cinemateca de Dança de Paris] e da New York Public Library for the Performing Arts [Biblioteca Pública de Artes Cênicas de Nova York].

Em 1997, surge o Dança Brasil, sediado no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (CCBB/RJ), que conta com uma mostra para exibição de videodanças estrangeiras. Em 2003, o festival apresenta o programa Panorama Brasil, com 22 trabalhos nacionais vindos de estados como Ceará, Bahia, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Piauí, entre os quais figuram O Tempo da Delicadeza (2002), de Alexandre Veras (1969) e Andréa Bardawil (1970); Process 5703-2000 (2001), de Mara Castilho (1972); Ursa Maior (2000), de Maíra Spanghero (1970) e Kátia Klock (1969); e Fliessfleichgewicht (2002), de André Semenza (1966) e Fernanda Lippi (1975). Dupla esta que também é responsável pelo primeiro longa-metragem brasileiro de dança, As Cinzas de Deus, filmado em 2001 e lançado comercialmente em 2003.

No mesmo ano, tem início no Rio de Janeiro, no Espaço Sesc, o Dança em Foco, criação do coreógrafo Paulo Caldas, o professor de dança Leonel Brum, cenógrafo Eduardo Bonito e Regina Levy, primeiro evento brasileiro inteiramente dedicado à videodança. Ainda em 2003, o programa Rumos Dança Itaú Cultural  lança sua primeira seleção de projetos do gênero, a partir da qual são produzidas as videodanças Pé de Moleque (2004), de Kiko Ribeiro (1964) e Dafne Michellepis (1971); e Dentro do Movimento, de Patrícia Werneck (1968) e Chico de Paula (1963). Três anos depois, o programa faz nova convocatória e recebe 71% de inscrições a mais do que em relação à edição anterior.

Em 2006, é lançado em São Paulo o projeto de criação do Acervo Mariposa, uma videoteca de dança cujo objetivo é reunir documentos audiovisuais de dança cedidos por seus criadores. Até abril de 2012, 25% do acervo catalogado é composto de videodanças. Em 2009, em parceria com a Bienal Internacional de Dança do Ceará e o Núcleo de Dança do Alpendre, acontece a estreia do Terceira Margem, primeiro programa de televisão destinado à videodança no país, que tem a exibição de dez programas de meia hora sobre o tema na TV O Povo, no Ceará. Em 2010, o Ministério da Cultura (MinC) lança o primeiro edital federal voltado ao financiamento da produção de projetos de videodança.

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • CALDAS, Paulo, BRUM, Leonel (org.). Entre imagem e movimento. Rio de Janeiro: Oi Futuro, 2008. (Dança em foco, vol. 3).
  • CALDAS, Paulo, BRUM, Leonel (orgs.). Videodança. Rio de Janeiro: Oi Futuro, 2007. (Dança em foco, vol. 2).
  • DODDS, Sherril. Dance on screen: genres and media from Hollywood to experimental art. Nova York: Palgrave MacMillan, 2004.
  • MACHADO, Arlindo (Org.). Made in Brazil: três décadas de vídeo no Brasil. Itaú Cultural: Editora Iluminuras, 2003.
  • MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1995.
  • MIRANDA, Regina. Dança e tecnologia. In: PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia. Lições de dança 2. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2000.
  • MITOMA, Judy (org.). Envisioning dance on filme and video. Londres: Routledge, 2002.
  • SPANGHERO, Maíra. A dança dos encéfalos acesos. São Paulo: Itaú Cultural, 2003.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: