Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Realismo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.09.2015
Se a primeira metade do século XIX marca o período de consolidação da consciência nacional, com o Romantismo, as décadas que se seguem trazem escritores literalmente mais "realistas", que observam e analisam a sociedade com a intenção de retratar nos textos o máximo de realidade possível. Em vez do "bom selvagem", eles flagram nas ruas cotidiana...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Se a primeira metade do século XIX marca o período de consolidação da consciência nacional, com o Romantismo, as décadas que se seguem trazem escritores literalmente mais "realistas", que observam e analisam a sociedade com a intenção de retratar nos textos o máximo de realidade possível. Em vez do "bom selvagem", eles flagram nas ruas cotidianas o ex-escravo sem rumo; em vez dos jovens apaixonados, observam a ociosidade dos que vivem de rendas e heranças no reinado em declínio do imperador Dom Pedro II (1825-1891); em tudo a exaltação da pátria cede espaço a uma minuciosa descrição dos fatos e das particularidades dos homens da época.

Enquanto muitas vezes o Romantismo elege o insólito, o distante e o bizarro como temas, o Realismo, por outra, prefere o terra-a-terra, a sociedade urbana como objeto de visão crítica apurada. Os autores brasileiros agem sob a influência que vem da Europa, particularmente da França, com exceção de Machado de Assis (1839-1908), leitor assíduo de Laurence Sterne e William Shakespeare. Em Portugal, o maior vulto do Realismo é o romancista Eça de Queirós (1845-1900), autor de O Crime do Padre Amaro, 1875 e O Primo Basílio, 1878.

Os modelos do passado que servem de inspiração aos românticos são preteridos em prol da vida contemporânea a ser detidamente investigada. O vocabulário é formado por uma cuidadosa escolha de palavras capazes de traduzir com simplicidade e precisão esta mesma realidade. No que toca aos romances, o pontapé inicial é dado por Manuel Antônio de Almeida, precursor do Realismo, uma vez que Memórias de um Sargento de Milícias, 1854-1855 é alternativa irônica e anti-sentimental em oposição ao idealismo romântico e ingênuo.

Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, é um marco para o Realismo. O autor é sem dúvida um dos nomes mais representativos desse movimento. Nascido no Rio de Janeiro, romancista, contista, poeta, cronista, crítico literário, teatrólogo, jornalista, é um dos fundadores e o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL) em 1897. De origem humilde, começa a escrever regularmente para a imprensa, e sua excepcional maestria se mostra, mais tarde, nos romances e contos que escreve até a morte, e nos quais retrata personagens que são figuras humanas complexas, ambíguas e marcantes. Os primeiros romances têm uma linhagem mais próxima do movimento romântico, como Ressurreição, 1872, A Mão e a Luva, 1874, Helena, 1876 e Iaiá Garcia, 1878, enquanto que a fase propriamente realista equivale às obras de maior complexidade e excelência, tais como os romances Brás Cubas, 1881, Dom Casmurro, 1900, Quincas Borba, 1892, seguidas de Esaú e Jacó, 1904 e Memorial de Aires, 1908. Importante salientar, contudo, que, embora fazendo uso de processos da escola, como a aguda observação da realidade com vistas a retratar o homem, o autor vai além, uma vez que mais transfigura a realidade do que simplesmente a retrata, estando, portanto, num passo adiante de seu próprio tempo. Memórias Póstumas, por exemplo, é uma narrativa autobiográfica de um autor que, já morto, enterrado e carcomido pelos vermes, relembra a sua vida, em capítulos curtos, misturando realidade, delírio e digressões do além-túmulo.  Com um sofisticado e audacioso tratamento da forma, a obra é um passo de gigante à frente das ilusões românticas.

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 35. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.
  • CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Vol. 1 Belo Horizonte: Itatiaia, 1997.
  • CASTELLO, José Aderaldo. A literatura brasileira. Vol. 1 São Paulo: Edusp, 1999.
  • COUTINHO, Afrânio. Introdução à literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
  • GONÇALVES, Magaly Trindade et alii (Org.). Antologia comentada de literatura brasileira: poesia e prosa. Petrópolis: Vozes, 2006.
  • MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1995.
  • PICCHIO, Luciana. História da literatura brasileira. Tradução Pérola de Carvalho e Alice Kyoko. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
  • SARAIVA, Arnaldo. (Org.) Literatura brasileira em questão. Porto: Faculdade de Letras, 2000.
  • ______ & SOUSA, J. Galante. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Ministério da Cultura/Fundação Biblioteca Nacional/Academia Brasileira de Letras/Global, 2001.
  • ______. História da literatura brasileira. Vol. I São Paulo: Cultrix, 2001.
  • ______. Literatura e resistência. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: