Artigo da seção pessoas Jac Leirner

Jac Leirner

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deJac Leirner: 1961 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Blue Phase [Defacements] , 1992 , Jac Leirner
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini/Itaú Cultural

Jacqueline Leirner (São Paulo, São Paulo, 1961). Artista multimídia. Em seu trabalho, coleta e organiza objetos comuns do cotidiano, frequentemente ligados ao consumo, rearranjando-os em novos objetos, que ganham um estatuto de obra artística, e passam a produzir, portanto, outros significados.

Jac Leirner forma-se em artes plásticas em 1984 pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), onde leciona entre 1987 e 1989. Um de seus primeiros trabalhos é a série Os Cem (1987), em que utiliza notas de 100 cruzeiros. Uma das obras dessa série consiste em uma escultura em que as notas são amarradas de modo a formar um círculo, priorizando, assim, traçados geométricos. Ao realizar tal operação, a artista tem a intenção de dar visibilidade a algo ordinário, como o dinheiro, que tem uma função prática de usabilidade no cotidiano mas passa despercebido aos nossos olhos. 

Jac Leirner realiza um longo trabalho de coleta e de organização de objetos banais, o que faz com que uma das características mais importantes de sua produção seja o que alguns chamam de “colecionismo”, mas que pode ser considerada uma prática de inventário. A habilidade de Leirner está não simplesmente na acumulação desses objetos, como faz um simples colecionador, mas nas relações que estabelece entre eles, seguindo critérios como cor, temas e afinidades formais.   

Exemplos dessa prática são as séries Corpus Delicti (1985), e Nomes (1989). A primeira reúne objetos extraídos de aviões e reorganizados de modo a formar novos objetos, como cinzeiros, que são ligados por uma corrente, de maneira a evocar uma joia. Já a segunda une sacolas de museus e de livrarias de arte, formando um tecido, com o qual se cobre salas ou paredes inteiras. A exposição desta instalação em 2018 rende a Leirner o prêmio Wolfgang Hahn, concedido anualmente pelo Museu Ludwig, em Colônia, na Alemanha, sendo a primeira artista sul-americana agraciada com a premiação. 

Também é da década de 1980 uma de suas obras mais importantes, a série Pulmão (1987). Para executá-la, Leirner conservou 1.200 maços de cigarros, após consumir seu conteúdo, e os desmontou, recombinando suas partes semelhantes, que são agrupadas em obras distintas: lacre, papel-cartão, etiqueta de preço, celofane e laminado. 

Com intervenções mínimas, como empilhamento e enfileiramento, a artista obtém como resultado novos objetos, nos quais já não é possível identificar sua matéria-prima: o maço de cigarro. Sobre essa série, o crítico Lorenzo Mammì afirma que ela marca uma etapa importante na produção de Leirner, na medida em que esta se mostra aberta a trabalhar com uma variedade maior de formas e cores dos materiais, indo na contramão da estética minimalista, uma das vanguardas artísticas que influenciam seu trabalho, o que remonta à característica transgressora de sua obra.

Outra série bastante conhecida de Jac Leirner é To and From (1991), na qual ela agrupa envelopes de correspondência entre museus, guardados e cedidos pelo Walker Art Center, em Minneapolis, nos Estados Unidos, onde atua como artista residente no mesmo ano. Nessa série, a artista intercepta a trajetória do objeto, tirando-o de sua circulação cotidiana e inserindo-o na esfera artística, refletindo, assim, sobre o estatuto artístico que a mudança espacial pode atribuir a um objeto qualquer, seja ele qual for. 

Desempenham também esse papel as séries Foi um Prazer (1997), na qual a artista expõe nas paredes cartões de visita de artistas, curadores e galeristas, e Adesivos (2000/2002), em que exibe adesivos de bandas de rock, museus, de livrarias, e revistas, organizados por temas, cores ou formas.

A obra de Jac Leirner dialoga com a de Marcel Duchamp, com as serializações da minimal art e com a arte conceitual, entre outras vertentes, porém, com um acentuado sentido poético e autobiográfico. 

Jac Leirner transforma objetos banais em obras de arte e concede-lhes novos significados. Com sua produção, a artista desempenha papel fundamental na arte contemporânea brasileira, inserindo-a no cenário internacional.

Outras informações de Jac Leirner:

  • Outros nomes
    • Jacqueline Leirner
  • Habilidades
    • Artista multimídia
  • Relações de Jac Leirner com outros artigos da enciclopédia:

Obras de Jac Leirner: (25) obras disponíveis:

Título da obra: Muro

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoMuro : 1985
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução fotográfica Eduardo Ortega

Todas as obras de Jac Leirner:

Midias (1)

Jac Leirner - Enciclopédia Itaú Cultural
Sacolas plásticas vazadas, estufadas e costuradas, moedas e notas de dinheiro, cartões de visita, parafernálias de avião, chapas de raio X etc., para a artista multimídia paulistana Jac Leirner, todo e qualquer objeto pode ser transformado em arte: “Não tento representar nada, meu trabalho não é figurativo”, explica. Em sua obra, Leirner usa materiais comuns, utilizados pelas pessoas em seu cotidiano, e explora ao máximo os potenciais plásticos de cada objeto, deslocando o significado do que é consumido para um status artístico de minimal art a partir de novas propostas de conexões e agrupamentos. De formação em arte moderna, seu trabalho tem referência na arte conceitual, que privilegia a ideia e não a obra executada: “O que sobra é o vazio, que é o próprio trabalho”, define a artista.

Produção: Documenta Vídeo Brasil Captação, edição e legendagem: Sacisamba Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada) Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Exposições (191)

Artigo sobre Arte & Mulher - Artistas

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioArte & Mulher - Artistas : 1982  |  Data de término | 19-09-1982
Resumo do artigo Arte & Mulher - Artistas :

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Artigo sobre Arte na Rua

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioArte na Rua: 1983  |  Data de término | 1983
Resumo do artigo Arte na Rua:

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Artigo sobre A Nova Dimensão do Objeto

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioA Nova Dimensão do Objeto : 09-1986  |  Data de término | 10-1986
Resumo do artigo A Nova Dimensão do Objeto :

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Artigo sobre Pulmão

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioPulmão: 29-10-1987  |  Data de término | 28-11-1987
Resumo do artigo Pulmão:

Galeria Fernando Milan (São Paulo, SP)

Todas as exposições

Eventos relacionados (2)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (38)

  • 15 ARTISTAS brasileiros. Curadoria Tadeu Chiarelli; tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: MAM, 1996.
  • BRASIL. Plural y singular. Curadoria Laura Buccellato, Clelia Taricco. Buenos Aires: MAMba, 2000.

  • A ARTE brasileira no mundo: uma trajetória: 24 artistas brasileiros. São Paulo: Dan Galeria, 1993. 24p. il. color.
  • ALÉM do arco íris. Curadoria e texto Per Hovdenakk. São Paulo: FAAP, 1998.
  • AMÉRIQUES Latines: art contemporain. Tradução Maryvonne Lapouge Petorelli, John Tyler Tuttle; texto Sheila Leirner. Paris: Hôtel des Arts, 1992. 50 p., il.
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • ARTE suporte computador. Organização Solange Lisboa e Antonio Ruete. São Paulo: Casa das Rosas, 1997.
  • ARTISTAS brasileiros na 20ª Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL DE LA HABANA, 7., 2000, Habana. Séptima Bienal de Habana. Coordinación Lourdes A. Ricardo Suaréz; curadoria Nelson Herrera Ysla, Hilda María Rodríguez, José Manuel Noceda Fernandéz, Ibis Hernández Abascal, Margarita Sánchez Prieto, Magda I. González-Mora, Lourdes Castillo González. Habana: Centro de Arte Contemporâneo Wifredo LAM, 2000. 462 p., il. color.
  • BRANCO Dominante. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1992. il p.b.
  • BRASIL: la nueva generación. Tradução Maria Elvira Iriarte. Caracas: Fundación Museo de Bellas Artes, 1991. il. color.
  • CALEGARI, Danilo. Construir, habitar, demorar: as descontinuidades da obra de Jac Leirner. Revista Ciclos, v. 3, n. 7, 2016. Disponível em: http://revistas.udesc.br/index.php/ciclos/article/view/9466/6531. Acesso em: 22 mar. 2020.
  • CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
  • CHIARELLI, Tadeu. Jac Leirner. Galeria: Revista de Arte, São Paulo, n. 16, p. 101-103, 1989.
  • DEFINING the nineties: consensus-making in New York, Miami, and Los Angeles. Curadoria Bonnie Clearwater; texto Michael Duncan, Bonnie Clearwater, Allan Schwartzman. Miami: Museum of Contemporary Art, 1996. 128 p., il. color.
  • Exposição Brasil-Japão de arte contemporânea 1990 CAT-G Spfbjap 1990/n;
  • EXPOSIÇÃO BRASIL-JAPÃO DE ARTE CONTEMPORÂNEA, 9., 1990, São Paulo. 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea. Curadoria Wesley Duke Lee, Arcangelo Ianelli, Dudu Santos. São Paulo: Fundação Brasil-Japão de Artes Plásticas, 1990. 86 p., il. p&b.
  • GONÇALVES, Marcos Augusto. Jac Leirner aborda uso de drogas em exposição e critica ativismo nas artes. Folha de S. Paulo, 22 jul. 2018. Ilustríssima. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/07/jac-leirner-aborda-uso-de-drogas-em-exposicao-e-critica-ativismo-nas-artes.shtml. Acesso em: 22 mar. 2020
  • HERKENHOFF, Paulo (org.); PEDROSA, Adriano (org.). Marcas do corpo, dobras da alma. São Paulo: Takano, 2000.
  • JAC Leirner é a primeira sul-americana a receber prêmio de arte. Folha de S. Paulo, 11 abr. 2019. Ilustrada. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/04/jac-leirner-e-primeira-sul-americana-a-receber-premio-de-arte.shtml. Acesso em: 22 mar. 2020.
  • LATIN american sale. New York: Christie's, 2000. 241 p., il. color.
  • LEIRNER, Jac. Jac Leirner. Texto Paulo Herkenhoff; versão em inglês Stephen Berg. São Paulo: Galeria Camargo Vilaça, 1993. [12] p., il color.
  • LEIRNER, Jac. Jac Leirner. Tradução Nelson Ascher; texto Guy Brett. São Paulo: Galeria Millan, 1989. [36] p., il. p&b color.
  • LEIRNER, Jac. Jac Leirner: ad infinitum. Curadoria e coordenação Ligia Canongia; texto Ligia Canongia, Lisette Lagnado, Lorenzo Mammì, Bruce W. Ferguson, Guy Brett, Ariel Jiménez, Feffrey Deitch, Michael Corris. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2002. 223 p., il. p&b color.
  • LEIRNER, Jac. [Currículo]. Enviado pela artista em 26 de out. 2005.
  • LIMA, Pedro Ernesto Freitas. Exposição e ocultação: um olhar sobre a obra de Jac Leirner. In: COLÓQUIO DO COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 36., 2016. Anais… Campinas: Unicamp, 2016.   Disponível em: http://www.cbha.art.br/coloquios/2016/anais/pdfs/3_pedro%20ernesto.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.
  • MATTOS, Armando (coord.). Anos 80: o palco da diversidade. Curadoria e texto Armando Mattos, Marcus de Lontra Costa. Rio de Janeiro: MAM, 1995. 66 p., 37 il., color.
  • MONACHESI, Juliana. Jac Leirner reinventa-se com “Little Lights”. Folha de S. Paulo, 11 nov. 2006. Acontece. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/acontece/ac1111200601.htm.  Acesso em: 22 mar. 2020.
  • MONFORTE, Luiz Guimarães (Coord.). 4º Stúdio UNESP, SESC e SENAI de tecnologias de imagens. São Paulo, 1996. , il. color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte contemporânea. Curadoria geral Nelson Aguilar; curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso; tradução Arnaldo Marques, Ivone Castilho Benedetti, Izabel Murat Burbridge, Katica Szabó, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • NEVES, José Alberto Pinho (org.). América. Curadoria José Alberto Pinho Neves; tradução Maria Clara Castellões de Oliveira, Maria Dalila Cruz, Maria Lúcia Viana, Graciela Huegas Granato, Sandra Aparecida Faria de Almeida; texto Márcio Doctors. Juiz de Fora: Rona, 1994. [50] p., il. p&b. color.
  • NO limite da forma / Além da forma. Curadoria Mischa Kuball. São Paulo: Casa das Rosas, s.d. folha dobrada, il.
  • POR que Duchamp? Leituras duchampianas por artistas e críticos brasileiros. Texto Vitória Daniela Bousso, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Agnaldo Farias, Maria Izabel Branco Ribeiro, Paulo Herkenhoff, Celso Favaretto, Stella Teixeira de Barros, Lisette Lagnado, Angélica de Moraes; tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Itaú Cultural : Paço das Artes, 1999. 194 p., il. p&b. color.
  • SÉCULO 20: arte do Brasil. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso. Lisboa: Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, 2000.
  • TEORIA dos valores. Curadoria e texto Márcio Doctors; texto Paulo Herkenhoff; versão em inglês Peter Lenny. São Paulo: MAM, 1998. 56 p., il. color.
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999.
  • XLVII Bienal de Veneza: Jac Leirner, Waltercio Caldas. Curadoria e texto Paulo Herkenhoff; tradução John Norman; texto Lorenzo Mammì, Sônia Salzstein. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1997. 52 p., il. color.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JAC Leirner. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9962/jac-leirner>. Acesso em: 12 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7