Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Paulo Pasta

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.09.2018
1959 Brasil / São Paulo / Ariranha
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fortuna, 1987
Paulo Pasta
Óleo e cera sobre tela
61,30 cm x 50,00 cm

Paulo Augusto Pasta (Ariranha, São Paulo, 1959). Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Gradua-se em artes plásticas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 1983. Estuda desenho e gravura em metal com Evandro Carlos Jardim (1935). Faz cursos de litografia e serigrafia com Regina Silveira (1939) e pintura...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Paulo Augusto Pasta (Ariranha, São Paulo, 1959). Pintor, desenhista, ilustrador e professor. Gradua-se em artes plásticas na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 1983. Estuda desenho e gravura em metal com Evandro Carlos Jardim (1935). Faz cursos de litografia e serigrafia com Regina Silveira (1939) e pintura, com Donato Ferrari (1933) e Carmela Gross (1946). Atua como arte-educador na Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre 1983 e 1985. Cria obras abstratas nas quais utiliza uma gama cromática reduzida, explorando variações tonais. Em 1984, realiza sua primeira exposição individual na Galeria D. H. L., em São Paulo. Recebe a Bolsa Emile Eddé de Artes Plásticas, em 1988. Tem relevante atividade docente, lecionando pintura na Faculdade Santa Marcelina (FASM), entre 1987 e 1999, e desenho na Universidade Presbiteriana Mackenzie, entre 1995 e 2002. É professor da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), onde ingressa em 1998. Ministra ainda cursos livres em várias instituições culturais, como o Museu Brasileiro de Escultura (MuBE) e o Instituto Tomie Ohtake (ITO). Em 1990, recebe o Prêmio Brasília de Artes Plásticas no Museu de Arte de Brasília (MAB/DF) e, em 1997, o Prêmio Price Waterhouse - Conjunto de Obras, no 25º Panorama de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). Em 1998, é publicado o livro Paulo Pasta, pela Edusp. É mestre em artes plásticas pela ECA/USP, em 2002. Ilustra, entre outros, os livros Coração Partido - Uma Análise da Poesia Reflexiva de Drummond e Rocambole, ambos de autoria do crítico literário Davi Arrigucci Jr., publicados pela Editora Cosac & Naify, em 2002 e em 2005, respectivamente.

Análise

A pintura de Paulo Pasta, na década de 1980, apresenta suaves passagens tonais e formas instáveis, indefinidas. Uma de suas principais referências, além da obra de Paul Cézanne (1839-1906) e Henri Matisse (1869-1954), é a pintura do artista norte-americano Jasper Johns (1930). Paulo Pasta, por meio de ligeiras arranhaduras na última camada de tinta da tela, cria formas que se aproximam às de frontões, ânforas e colunas. Essas imagens permitem uma referência ao passado, remetem ao campo da memória. Para o historiador da arte Rodrigo Naves, há nesses trabalhos um quê de nostalgia - eles procuram reatar com um tempo histórico, apontam para a lembrança de uma era sem fraturas, em que gestos individuais e significados sociais se relacionavam harmoniosamente. Há também nas obras do artista um jogo tonal, espécie de cor primeira que contém outras, que se insinua insistentemente, mas os tons e as pinceladas obedecem apenas ao equilíbrio interno da obra.

Como aponta o crítico Alberto Tassinari, no começo da década de 1990, seu trabalho modifica-se: grande parte de suas pinturas tem como motivo algo que lembra um chão ladrilhado com cacos. Esses quadros não levam o olhar do espectador para o horizonte, mas o remetem a obstáculos e a um espaço que não se deixa ver com nitidez. Em trabalhos iniciados em 1994, apresenta mais contrastes de cor, o espaço se amplia e as estruturas tornam-se mais ordenadas. Permanece porém a atmosfera espessa, a densidade das pinturas anteriores. Em 1996, o artista plástico Nuno Ramos (1960), ao comentar as obras de Paulo Pasta apresentadas em exposição individual na Galeria Camargo Vilaça, em São Paulo, ressalta a luminosidade intensa dos quadros que realça as diferenças de tom e cor, luz e sombra, superfície e profundidade, ao mesmo tempo em que paradoxalmente equilibra o conjunto da pintura.

A pintura de Paulo Pasta, para Naves, propõe ao observador uma experiência: ela porta uma espécie de vagar, pede uma suspensão temporal para que o olhar possa se deter morosamente pelas passagens tonais e pelas formas, em lento movimento de diferenciação.

Obras 53

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Caçula

Óleo e cera sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Duas Cruzes

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria decsonhecida

Duas Cruzes

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fortuna

Óleo e cera sobre tela

Exposições 158

Abrir módulo

Eventos relacionados 3

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Paulo Pasta - Enciclopédia Itaú Cultural
Ao definir a pintura, Paulo Pasta realiza uma analogia com a música: “A pintura é boa, para mim, quando faz silêncio”, diz ele, em referência a sua predileção pela quietude e a tranquilidade. “Acho que dentro da imobilidade está a mobilidade. Dentro do silêncio está contido também o ruído”, completa. Em seu trabalho com as cores, ele busca sempre promover uma espécie de equilíbrio que mantenha o “silêncio”, não deixando um tom ser mais “estridente” do que o outro. O resultado é um jogo tonal que, segundo o crítico Rodrigo Naves, é composto por uma cor primeira que contém outras. Comuns na pintura, classificações como figurativismo ou abstracionismo não fazem sentido para ele. “Faço figuração mas, ao mesmo tempo, uso a linguagem abstrata.” Criador em constante mutação, ele crê que sua arte é espelho de sua própria vida. “Você constrói aquilo que vê para também construir um pouco o seu olhar. A pintura me constrói.”

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • BRASIL: la nueva generación. Tradução Maria Elvira Iriarte. Caracas: Fundación Museo de Bellas Artes, 1991. il. color.
  • GALERIA Millan Antonio: banco de dados. Disponível em: [http://www.millanantonio.com.br/p/artista_obra.asp?idartista=24]. Acesso em 16.06.2006.
  • IMAGENS de segunda geração. São Paulo: MAC/USP, 1987. 23 p., il. p.b.
  • PASTA, Paulo. Paulo Pasta. São Paulo: Edusp, 1998. 210 p. il. (Artistas da Usp, 10).
  • PASTA, Paulo. Paulo Pasta: 2. bolsa Emile Eddé de artes plásticas. São Paulo: MAC/USP, 1989. , il. color.
  • PASTA, Paulo. Paulo Pasta: desenhos. Ribeirão Preto: Galeria Campus SP/Banespa, 1985. , s. il.
  • STAATLICHE KUNSTHALLE (BERLIN). Werkstatt Berlin - São Paulo 1988. Tradução Sarita Brandt. Berlin, 1988. 94p. il., p.b. color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: