Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Arlindo Daibert

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.08.2021
12.08.1952 Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora
28.08.1993 Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Mandala
Arlindo Daibert
Técnica mista
Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ

Arlindo Daibert (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1952 - idem 1993). Desenhista, gravador, pintor e professor. Forma-se em letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em 1973. Na época, contribui com poemas e ilustrações no suplemento Arte e Literatura do Diário Mercantil, entre outros. Recebe prêmio do governo da França, e freqüenta cur...

Texto

Abrir módulo

Arlindo Daibert (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1952 - idem 1993). Desenhista, gravador, pintor e professor. Forma-se em letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em 1973. Na época, contribui com poemas e ilustrações no suplemento Arte e Literatura do Diário Mercantil, entre outros. Recebe prêmio do governo da França, e freqüenta curso de técnicas de gravura no Atelier Calevaet-Brun, em Paris, entre 1975 e 1976. Retornando ao Brasil, realiza individuais nas quais expõe desenhos organizados em séries temáticas: Alice no País das Maravilhas, Gran Circo Alegria de Viver e Fantástica, entre outras. As referências à literatura são uma constante em sua produção, como na série Macunaíma de Andrade, 1982. Participa da criação da Oficina de Gravura Largo do Ó, em Tiradentes, Minas Gerais, em 1984. Nesse mesmo ano, ingressa no Departamento de Artes da UFJF, onde dirige projeto de estudo e organização do acervo de artes plásticas do poeta Murilo Mendes (1901-1975). Coordena diversas mostras sobre o poeta e é curador de várias exposições de artistas brasileiros. Em 1995, é publicado Caderno de Escritos, pela Editora Sette Letras, com seus ensaios sobre arte, e, em 1998, o livro Imagens do Grande Sertão - Arlindo Daibert, com os trabalhos da série Grande Sertão: Veredas, pelas editoras da UFJF e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em 2000, é publicado o livro Arlindo Daibert: Depoimento, organizado por Fernando Pedro da Silva e Marília Andrés Ribeiro, pela editora C/Arte.

Análise
Arlindo Daibert inicia sua trajetória artística em 1970, produzindo desenhos de caráter fantástico, nos quais emprega uma técnica que se destaca pela clareza dos detalhes e pelo refinamento das composições. O artista realiza desenhos notáveis pela minúcia e pela precisão, onde se incorporam escritos. Em sua obra predomina o caráter erótico e também uma intrincada simbologia. Explora ainda o diálogo entre a literatura e as artes visuais. Como nota o crítico Roberto Pontual (1939-1994), após a estada em Paris, entre 1975 e 1976, Daibert gradualmente substitui o caráter apocalíptico de seus desenhos iniciais pela ironia.

Na série Alice no País das Maravilhas (1978), emprega o desenho refinado e cores suaves associadas a um forte componente erótico. Em outras séries, parte de fragmentos anatômicos, desenhados com uma precisão quase fotográfica, revelando sentimentos de estranheza e angústia contida.

São freqüentes ainda, em sua produção, as referências à literatura, como nas séries Macunaíma de Andrade e Grande Sertão: Veredas (ambas da década de 1980). Falece prematuramente, deixando inacabado o projeto O Retrato do Artista, no qual parte da figura do artista no quadro O Ateliê do Artista, de Jan Vermeer (1632-1675), que é repetida freqüentemente, sendo utilizada para a criação de novas construções plásticas. São constantes, em sua produção, a citação de obras consagradas da História da Arte, como as de Ingres (1780-1867) e Manet (1832-1883), com as quais dialoga.

Obras 11

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

... como se fosse

Grafite e lápis de cor sobre papel
Registro fotográfico Sérgio Guerini

... invisível

Grafite e lápis de cor sobre papel
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Babel

Colagem sobre papel
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fábula

Técnica mista em tela sobre conglomerado
Registro fotográfico Sérgio Guerini

Invisível

Grafite e lápis de cor sobre papel

Exposições 82

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • DAIBERT, Arlindo. Arlindo Daibert: depoimento. Organização Fernando Pedro da Silva e Marília Andrés Ribeiroa. Belo Horizonte: C/Arte, 2000. (Circuito Atelier, 8).
  • DAIBERT, Arlindo. Arlindo Daibert: desenhos. São Paulo: Galeria Entreartes, 1978.
  • DAIBERT, Arlindo. Arlindo Daibert: objetos. Belo Horizonte: Centro Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais, 1995.
  • DAIBERT, Arlindo. Arlindo Daibert: trabalhos recentes: babel. São Paulo: MAM, 1989.
  • DAIBERT, Arlindo. Desenhos. Juiz de Fora: Saguão da Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora, 1978.
  • DAIBERT, Arlindo. Imagens do grande sertão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
  • KLINTOWITZ, Jacob. Mestres do desenho brasileiro: 27 artistas representativos. s.l., Volkswagen do Brasil, 1983.
  • NA PONTA do lápis. Apresentação de Maria do Carmo Secco. Rio de Janeiro: Galeria de Arte UFF, 1986.
  • NA ponta do lápis. Rio de Janeiro: Galeria de Arte/UFF, 1986.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • RIBEIRO, Marília Andrés (org.); SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997. (Centenário).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: