Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Antonio Poteiro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.01.2021
10.10.1925 Portugal / Braga / Braga
08.06.2010 Brasil / Goiás / Goiânia
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Brasil Central na Rússia, 1984
Antonio Poteiro
Óleo sobre tela, c.i.d.
155,00 cm x 135,00 cm

Antonio Batista de Souza (Aldeia de Santa Cristina da Pousa, Braga, Portugal 1925 - Goiânia, Goiás, 2010). Escultor, pintor, ceramista.  Imigra com a família para São Paulo em 1926. Mais tarde, reside em Araguari e Uberlândia, em Minas Gerais, onde inicia a atividade de ceramista, realizando peças utilitárias. Monta duas fábricas de cerâmica, qu...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Antonio Batista de Souza (Aldeia de Santa Cristina da Pousa, Braga, Portugal 1925 - Goiânia, Goiás, 2010). Escultor, pintor, ceramista.  Imigra com a família para São Paulo em 1926. Mais tarde, reside em Araguari e Uberlândia, em Minas Gerais, onde inicia a atividade de ceramista, realizando peças utilitárias. Monta duas fábricas de cerâmica, que vão à falência, e passa um longo período entre os índios na Ilha do Bananal, em Goiás. Passa a residir em Goiânia. Em 1957, adota o apelido de Antonio Poteiro por sugestão da folclorista Regina Lacerda, que o orienta a assinar seus bonecos de barro. Gradualmente passa a apresentar, em suas obras, motivos regionais e temas bíblicos. Em 1972, já como conhecido ceramista, é estimulado a pintar por Siron Franco (1947) e Cleber Gouvêa (1942 - 2000). Expõe seus trabalhos em mostras no Brasil e no exterior. Leciona cerâmica no Centro de Atividades do Sesc e nas cidades de Hannover e Düsseldorf, na Alemanha. Em 1985, recebe o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA, na categoria escultura. Em 1997, é homenageado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil.

Análise

Antonio Poteiro, após fazer por algum tempo cerâmica utilitária, começa a realizar pequenos bonecos de argila. Passa a dedicar-se também à pintura, incentivado por Siron Franco (1947), e desenvolve gradualmente a habilidade de colorista. Como aponta o crítico Olívio Tavares de Araújo, Poteiro mantém um estilo coerente, tanto nos procedimentos formais que desenvolve como no uso personalíssimo da cor. Seus temas são variados e abarcam desde a fauna do pantanal mato-grossense a assuntos de história religiosa, abordados de maneira original.

Suas telas e cerâmicas são repletas de pequenas figuras de casas, animais, riachos, pessoas e detalhes ornamentais que preenchem todos os espaços vazios, e são tratados com minúcia e acuidade técnica. Realiza uma série abordando os 500 anos da História do Brasil, na qual mantém a visão pessoal e criativa dos temas, característica de seus trabalhos.

Obras 23

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Autoria desconhecida

A Ecologia

Cerâmica

Exposições 94

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 35

Abrir módulo
  • A. Poteiro, Sousa Netto: cerâmica e pintura. Apresentação José Roberto Magalhães Teixeira. Campinas: MAC - José Pancetti, 1993. [12 p.], il. p.b. color.
  • AQUINO, Flávio de. Aspectos da pintura primitiva brasileira. Rio de Janeiro: Spala, 1978.
  • ARDIES, Jacques. A Arte naif no Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1998.
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 16.,1981, São Paulo, SP. Arte incomum. Curadoria Annateresa Fabris; tradução Laurence Patrick Hughes, Aldo Bocchini Neto. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1981.
  • BIENAL NAÏFS DO BRASIL, 3., 1996, Piracicaba, SP. Bienal Naïfs do Brasil. Introdução Abram Szajman; Coordenação Jesus Vasquez Pereira. Piracicaba: Sesc, 1996. (102) p., il. color.
  • BRASILIDADES. Curadoria e texto Paulo Rogério de Oliveira Reis; versão em inglês Anton Berden, James Anderson; versão em francês Pascal Rúbio. Rio de Janeiro: Centro Cultural Light, 2000.
  • BULCÃO, Athos. [Currículo]. Enviado pelo artista. Não catalogada
  • DIAS, Etevaldo. A arte dos potes. In: BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 21., 1991, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Marca D'Água, 1991. p.185.
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva. São Paulo: CCBB, 2002. SPccbb 2002/pb
  • FIGUEIREDO, Aline. Artes plásticas no Centro-Oeste. Cuiabá: UFMT/MACP, 1979.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1999. São Paulo: Júlio Louzada, 1999. v. 11. R702.9 L895a v. 11
  • MENEZES, Amaury. Da caverna ao museu: dicionário de artes plásticas em Goiás. Goiânia: Fundação Cultural Pedro Ludovico Teixeira, 1998. R708.98173 M543a ex.2
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte Popular. Curadoria Emanoel Araújo, Frederico Pernambucano de Mello; tradução Grant Ellis, Izabel Murat Burbridge, John Norman, Paulo Henriques Britto. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MOSTRA do acervo. São Paulo: Sudameris Galleria, 1996. p.27. SPsuda 1996/m
  • O MUNDO fascinante dos pintores naifs. Rio de Janeiro : Paço Imperial, 1988. 211p. il. color.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • POTEIRO, Antonio. 33 anos de cerâmica e pintura de Antonio Poteiro. Goiânia: Fundação Jaime Câmara, 1996. , s.p. il., figs., fot.
  • POTEIRO, Antonio. 33 anos de cerâmica e pintura de Antonio Poteiro. Goiânia: Fundação Jaime Câmara, 1996. P861 1996
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Batista de Souza Poteiro. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 1997. P861a 1997
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Batista de Souza Poteiro. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 1997. s.p., il. color.
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro. Rio de Janeiro: Sesc, Centro de Atividade. 18 p., il. p&b color.
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro. Sao Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1994. P861 1994
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: cerâmicas e pinturas. Sao Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1984. P861 1984
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: cerâmicas e pinturas. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1984. il. p&b color.
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: pintura e cerâmica. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1981. , il. p&b color.
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: pintura e cerâmica. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1981. P861 1981
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: pinturas e cerâmicas. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1983. , il. p&b color.
  • POTEIRO, Antonio. Antonio Poteiro: pinturas e cerâmicas. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1983. P861 1983
  • POTEIRO, Antonio. Pintura - cerâmica. Apresentação Adriano de Carvalho. Brasília: Performance Galeria de Arte, 1987. [15] p., il. p&b, color.
  • SILVEIRA, PX (org.), MACHADO, Betúlia (org.). Arte hoje: o processo em Goiás visto por dentro. Comentário Brasigóis Felício. Rio de Janeiro: Marco Zero. 269 p., il. p&b, color. (MultiArte).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: