Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bob Wolfenson

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.05.2021
08.09.1954 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

SP. # 10, 2004
Bob Wolfenson
Ampliações feitas em lambda de arquivo digital a partir de negativos 8 x10, sem informação
168,50 cm x 120,20 cm

Roberto Wolfenson (São Paulo, São Paulo, 1954). Fotógrafo. Trabalhando em diversos gêneros da fotografia, é na captura de retratos que Bob Wolfenson se destaca no cenário das artes visuais no Brasil. Captando a imagem de desconhecidos e personalidades artísticas e políticas, forma um acervo de rostos que contribuem para contar a história brasile...

Texto

Abrir módulo

Roberto Wolfenson (São Paulo, São Paulo, 1954). Fotógrafo. Trabalhando em diversos gêneros da fotografia, é na captura de retratos que Bob Wolfenson se destaca no cenário das artes visuais no Brasil. Captando a imagem de desconhecidos e personalidades artísticas e políticas, forma um acervo de rostos que contribuem para contar a história brasileira no final do século XX e início do XXI.

Aos 16 anos, Bob começa a trabalhar como assistente de fotografia no grupo editorial Abril. Em 1974, ainda prestando serviços para a mesma editora, passa a fotografar como freelancer, e, quatro anos depois, abre seu estúdio de fotografia em São Paulo. Estuda Ciências Sociais na Universidade de São Paulo (USP), pela qual se forma em 1982. 

Assume a fotografia de editoriais para diferentes revistas, em 1985, após estada de um ano em Nova York, onde trabalha e estuda com Bill King (1939-1987), famoso fotógrafo de moda, que o influencia em sua trajetória. Neste momento, o trabalho de Bob se torna autoral, em composições que revelam um olhar cinematográfico, capturando cenas das personalidades e modelos que posam para ele, através de sua interação com o sujeito.

Segundo Bob, uma fotografia de moda é um registro estático apenas pela condição de seu suporte, mas, em sua execução, trata-se de uma construção cênica que exige uma completa imersão. São pequenas esquetes que formam um editorial.

Bob também tem importante contribuição para a fotografia de nus, trabalhando em ensaios sensuais para a revista Playboy entre os anos 1980 e 2003. 

A cidade de São Paulo se apresenta como figura central de suas fotografias no projeto Antifachada (2004). Nele, Bob fotografa fragmentos de prédios residenciais de diferentes estilos arquitetônicos da cidade, transformando o caos urbano de uma metrópole que cresce sem planejamento espacial em poética e em uma metáfora sobre a impossibilidade do controle absoluto. Assim como faz em seus retratos, muitos em close de personalidades, São Paulo ganha diferentes ângulos neste projeto.

Ainda colocando a paisagem como centro de seu trabalho, apresenta também Caminho do Mar (2007), em que captura imagens noturnas de Cubatão, cidade industrial na Serra do Mar, a caminho do litoral sul paulista. A cidade é registrada em fotografias feitas com a técnica de longa exposição, evidenciando as luzes dos complexos industriais e de rodovias em um movimento congelado, mas perceptível, que ganham uma atmosfera fantasmagórica quando encontram a poluição e a fumaça das chaminés.

Bob Wolfenson rompe com a lógica de registro documental e coloca um olhar cênico sobre suas produções, destacando-se em diferentes gêneros da fotografia brasileira.

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

SP. # 10

Ampliações feitas em lambda de arquivo digital a partir de negativos 8 x10

Exposições 35

Abrir módulo

Eventos relacionados 11

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Bob Wolfenson – Série Cada Voz (2021)
O fotógrafo Bob Wolfenson, nesta entrevista, apresenta sua carreira, sua história e a influência em seu trabalho.

Nascido e criado no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, com a morte de seu pai e a necessidade de começar a trabalhar desde muito cedo, aprende a fotografar. Com o passar dos anos, percebe que a vocação vem com o aprendizado da profissão e decide abandonar a formação em ciências sociais para se dedicar inteiramente à fotografia.

Bob Wolfenson não separa o trabalho comercial do pessoal, revelando ser possível seguir um viés comercial e, ainda sim, criar e apresentar uma interpretação subjetiva desses projetos.

ITAÚ CULTURAL
Presidente Alfredo Setubal
Diretor Eduardo Saron
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo:
Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Montagem: Renata Willig

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: