Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Loio-Pérsio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1927 Brasil / São Paulo / Tapiratiba
08.01.2004 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título, 1990
Loio-Pérsio
Técnica mista com emulsão acrílica sobre tela, c.i.e.
73,00 cm x 60,00 cm

Loio-Pérsio Navarro Vieira de Magalhães (Tapiratiba SP 1927 - Rio de Janeiro RJ 2004). Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, artista gráfico e publicitário. Muda-se com a família em 1943 para Curitiba, onde estuda pintura com Guido Viaro (1897-1971). Em 1948, ingressa na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Um ano d...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Loio-Pérsio Navarro Vieira de Magalhães (Tapiratiba SP 1927 - Rio de Janeiro RJ 2004). Pintor, desenhista, gravador, ilustrador, artista gráfico e publicitário. Muda-se com a família em 1943 para Curitiba, onde estuda pintura com Guido Viaro (1897-1971). Em 1948, ingressa na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Um ano depois, decide trancar sua matrícula na faculdade e vai para o Rio de Janeiro. Nesta cidade, cursa pintura com Ado Malagoli (1906-1994) e cenografia com Santa Rosa (1909-1956), no Serviço Nacional de Teatro, entre 1949 e 1950. Em 1951, retorna a Curitiba e retoma o curso de direito. No mesmo ano, funda o Centro de Gravura do Paraná. Em 1952, é convidado pelo governo do estado para organizar e dirigir a Casa-Museu Alfredo Andersen e a Pinacoteca Paranaense. Porém, por falta de suporte institucional, demite-se do cargo um ano depois. Em 1953, trabalha em ateliê comum com o pintor, desenhista e gravador alemão Gunther Schierz, discípulo de Käthe Kollwitz. Conclui o bacharelado em ciências jurídicas e sociais em 1955. Transfere-se para São Paulo em 1958, onde trabalha em agência de publicidade e também realiza capas de livros para a Companhia Editora Nacional e Livraria Francisco Alves. Com o prêmio de viagem ao exterior, concedido pelo Salão Nacional de Arte Moderna em 1963, viaja para a Europa, no ano seguinte. É convidado a trabalhar na Escola Superior de Arte de Stuttgart, Alemanha, em 1965.  Em 1970, integra o júri de seleção e premiação do Salão Nacional de Arte Moderna, no Rio de Janeiro. Entre 1975 e 1976, viaja para Roma, Londres e Paris, onde torna-se pintor-residente na Fundação Karoly em 1974. Em 1981, muda-se para Belo Horizonte, onde leciona desenho e pintura na Escola Guignard. Em 1995, fixa-se novamente em Curitiba.

Comentário Crítico
A produção de Loio-Pérsio na segunda metade dos anos 1940 enfatiza a técnica do desenho e o trabalho com a linha, sublinhando o contorno de objetos e figuras e apenas sugerindo volumes e planos. O tema geralmente parte de modelos externos, numa chave figurativa, e grande parte dessa produção destina-se à ilustração e à publicidade.

No início da década de 1950, quando retoma o curso de direito anteriomente abandonado, a produção de gravura de Loio-Pérsio toma impulso com a adoção de temas sociais. As primeiras incursões práticas na linguagem abstrata ocorrem em 1957, em pinturas nas quais o artista decompõe figuras e trabalha com manchas de cor, na tentativa de evitar qualquer sugestão de representação. Em exposição realizada na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro em 1958, apresenta trabalhos que ressaltam a elaboração das superfícies, através do emprego de areia, terra, papel, tecidos, cordões, tintas à base de celulose, ceras e resinas. Aprofunda-se a pesquisa na linguagem abstrata, tomando como desafio aliar matéria e cor, sem nenhuma associação figurativa com assuntos ou referência externa. Para a historiadora Vera Regina Vianna Baptista, o que caracteriza a obra de Loio-Pérsio é a composição com ritmo e harmonia estruturados pela linha, o plano e a cor.

Obras 23

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Azul

Técnica mista com emulsão acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição

Óleo sobre tela

Exposições 60

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • A ARTE de Loio-Pérsio. Texto Vera Regina Vianna Baptista, Agnaldo Farias; coordenação editorial Francisco Faria; curadoria Francisco Faria; projeto gráfico Guilherme Zamoner. Curitiba: Cronos : Museu de Arte do Paraná, 1999. 130 p., il. p&b color.
  • AMARAL, Aracy. Arte para quê?: a preocupação social na Arte brasileira 1930-1970: subsídio para uma história social da Arte no Brasil. São Paulo: Nobel, 1984.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • Artes Plásticas/ Genialidade de um turrão. Morre o temperamental Loio-Pérsio, o grande mestre da não-figuração no Brasil. Disponível em: [http://www.clubecorreio.com.br/folhadabahia/noticia_impressao.asp?codigo=77689]. Acesso em: 06 fev 2008. Correio da Bahia
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LOIO-PÉRSIO. A Construção do olhar: desenho & pintura sobre papel. Paraná: Museu de Arte do Paraná, 1996. 38 p., il., figs., foto.
  • LOIO-PÉRSIO. Apresentação de Adriano de Aquino, Roberto Pontual e Walmir Ayala. São Paulo: Paulo Figueiredo Galeria de Arte, 1988.
  • LOIO-PÉRSIO. Loio-Pérsio. Rio de Janeiro: AM Niemeyer Artinteriores, 1986, il. p&b color.
  • LOIO-PÉRSIO. Pinturas recentes. São Paulo: Paulo Figueiredo Galeria de Arte, 1988. il. color., foto p.b.
  • LOIO-PÉRSIO. Pinturas. Curadoria Vera Maurity; texto Roberto Pontual. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1992. [16 p.].
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes Plásticas Brasil 2002. São Paulo: Júlio Louzada, 2002. v. 13. R702.9 L895a v.13
  • No Retrovisor. Disponível em: [http://www.terra.com.br/istoe/1842/artes/1842_no_retrovisor.htm]. Acesso em: 06 fev. 2008. IstoÉ online
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: