Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Emmanuel Nassar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.08.2022
03.01.1949 Brasil / Pará / Capanema

Ares Azuis, 1986
Emmanuel Nassar
Acrílica sobre tela, c.i.e.
100,00 cm x 130,00 cm

Emmanuel da Cunha Nassar (Capanema, Pará, 1949). Pintor, desenhista, fotógrafo. Com afiado senso de humor, Emmanuel Nassar toma a estética popular como ponto de partida para estabelecer diálogos com a arte erudita. 

Texto

Abrir módulo

Emmanuel da Cunha Nassar (Capanema, Pará, 1949). Pintor, desenhista, fotógrafo. Com afiado senso de humor, Emmanuel Nassar toma a estética popular como ponto de partida para estabelecer diálogos com a arte erudita. 

Em 1969, depois de viagem à Europa, o artista decide estudar arquitetura, formando-se pela Universidade Federal do Pará (UFPA) em 1974. Tem experiência também no campo da publicidade. Nas artes plásticas, trabalha inicialmente com acrílica sobre tela e, mais tarde, estuda outras técnicas, como relevo sobre madeira. 

A partir de 1980, atua como professor de educação artística na UFPA. Nessa década, conduz sua produção a partir do diálogo entre duas tradições visuais: a popular, em que cores vibrantes e formas geométricas são trabalhadas como ornamentos para residências, barracos ou vitrines, e a tradição construtiva e geométrica, referência da produção artística erudita brasileira.

Em 1981, cria a obra tridimensional Recepcôr. A partir desse trabalho, passa a realizar pinturas em que representa pequenos mecanismos, contendo eixos, manivelas e placas de cor, incorporando-lhes também objetos comuns, como garrafas. Em alguns quadros, evoca a cultura popular local, como nas cores vibrantes e formas geométricas de casas e barracas de feira. 

O curador e professor de artes visuais da Universidade de São Paulo (USP) Tadeu Chiarelli (1956) nota no trabalho de Nassar um “clima de improviso” na “representação de gambiarras elétricas e/ou linhas que dividem os planos da pintura”. As escolhas de composição configuram uma “alusão irônica” ao rigor de ordenação característico das vertentes construtivistas. 

Em 1985,  participa da exposição O popular como matriz, realizada no Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC/USP). Nesse ano, produz trabalhos com releituras de desenhos e pinturas presentes em bares e banheiros públicos. Também explora o universo do consumo e as imagens recorrentes nos subúrbios de sua cidade natal. 

Se, no início de sua carreira, o artista brinca ainda de descrever ou representar esse limite entre o popular e o erudito, seu trabalho torna-se mais objetivo a partir de 1988. Nassar deixa de pintar somente sobre tela e adota outros materiais, como latão, pedaços de madeira, duratex, garrafas, martelos, bocais de lâmpada e luz néon. Em Gambiarra (1988), o trabalho fica entre a pintura e o objeto.

Em 1989, apresenta a instalação Fachada na 20ª Bienal Internacional de São Paulo. Nela, recria um circo mambembe do interior. Dentro do circo, mostra alguns trabalhos mais próximos do objeto. Em 1993, participa da 45ª Bienal de Veneza. 

Em 1998, realiza a instalação Bandeiras, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) e no Museu Estadual do Pará, na qual distribui 143 bandeiras de municípios paraenses pelas paredes dos museus. O trabalho envolve a participação da população do estado, que envia as bandeiras para o artista.

Em 1999, com a obra Incêndio, recebe o grande prêmio da 6ª Bienal de Cuenca, no Equador. Em 2000, ao realizar fotografias de formas coloridas encontradas no cotidiano popular das cidades paraenses, o artista acaba "revelando" a fonte primeira de suas pinturas anteriores: um olhar fundamentalmente fotográfico, questão que traz mais desafios para sua poética.

Em 2003 é realizada a exposição A poesia da gambiarra no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro e em Brasília, com telas, instalações e fotografias do artista. A curadora Denise Mattar (1948) aponta que Nassar, com um “olhar repleto de humor”, questiona os limites da arte erudita e da arte popular. Tensionando a cultura local com as tendências externas, o artista contrapõe “a sabedoria do povo ao agressivo processo de globalização”. Desse modo, os improvisos em suas diversas formas, “as engenhocas, os gatilhos, as gambiarras e as maquinações” ganham um sentido ético, porque expressam recursos que “driblam a extrema pobreza”.

Emmanuel Nassar retrata a cultura e as cores de seu lugar de origem. Com tom irônico e provocativo, o artista cria um diálogo entre a realidade local e as referências cultas e globais, enquanto destaca a inventividade popular para contornar as restrições econômicas.

 

Obras 21

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Hexa Produções

A Amizade

Acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica Sergio Guerini/Itaú Cultural

A Justiça

Madeira, metal e vidro

Exposições 234

Abrir módulo

Feiras de arte 3

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Emmanuel Nassar - Enciclopédia Itaú Cultural
Emmanuel Nassar considera Recepcôr o trabalho que inaugura seu projeto artístico. Com cores fortes e composta de diversos materiais, como tampa de garrafa, pregos e madeira, a obra surge como “uma espécie de aparelho para receber todas as ideias futuras”, segundo definição do artista, e desencadeia a criação de uma série de pinturas, objetos e procedimentos pautados no conceito da cor primária e com referências à cultura popular. Os limites entre ideias opostas, como arte e não arte, cheio e vazio, precário e o que está em equilíbrio, também permeiam sua criação. Para Nassar, a geometria na arte costuma estar associada a algo rigoroso ou puramente mental. Em seu percurso, ele tenta fugir disso e associar às formas geométricas um toque pessoal e humano. “O que procurei esse tempo todo foi encontrar uma geometria que tivesse a presença do trabalho, a imperfeição das coisas feitas à mão”, comenta.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • AMARAL, Aracy (org.). Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: perfil de um acervo. Texto Aracy Amaral, Sônia Salzstein. São Paulo: Techint Engenharia, 1988. 391 p., il.color.
  • ART Brasil Berlin. In: ARTISTAS brasileiros na 20a. Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. 111 p., il. p&b., color.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp
  • BRASÍLIA: patrimônio cultural da humanidade. Tradução Angela Brant Ribeiro. Rio de Janeiro: Spala, 1988.
  • Currículo atualizado (fev. 2001). Não catalogada
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva. São Paulo: CCBB, 2002. SPccbb 2002/pb
  • GALVÃO, João Cândido. Popular e suburbano. Guia das Artes, São Paulo: Casa Editorial Paulista, v.3, n.13, p.61-62, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • NASSAR, Emmanuel. Bandeiras. Versão em inglês Oswaldo S. Costa; texto Agnaldo Farias, Benedito Nunes. São Paulo: MAM, 1998. [24] p., il. p&b color.
  • NASSAR, Emmanuel. Emmanuel Nassar: XLV Bienal Internacional de Veneza 1993. Tradução Stephen Berg. São Paulo: Galeria Luisa Strina, 1993.
  • NASSAR, Emmanuel. Emmanuel Nassar: art - Brasil - Berlin. Berlin: Galerie Nalepa, 1990.
  • NASSAR, Emmanuel. Pinturas. Brasília: Espaço Cultural de Arte Contemporânea, 1987. folha dobrada, il. p&b color.
  • O POPULAR como matriz. São Paulo: MAC/USP, 1985. 19 p., il. color.
  • SALÃO ARTE PARÁ, 16., 1997, Belém. Arte Pará: Fronteiras. Curadoria Cláudio de La Rocque Leal, Paulo Herkenhoff. Belém: Fundação Romulo Maiorana, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: