Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlos Fajardo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.09.2018
10.09.1941 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfico Eduardo Ortega

Sem Título, 1967
Carlos Fajardo
Grafite, aquarela e goma arábica sobre papel
62,00 cm x 48,00 cm

Carlos Alberto Fajardo (São Paulo, São Paulo, 1941). Artista plástico, professor. A pintura e o desenho, suportes utilizados no início da carreira, mais tarde orientam-se para as questões da escultura e instalação, especificamente a discussão da superfície.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Carlos Alberto Fajardo (São Paulo, São Paulo, 1941). Artista plástico, professor. A pintura e o desenho, suportes utilizados no início da carreira, mais tarde orientam-se para as questões da escultura e instalação, especificamente a discussão da superfície.

Durante a década de 1960, enquanto cursa arquitetura na faculdade Mackenzie, Fajardo tem aulas de desenho com o artista Wesley Duke Lee (1931-2010). Nesse período, estuda também pintura, história da arte e comunicação visual, gravura em metal e litogravura.

Entre 1966 e 1967, ao lado dos artistas como Frederico Nasser (1945), Geraldo de Barros (1923-1998) e José Resende (1945), funda o grupo Rex e a Rex Gallery, em São Paulo, onde organiza eventos e edita o jornal Rex Time. Em 1987, é premiado pelo Ministério da Cultura com bolsa Ivan Serpa (1923-1973) e, em 1989, com bolsa Vitae em 1989.

O interesse pelo ensino de artes inicia-se com a criação do centro de experimentação artística Escola Brasil (1970-1974) com os artistas Luiz Paulo Baravelli (1942), José Resende e Frederico Nasser. Durante os anos 1980 e 1990, a atividade pedagógica expande-se com aulas em seu atelier. A partir de 1998, depois de concluir doutorado em artes com a tese Poéticas Visuais, a Profundidade e a Superfície, torna-se professor no Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), orientando alunos de graduação e pós-graduação.

Está presente em cinco edições da Bienal de São Paulo – 9a (1967), 16a (1981), 19a (1987), 25a (2002) e 29a (2010) – e na Bienal de Veneza de 1978 e 1993. Participa de duas edições do Arte Cidade, a 1a (1994) e a 4a (2002), e da 1a Bienal do Mercosul (1997). Suas obras estão em acervos do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), do Parque da Marina, em Porto Alegre, e da Fundação Demócrito Rocha, em Fortaleza.

Análise

Desde a Escola Brasil, Fajardo estabelece relação própria com sua formação em arte e o ensino: considera que a arte é aprendida, não ensinada. Essa concepção nasce no fazer artístico, cujo processo interessa mais do que o objeto final. A prática artística e as questões do ofício retroalimentam o aprendizado do artista, que desenvolve um discurso com base no próprio repertório. Do mesmo modo, o espectador não precisa ter conhecimento prévio em arte, uma vez que as obras devem ser vivenciadas, não entendidas.

Entre as técnicas que utiliza, o desenho é a que oferece o caminho plástico para o raciocínio visual, a memória do gesto e também a relação entre os materiais – o grafite e o papel. O contraste oferecido pelo encontro de materiais distintos perpassa toda a produção artística de Fajardo.

A corrente estética do minimalismo americano dos anos 1960 interessa-lhe pela questão construtiva e pelo uso de materiais industriais. O interesse pela superfície como propriedade material aparece também na pintura, técnica explorada até o começo dos anos 1980, como a tela Azul (1977), apresentada em 1981 na 16a Bienal de São Paulo. Já os trabalhos em fórmica são desenvolvidos de 1969 até os anos 1990. Neles, o uso do material industrial carrega a superfície de cor, reorganizada em formas que ainda se relacionam com a figuração, como em República do Líbano (1971).

Na emblemática Neutral (1966), Fajardo utiliza material industrial e não participa da produção da obra. Esta peça consiste em um cubo de 40 cm, produzido em acrílico transparente, com outro cubo virtual dentro dele, cujo traçado encontra-se deslocado em relação ao cubo de fora. Vende-se apenas as instruções para a confecção da obra pelo próprio comprador. Há também necessidade de interação do espectador com a obra, porque o cubo interior só é percebido pelo manuseio dela.

Ao longo das décadas, suas obras passam a ocupar espaço de grandes proporções e, como em Neural, sugerem maior proximidade com o espectador. A instalação montada na 25a Bienal de São Paulo (2002) é um bom exemplo. Ela convida o espectador a entrar em um ambiente de vidro, com 7.5m x 6 m de lado e 2,40 m de altura, revestido com uma superfície de metal fino que não permite que as pessoas do lado de dentro vejam o espaço exterior ­– e vice-versa. A entrada é uma espécie de corredor que tangencia a totalidade do espaço. O revestimento também impede a passagem do som. Essas características propiciam ao espectador vivência plena e articulam as relações sobre dentro e fora, propostas pela fisicalidade e presença da obra em seu mapeamento do espaço. A organização espacial na instalação também pressupõe relação de de troca, em termos de aceitação e oposição, para oferecer a experiência vivida pela e com a obra.

Em 2012, o artista cria a instalação No Meio do Vão, com piso e cobertura transparentes em um espaço de convivência do Sesc Belezinho. A profundidade em eixo vertical e a luz ambiente possibilitam que a estrutura instalada pelo artista ­– pórticos que seguram espelhos ­­­– multipliquem os reflexos do público, e que suas sombras apareçam em todas as faces construídas.

Obras 22

Abrir módulo
Registro fotográfico Arnaldo Pappalardo

Sem Título

Cerâmica e chumbo fundido
Registro fotográfico Arnaldo Pappalardo

Sem Título

Aço inoxidável e chumbo fundido
Registro fotográfico autoria desconhecida

Sem Título

Mármore e massa de batom
Registro fotográfico João L. Musa

Ao Cubo

Madeirit e cipó

Debates 1

Abrir módulo

Exposições 219

Abrir módulo

Feiras de arte 3

Abrir módulo

Festivais 3

Abrir módulo

Mesas redondas 1

Abrir módulo

Oficinas 1

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Workshops 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Carlos Fajardo - Enciclopédia Itaú Cultural
“A arte é a sua experiência de vida colocada em algum tipo de meio que seja completamente de usufruto, que não tenha função”, aposta Carlos Fajardo. Na década de 1960, ele estuda arquitetura interessado em aprender a desenhar. Fascinado por Wesley Duke Lee (1931-2010), torna-se seu aluno para analisar seu repertório artístico e desenvolver um discurso próprio – o que permeia, mais tarde, seu próprio método de ensinar. “Aprender a desenhar é experimentar o desenho a partir do efeito. Meu pensamento de ensino é enfatizar o aprendizado. Aprendo, não ensino”, conta Fajardo. Seu trabalho deriva da pintura, na década de 1970, e abandona o suporte tradicional do cavalete. As obras aparecem em grandes escalas, chegando a alcançar seis metros de altura, na tentativa de estabelecer maior cumplicidade com o público: “Para que se afirmem no mundo”, conclui ele.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 28

Abrir módulo
  • AMARANTE, Leonor. Fajardo: instalação conceitual. Galeria: Revista de Arte, São Paulo, n. 11, p. 95-97, 1988.
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • BIENAL de São Paulo. Carlos Fajardo. Palestra para Ação Educativa 31 Bienal de São Paulo. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=bNS2RD5iDso>. Acesso em: 10 ago. 2017.
  • CULTURA e Pensamento. Vídeo Guerrilha – Carlos Fajardo. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=qlK3epqhS1c >. Acesso em: 10 ago. 2017.
  • EDUARDO Sued, Carlos Fajardo: Victor Grippo, Hércules Barsotti, Marco do Valle. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1984. , il. p&b color.
  • FAJARDO, Carlos. Carlos Fajardo. São Paulo: AS Studio, 1997. , il. p&b.
  • FAJARDO, Carlos. Carlos Fajardo. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1989. , il. p&b.
  • FAJARDO, Carlos. Carlos Fajardo. Veneza: Bienal Internacional de Arte, 1993. , il. color.
  • FAJARDO, Carlos. Fajardo. Rio de Janeiro: Espaço ABC, 1984. , il. p&b.
  • FAJARDO, Carlos. Poética da distância. Coordenação Carlos Fajardo, Sônia Salzstein; tradução Thomas William Nerney. São Paulo: Petrobras, 2003. 136 p., il. color.
  • FAJARDO, Carlos. Poéticas visuais: a profundidade e a superfície. 1998. 84p. il. Tese (Doutorado) - Departamento de Artes Plásticas, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1998.
  • FARIAS, Agnaldo. Catálogo da Representação do Brasil na Bienal de Veneza. 1993.
  • LEIRNER, Sheila; WILDER, Gabriela Suzana (Curad.). Em busca da essência: elementos de redução na arte brasileira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1987.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • MAMMÌ, Lorenzo. Carlos Fajardo. Guia das Artes, São Paulo, v. 34, p. 22-27, mar. /abr. 1994.
  • MAMMÌ, Lorenzo. O que resta: arte e crítica de Arte. São Paulo, Companhia das Letras, 2012.
  • MARGS. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2011.
  • MATTOS, Cláudia Valladão de. Entre quadros e esculturas: Wesley e os fundadores da escola Brasil. organização Yanet Aguilera; tradução Douglas V. Smith, Silvio Rosa Filho; ilustração Fábio Miguez, Marcia Pastore; fotografia Eduardo Giannini Ortega. São Paulo, SP: Discurso Editorial, 1997.
  • MOLINA, Camila. Carlos Fajardo questiona a imagem com uso de espelhos. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 19 jun. 2014. Cultura. Disponível em:< http://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,carlos-fajardo-questiona-a-imagem-com-uso-de-espelhos,1514974 >. Acesso em: 10 ago. 2017.
  • NAVES, Rodrigo. Fajardo expõe a solidão da arte contemporânea. Folha de S. Paulo. São Paulo, 02 mar. 1989.
  • PANORAMA da Arte Brasileira, 1995. Curadoria Ivo Mesquita. São Paulo: MAM, 1995. Catálogo de exposição.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • REA, Silvana. Transformatividade: aproximações entre psicanálise e artes plásticas: Renina Katz, Carlos Fajardo, Flávia Ribeiro. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2000.
  • REVISTA Brasileira de Psicanálise. Carlos Farjardo: entrevista. Revista Brasileira de Psicanálise, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 15-27, set. 2008. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2008000300002&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em: 10 ago. 2017.
  • SALZSTEIN, Sônia. Carlos Fajardo: poética da distância. São Paulo: Petrobras Artes Visuais, 2002.
  • SEMANA DE ARTE DE LONDRINA, 4., 1995, Londrina, PR. Arte brasileira: confrontos e contrastes. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 1995.
  • SITE da Escola Comunicação e Artes Universidade de São Paulo. Disponível em: < http://www2.eca.usp.br/cms/index.php?option=com_content&view=article&id=56:carlos-fajardo&catid=14:folios&Itemid=10 >. Acesso em: 10 ago. 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: