Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Lygia Pape

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.07.2021
07.04.1927 Brasil / Rio de Janeiro / Nova Friburgo
03.05.2004 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Roda dos Prazeres, 1968
Lygia Pape
Porcelana, anilinas com sabores e conta-gotas, 4m
Acervo Projeto Lygia Pape, RJ

Lygia Carvalho Pape (Nova Friburgo, Rio de Janeiro, 1927 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004). Gravadora, escultora, pintora, diretora de cinema, designer e docente. Integra dois dos principais movimentos brasileiros de renovação do cânone construtivo europeu. Sua obra é pautada pela liberdade com que experimenta e manipula as diversas lingua...

Texto

Abrir módulo

Lygia Carvalho Pape (Nova Friburgo, Rio de Janeiro, 1927 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004). Gravadora, escultora, pintora, diretora de cinema, designer e docente. Integra dois dos principais movimentos brasileiros de renovação do cânone construtivo europeu. Sua obra é pautada pela liberdade com que experimenta e manipula as diversas linguagens e formatos, incorporando o espectador como agente.

No início dos anos 1950, participa da formação do Grupo Frente com artistas como Ivan Serpa (1923-1973), Hélio Oiticica (1937-1980), Lygia Clark (1920-1988) e o austríaco Franz Weissmann (1911-2005). Nesse período, Lygia Pape trabalha sobretudo no registro da abstração geométrica, elaborando trabalhos com base na articulação de um rigoroso vocabulário concretista, interesses latentes em sua série de pinturas Jogos Vetoriais (1954-1956), que apresentam um jogo dinâmico entre linhas, quadrados e retângulos pintados sobre madeira. Em sua série de relevos Jogos Matemáticos (1954-1956), Pape adota o uso de tinta automotiva sobre madeira, evidenciando percepções de profundidade e cromaticidade de formas regulares ordenadas. 

Única gravadora que integra o grupo Frente, sua série Tecelares (1955-1959), xilogravuras de tiragem única, é composta de rigorosas linhas concretistas, que contrastam com a naturalidade fluida dos veios e poros da madeira que permeiam a construção da forma. Com o domínio da técnica, Pape estabelece relações de ritmo abrindo espaço a fios e superfícies, que se relacionam e criam estruturas ambivalentes, o que já indica uma relação de contraste entre linha e luminosidade que se desenvolve a partir de outros suportes ao longo de sua obra.

Em 1958, Lygia Pape concebe com o poeta Reynaldo Jardim (1926-2011) o Balé Neoconcreto I, apresentado no Teatro Copacabana, materializando o poema “Olho-Alvo” por meio da articulação de sólidos geométricos, cores, movimento, som e luz. No ano seguinte, acentua-se a participação do público em seu trabalho, e a artista publica O Livro da Criação (1959), que alude à gênese do mundo e à postura ativa do participante. O livro é composto de 16 “páginas” quadradas de 30 cm em diversas cores, formas e recortes, que, manuseadas pelo espectador/leitor, saem do plano e constroem-se no espaço, desencadeando sua própria criação. 

No mesmo ano, Pape abandona o Grupo Frente e assina o Manifesto Neoconcreto com Reynaldo Jardim, o poeta Ferreira Gullar (1930-2016), o crítico turco Theon Spanudis (1915-1986), o escultor Amílcar de Castro (1920-2002), Franz Weissmann e Lygia Clark. 

Na década de 1960, Lygia Pape colabora com o cinema novo, fazendo a programação visual e cartazes de filmes como Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha (1939-1981), e Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos (1928-2018). Inicia sua produção como diretora de cinema, realizando diversos filmes entre 1967 e 1976. 

Pape intensifica a experimentação sensorial e participativa por meio de obras como Ovo (1967), em que cubos de madeira são envolvidos em papel ou plástico colorido, muito fino, que deve ser rompido pelas pessoas para que tenham a sensação de nascimento; Divisor (1968), trabalho em que uma multidão preenche um pano de 20 x 20 m, colocando a cabeça nas várias aberturas existentes; e Roda dos Prazeres (1968), na qual são oferecidos ao público líquidos com sabores diversos relacionados a cores diferentes. 

As obras conhecidas pelo nome de Ttéia adotam diversas concretizações de 1977 até 2000. São instalações construídas pela disposição geométrica de fios tensionados verticalmente, que delineiam volumes e riscam linhas quase invisíveis, produzindo um forte impacto pela discreta delicadeza de sua disposição no ambiente. Conforme o deslocamento do espectador e da materialidade do fio (cobre, prata ou nylon transparente), os reflexos da luz variante capturam, ocupam e reinventam os espaços existentes. 

Sua instalação Ttéia 1C (2002) consiste em 13 colunas de fios geometricamente instalados do teto ao chão, compostos de 5.542 metros de fios e de 1.848 pregos de latão. O trabalho integra a exposição Making Worlds, da 53ª Bienal de Veneza, onde recebe menção honrosa e, desde 2012, pertence ao Instituto Inhotim, integrando a Galeria Lygia Pape, um pavilhão que ocupa uma área de 441 m2 dedicados à obra da artista. 

Bacharel em filosofia e voltada para as discussões vinculadas à cultura e as identidades nacionais, Pape torna-se mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com a dissertação Catiti catiti na terra dos brasis (1980). Leciona no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ) de 1968 a 1970; na Escola de Artes Visuais do Parque Lage de 1976 a 1977; na Faculdade de Arquitetura Santa Úrsula de 1973 a 1989; e na Escola de Belas Artes da UFRJ de 1982 a 2004. 

Em 2004, é fundada a Associação Cultural Projeto Lygia Pape, idealizada pela própria artista e dirigida por sua filha, a fotógrafa Paula Pape (1958). Em sua trajetória destaca-se a retrospectiva Espaços Imantados (2011/2012), apresentada no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madri, na Serpentine Gallery, em Londres, e na Pinacoteca de São Paulo.

Marcada pela experimentação e pela mutação, a obra de Lygia Pape propõe uma integração das esferas estética, ética e política, que fazem dela uma das mais importantes artistas brasileiras da contemporaneidade.

Obras 16

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Balé Neoconcreto I

Formas de madeira cobertas com pano pintado
Reprodução Fotográfica autoria desconhecida

Caixa de Baratas

Acrílico, baratas e espelho
Reprodução Fotográfica Ricardo Irineu/Itaú Cultural

Composição

Xilogravura

Exposições 364

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 29

Abrir módulo
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil - Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner).
  • AMARAL, Aracy (org.). Projeto Construtivo Brasileiro na arte (1950-1962). Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna; São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 1977.
  • BARROS, Né. Da materialidade na dança. Porto: Centro de Estudos Arnaldo Araújo, 2009.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo - eventos especiais. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 2.
  • BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. 2. ed. São Paulo: Cosac & Naify, 1999. (Espaço da arte brasileira).
  • COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro: Funarte, Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1987.
  • COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Lygia Pape: entre o olho e o espírito. Porto: Mímesis, 2004.
  • CYPRIANO, Fábio. A biblioteca de Lygia Pape. Folha de São Paulo, São Paulo, 2000. Caderno Ilustrada.
  • DOCTORS, Márcio. Lygia Pape. Galeria: Revista de Arte, São Paulo, n. 16, 1989, p. 137-138.
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Arte Brasileira Contemporânea: um prelúdio. Rio de Janeiro: Silvia Roesler Edições de Arte, 2008. PUCU, Izabela (Org.). Imediações: a crítica de Wilson Coutinho. Rio de Janeiro: Funarte, 2008. (Projeto Conexão Artes Visuais).
  • DUARTE, Ronald. Entrevista: Quem me ensinou a usar o estômago. Dossiê 'arte não se ensina': Lygia Pape. Concinnitas (online), Rio de Janeiro, v. 1, n. 28, p. 49-54, set. 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/25865/18436.
  • ENTRE o desenho e a escultura. Apresentação Cacilda Teixeira da Costa e Milú Villela; tradução Alberto Dwek, Noemi Jaffe; texto de Lisette Lagnado. São Paulo: MAM, 1995. 32p. il. color.
  • FELIX, Nelson. Entrevista: Despertar fagulhas como gatilhos poéticos. Dossiê 'arte não se ensina': Lygia Pape. Concinnitas (online), Rio de Janeiro, v. 1, n. 28, p. 44-48, set. 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/25863/18645. Acesso em: 11 set. 2020
  • GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Tendências construtivas no acervo do MAC USP: construção, medida e proporção. Curadoria Daisy V. M. Peccinini de Alvarado. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1996. Exposição realizada no período de 01 ago. a 29 set. 1996.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • KOSSOVITCH, Leon & LAUDANNA, Mayra. Gravura no Século XX. In: GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. p. 3-34.
  • LOPES, Fernanda. Área Experimental: Lugar, Espaço e Dimensões do Experimental na Arte Brasileira dos anos 1970. São Paulo: Prestígio Editorial, 2013.
  • LYGIA Pape. Comentário Luís Pimentel, Lygia Pape, Mário Pedrosa. Rio de Janeiro: Funarte, 1983. 48p. il. (Arte brasileira contemporânea).
  • MACHADO, Vanessa Rosa. Lygia Pape: espaços de ruptura. 2008. 219 p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18142/tde-19082008-135305/publico/LygiaPape_MachadoVR_2008.pdf. Acesso em: 11 set. 2020
  • MANUEL, Antonio. Entrevista: A liberdade precisa ser conquistada. Dossiê 'arte não se ensina': Lygia Pape. Concinnitas (online), Rio de Janeiro, v. 1, n. 28, p. 35-43, set. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/987326569/Downloads/25862-82651-1-PB.pdf. Acesso em: 11 set. 2020
  • MARTINS, Maria Clara Amado. As fronteiras culturais nas artes visuais. A obra de Lygia Pape. Revista Interfaces (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 1, p. 62-74, jul.-dez. 2014. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/interfaces/article/viewFile/29783/16785. Acesso em: 11 set. 2020
  • MARTINS, Maria Clara Amado; TRANJAN, C. Lygia Pape e a união entre a arte e o design: a marca Piraquê. In: GRAPHICA 2013 – XXI SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMETRIA DESCRITIVA E DESENHO TÉCNICO, 2013, Florianópolis. Expressão Gráfica – Tecnologia e Arte para Inovação – Graphica 2013. Florianópolis: CCE - UFSC, 2013, v. 1, p. 1-10.
  • MATTAR, Denise. Lygia Pape: Intrinsecamente Anarquista. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.
  • MILLIET, Maria Alice. Tendências construtivas e os limites da linguagem plástica. In: MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Organização Nelson Aguilar; coordenação Suzanna Sassoun; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MOREIRA, Maria. Entrevista: Uma pequena colina, construa algo no topo. Dossiê 'arte não se ensina': Lygia Pape. Concinnitas (online), Rio de Janeiro, v. 1, n. 28, p. 58-60, set. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/987326569/Downloads/25867-81892-1-PB.pdf.
  • ORTEGA, Sheila Christina. Lygia Pape, indigenismo e engajamento. Dissertação (Mestrado) – Universidade Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2004.
  • PAPE, Lygia. Gávea de Tocaia. Texto Mário Pedrosa, Guy Brett, Hélio Oiticica; versão em inglês Esther Steams d'Utra e Silva, Stephen Berg. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. 333 p., il. color.
  • PAPE, Lygia. Lygia Pape. Entrevista Lúcia Carneiro, Ileana Pradilla. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998. 81 p. (Palavra do artista).
  • PAPE, Lygia. Lygia Pape. Texto de Paulo Herkenhoff. São Paulo: Galeria Camargo Vilaça, 1995. 31p.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: