Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Adriano de Aquino

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.03.2017
05.12.1946 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Reprodução fotográfica Rômulo Fialdini

Sem Título, 1980
Adriano de Aquino
Acrílica sobre algodão
100,00 cm x 200,00 cm

Adriano de Aquino (Belo Horizonte MG 1946). Pintor, videomaker. Desde 1949, reside no Rio de Janeiro. Inicia-se como autodidata em pintura, em 1961. Entre 1963 e 1964, freqüenta o ateliê de gravura da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, como aluno livre. Recebe bolsa de estudo do governo francês, por sua participação na mostra 12 Desenhistas ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Adriano de Aquino (Belo Horizonte MG 1946). Pintor, videomaker. Desde 1949, reside no Rio de Janeiro. Inicia-se como autodidata em pintura, em 1961. Entre 1963 e 1964, freqüenta o ateliê de gravura da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, como aluno livre. Recebe bolsa de estudo do governo francês, por sua participação na mostra 12 Desenhistas do Rio, e viaja para Paris, onde permanece entre 1973 e 1976. Retornando ao Brasil, participa, entre outras, da exposição Geometria Sensível, realizada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ, em 1978. Posteriormente, ocupa os cargos de coordenador de artes visuais da Fundação de Arte do Estado do Rio de Janeiro - Funarj, entre 1982 e 1986; de superintendente dos museus da Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro, entre 1990 e 1994; e de secretário de Estado da Cultura do Rio de Janeiro, entre 1999 e 2001.

Análise

No início da carreira, Aquino identifica-se com algumas propostas do neoconcretismo brasileiro e explora, em suas obras, as possibilidades da cor e do plano. No início dos anos 1970, emprega uma paleta restrita, constituída principalmente de preto e cinza. Posteriormente, passa a utilizar tonalidades mais variadas e intensas, explorando vibrações cromáticas obtidas por meio de pinceladas mais livres. No fim da década de 1980, seus trabalhos passam a conter figuras geométricas. Em sua obra, verificam-se fases marcadas por tons predominantes, como azul-violeta ou vermelho. Por meio das cores, que sugerem sentimentos ou estados psíquicos, o artista procura associar a expressividade ao rigor da geometria.

Obras 10

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Rômulo Fialdini

Azul sobre Preto

Acrílica sobre algodão
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Acrílica sobre algodão

Exposições 69

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 20

Abrir módulo
  • 3 x 4 Grandes Formatos. Rio de Janeiro : Centro Empresarial Rio, 1983. Não catalogado
  • A FLOR da Pele: Pintura e Prazer. Rio de Janeiro : Centro Empresarial Rio, 1983. Não catalogado
  • ACERVO Banco Chase Manhattan. Rio de Janeiro: Index, 1989. 119 p., il. color.
  • ACERVO Banco Chase Manhattan. Rio de Janeiro: Index, 1989. 119 p., il. color. ISBN 85-7083-028-9. 708.98161 B213bcm
  • AQUINO, Adriano de. Adriano de Aquino: pinturas recentes. Rio de Janeiro: Centro Cultural do Banco do Brasil, 1992. il. color.
  • AQUINO, Adriano de. Adriano de Aquino: série negra. São Paulo: Montesanti Galleria, 1988. il. color., foto p.b.
  • ARTE Construção: 21 Artistas Contemporâneos. Rio de Janeiro, RJ: Centro Empresarial Rio, 1985. Não catalogado
  • ARTE brasileira do modernismo à contemporaneidade vista através do acervo da Sul América. Edição RJ/Sul América. Rio de Janeiro. 156 p., il. color. 709.8104 S949a
  • ARTE brasileira do modernismo à contemporaneidade vista através do acervo da Sul América. Rio de Janeiro: Sul América, 1985. 156 p., il. color.
  • LEIRNER, Sheila; WILDER, Gabriela Suzana (Curad.). Em busca da essência: elementos de redução na arte brasileira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1987.
  • LEIRNER, Sheila; WILDER, Gabriela Suzana (Curad.). Em busca da essência: elementos de redução na arte brasileira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1987. SPfb 1987
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • OPINIÃO 65. Curadoria e apresentação Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1985. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro).
  • OPINIÃO 65. Curadoria e apresentação Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1985. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro). RJbanerj 1985/o
  • OPINIÃO 65: 30 anos. Curadoria e texto Wilson Coutinho, Cristina Aragão; versão em inglês Odila Stevenson, Carolyn Brisset, Hugo Moss. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1995.
  • OPINIÃO 65: 30 anos. Curadoria e texto Wilson Coutinho, Cristina Aragão; versão em inglês Odila Stevenson, Carolyn Brisset, Hugo Moss. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1995. RJccbb 1995/op
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673 v.2

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: