Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Raimundo de Oliveira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.03.2022
24.04.1930 Brasil / Bahia / Feira de Santana
18.01.1966 Brasil / Bahia / Salvador
Raimundo Falcão de Oliveira (Feira de Santana, Bahia, 1930 – Salvador, Bahia,1966). Gravador, pintor, desenhista. Dialogando com referências estéticas locais, Raimundo de Oliveira retrata cenas bíblicas, propondo a articulação entre os temas nacional e universal. 

Texto

Abrir módulo

Raimundo Falcão de Oliveira (Feira de Santana, Bahia, 1930 – Salvador, Bahia,1966). Gravador, pintor, desenhista. Dialogando com referências estéticas locais, Raimundo de Oliveira retrata cenas bíblicas, propondo a articulação entre os temas nacional e universal. 

Inicia-se nas artes por intermédio da mãe, pintora de temática religiosa, que o encaminha para a pintura e o orienta na religião. Esse ponto de partida é determinante na trajetória artística de Raimundo de Oliveira, já que a representação de santos e cenas bíblicas constitui o eixo central de seus desenhos, guaches e gravuras. 

Incentivado pela professora de desenho, expõe pela primeira vez no Ginásio Santanópolis, em Feira de Santana, onde retrata os professores da escola. Após a conclusão do curso ginasial, em 1947, segue para Salvador, onde frequenta cursos regulares de pintura com Maria Célia Amado Calmon (1921-1988), na Escola de Belas Artes da Universidade da Bahia, e conhece Mario Cravo Júnior (1923-2018) e Jenner Augusto (1924-2003). Realiza a primeira mostra individual no hall da Prefeitura de Feira de Santana, em 1951, momento em que se liga a um grupo de artistas independentes, responsável pelos Cadernos da Bahia. 

Conforme recorte estético proposto pelos críticos, a primeira fase da produção de Oliveira é caracterizada pelo predomínio de composições com cores sombrias e caráter expressionista. Nos trabalhos realizados na década de 1950 e começo dos anos de 1960, as figuras são marcadas por traços dolorosos e dramáticos, definidas com nanquim e contornos negros, como Cabeça de Cristo (1957) Crucificado (s.d.) e Moisés (1960).  É possível notar algumas afinidades com a pintura do francês Georges Rouault (1871-1958). Ao longo dessa primeira fase, o artista transfere-se para  São Paulo em 1958 e, em 1964, retorna à Bahia. 

Em trabalhos da década de 1960, as articulações, por um lado, entre erudito e popular e, por outro lado, entre universal e nacional são estabelecidas por meio de elementos retirados da paisagem nacional, como árvores e animais tropicais. O procedimento pode ser observado em quadros como Jesus no horto das oliveiras (1962) e Chegada em Jerusalém (1964). Entre 1965 e 1966, vive no Rio de Janeiro. Na segunda fase de sua produção artística, as telas aproximam-se dos pequenos enredos, elaborados com o auxílio de figuras diminuídas – mais humorísticas que trágicas, pelas deformações e desproporções –, que se repetem por causa das situações em que estão representadas. Estruturadas geometricamente, por um equilíbrio de planos horizontais e verticais, as novas telas possuem dinamismo particular, obtido pelos espaços construídos com base em círculos. 

A energia das cores vibrantes e o dinamismo da tela são as marcas dessa fase e podem ser notadas em O sonho de Jacob (s.d.). Além das influências simbolistas e da arte naïf do pintor francês Henri Rousseau (1844-1910), são perceptíveis ecos da estética popular nordestina brasileira, porque os enredos e os modos de figuração remetem à arte dos gravadores e ceramistas da região. Dessa forma, o universo religioso é lido pela ótica das festas e da religiosidade popular, misturando-se frequentemente ao mundo profano – procissões, bumba meu boi, altares domésticos.

Em 1966, ano de seu suicídio, é editada a Pequena Bíblia de Raimundo de Oliveira. Xilogravuras, pela Galeria Bonino e Petite Galerie, organizada por Julio Pacello (1977), com prefácio de Jorge Amado (1912-2001). Em 1982, é publicado o segundo álbum do artista, Via crucis, pela Fundação Cultural do Estado da Bahia, e é inaugurada a Galeria Raimundo de Oliveira, em Salvador

Transitando entre representações sombrias e abordagens distorcidas, com sugestões humorísticas, Raimundo de Oliveira retrata o universo religioso cristão sem deixar de estabelecer uma relação com a cultura nacional. Desse modo, cenas bíblicas passam por uma releitura e são retratadas com as cores e os contornos das práticas populares brasileiras.

Exposições 106

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • ACERVO Studio José Duarte de Aguiar e Ricardo Camargo. São Paulo: Studio José Duarte de Aguiar e Ricardo Camargo, 1985. 1 folha dobrada, 3 il. color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • KLINTOWITZ, Jacob. Coleção Aldo Franco. Design Victor Burton, Adriana Moreno, Miriam Lerner; versão em inglês Carolyn Brisset; projeto gráfico Walney de Almeida; produção gráfica Amauri Isidoro; apresentação José Mindlin. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 2000. 302 p., il. color. (Coleções).
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MILLIET, Maria Alice (org.). Coleção Nemirovsky. Texto Maria Alice Milliet, Dalton Sala, Tadeu Chiarelli, Sônia Salzstein, Ivo Mesquita, Almerinda da Silva Lopes, Maria do Carmo Branco Ribeiro; projeto gráfico Maína Junqueira; fotografia Romulo Fialdini; pesquisa Aida Marques Cordeiro. São Paulo: MAM : Fundação José e Paulina Nemirovsky, 2003. 328 p., il. p&b color.
  • OLIVEIRA, Raimundo de. A Via crucis de Raimundo de Oliveira. Apresentacao Antonio Carlos Magalhães; comentário Eduardo Portella, James Amado, Jayme Maurício, Juraci Dórea, Wilson Rocha, Jorge Amado, Edivaldo Boaventura. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1982. 166p. il. p.b. color.
  • OLIVEIRA, Raimundo de. Pequena bíblia de Raimundo de Oliveira: xilogravuras. Prefácio Jorge Amado. São Paulo: Lia Cesar, 1966. 10 lâms. color.
  • OLIVEIRA, Raimundo de. Pinturas de Raimundo de Oliveira. Sao Paulo: Galeria de Arte Ipanema, 1979. 1 folha dobrada, il. color.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: