Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Manabu Mabe

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.05.2022
14.09.1924 Japão / Kyushu / Kumamoto
22.09.1997 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição, 1953
Manabu Mabe
Óleo sobre tela, c.i.d.
92,00 cm x 73,00 cm

Manabu Mabe (Kumamoto, Japão 1924 – São Paulo, São Paulo, 1997). Pintor, gravador, ilustrador. As pinturas de Manabu Mabe são caracterizadas sobretudo pela gestualidade, pelo trabalho com manchas de grande expressividade e pelo apuro no uso das cores. 

Texto

Abrir módulo

Manabu Mabe (Kumamoto, Japão 1924 – São Paulo, São Paulo, 1997). Pintor, gravador, ilustrador. As pinturas de Manabu Mabe são caracterizadas sobretudo pela gestualidade, pelo trabalho com manchas de grande expressividade e pelo apuro no uso das cores. 

De Kobe, Japão, emigra com a família para o Brasil em 1934, para se dedicar ao trabalho na lavoura de café no interior do estado de São Paulo. Interessado em pintura, começa a pesquisar sobre o tema, como autodidata, em revistas japonesas e livros sobre arte.

Em 1941, na cidade de Lins, dedica-se aos desenhos com crayon e aquarelas, apenas nos domingos e nos dias de chuva – quando não pode trabalhar na lavoura. Em 1945, adquire as primeiras tintas a óleo, aprende a diluí-las e a preparar a tela com o pintor e fotógrafo Teisuke Kumasaka (1901-1987). Nesse período, utiliza como suporte para as pinturas o papelão ou a madeira

Em 1947, em viagem a São Paulo, conhece o pintor Tomoo Handa (1906 -1996), que o incentiva a ter a natureza como fonte de inspiração. No ano seguinte, estuda com o pintor Yoshiya Takaoka (1908 -1978), que lhe transmite ensinamentos técnicos e teóricos sobre pintura. Nesse período,  integra o Grupo Seibi e participa das reuniões de estudos do Grupo 15, com Yoshiya Takaoka, Shigeto Tanaka (1910-1970) e Tomoo Handa. Dedica-se ao estudo do nu artístico, pinta paisagens e naturezas-mortas, inicialmente com estilo mais conservador, mas progressivamente se aproxima do impressionismo e do fauvismo.

Na 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, entra em contato com obras de artistas da Escola de Paris, como Jean Claude Aujame (1905-1965), André Minaux (1923-1986), André Marchand (1907-1997) e Bernard Lorjou (1908-1986). Essa experiência, segundo o artista, modifica sua forma de pensar e sua atitude perante a pintura. Nessa década, participa das exposições organizadas pelo Grupo Guanabara.

No começo dos anos 1950, apresenta em suas telas formas geometrizadas, aproximando-se do cubismo, e figuras contornadas por grossos traços negros, Gradualmente, adere à abstração e, em 1955, pinta sua primeira obra abstrata Vibração-Momentânea.  A produção do artista passa a dialogar com a obra do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973) e a de Candido Portinari (1903-1962), por quem manifesta forte admiração, como podemos observar em Carregadores (1953) ou Colheita de café (1956).

Em 1957, vende seu cafezal em Lins e se muda para São Paulo para se dedicar exclusivamente à pintura.  Recebe, em 1959, o Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, com as pinturas abstratas Grito e Vitorioso, ambas realizadas em 1958. As obras aludem ao sentimento de alegria do artista pelo convite para participação no evento. Vitorioso é também uma homenagem à atuação de Pelé na Copa do Mundo do ano anterior.

Em 1959, participa da 5ª Bienal Internacional de São Paulo, com as obras Composição móvel, Pedaço de luz e Espaço branco, todas daquele ano, e recebe o prêmio de Melhor Pintor Nacional. As pinturas se destacam pelas grandes manchas cromáticas, executadas em gestos rápidos e largos, nos quais se percebe o equilíbrio entre a espontaneidade e a contenção. Nessas telas, encontramos referências à tradicional arte da caligrafia japonesa

Em 1959, consagra-se nacional e internacionalmente: é premiado na 1ª Bienal dos Jovens de Paris; a revista Time dedica-lhe um artigo, intitulado The year of Manabu Mabe [O ano de Manabu Mabe]; e, no ano seguinte, é premiado na 30ª Bienal de Veneza. Torna-se assim um dos artistas mais destacados do abstracionismo informal brasileiro.

No início de sua trajetória no campo da abstração, explora o empastamento, a textura e o traço e se revela um colorista de porte. Ao se voltar para o universo das formas caligráficas, percebe também as possibilidades de criar uma linguagem lírica com a cor. Em meados da década de 1960, depois de uma viagem de oito meses pela Europa, começa a se aproximar de certos aspectos do tachismo.

Os títulos de suas obras costumam evocar emoções ou fenômenos da natureza, como Canção melancólica (1960), Primavera (1965), Vento de Equador (1969), Outono tardio (1973), Meus sonhos (1978) ou Viver (1989). A partir da década de 1970, cristaliza seus procedimentos anteriores – que reaparecem de forma estilizada em quase toda sua produção –, incorpora em seus quadros figuras humanas e formas de animais, apenas insinuadas ou sugeridas, mas representadas em grandes dimensões. Paralelamente, as grandes massas transparentes e etéreas com que trabalha adquirem um aspecto de solidez.

Nos anos 1980 pinta um painel para a Pan American Union em Washington, Estados Unidos; ilustra O livro de hai-kais – com tradução de Olga Salvary e edição de Massao Ohno e Roswitha Kempf – e elabora a cortina de fundo do Teatro Provincial, em Kumamoto, Japão. 

Manabu Mabe explora o uso das cores e as texturas em suas telas. Com contornos alusivos e um traçado ao mesmo tempo espontâneo e controlado, aproxima-se do abstracionismo, retratando também referências às formas da caligrafia japonesa.

Obras 64

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Fome

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Agonia

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Alegria do Mar

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Auto-Retrato

Óleo sobre cartão

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 411

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 19

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Rio de Janeiro: Spala, 1992. 2v. R759.981 A973d v.2
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • KLINTOWITZ, Jacob. Coleção Aldo Franco. Versão em inglês Carolyn Brisset; apresentação José Mindlin. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 2000. 302 p. , il. color. (Coleções).
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LOURENÇO, Maria Cecília França. Vida e arte dos japoneses no Brasil: 80 anos da imigração japonesa no Brasil. Apresentação Fujio Tachibana, Pietro Maria Bardi; texto Tomoo Handa, Teiiti Suzuki; tradução Antonio Nojiki. São Paulo: MASP, 1988. 110 p. , il. color.
  • MABE, Manabu. 50 anos de pintura. São Paulo: Galeria de Arte André, 1995. [24] p. , il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe at Kouros. New York: Kouros Gallery, 1983. 14 p. , il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe. São Paulo: Club Athlético Paulistano, 2000. [8] p. , il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe. Tradução France Knox, Kenneth Payne; texto Jayme Maurício. Rio de Janeiro: Realidade Galeria, 1984. [32] p. , il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe: obras recentes: 1973-1986. São Paulo: MASP, 1986. il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe:obras recentes. São Paulo: Galeria de Arte André, 1983. 40 p. , 33 il. color.
  • MABE, Manabu. Manabu Mabe:retrospectiva. São Paulo: MASP, 1975. [39] p. , il. color.
  • MANABU Mabe: vida e obra. Tradução Takehiko Nakazone, Andrew Alexander Reid, Emy Mizumoto Ono, Mitsuko Kawai, Sandra Mayumi Murayama. São Paulo: Raízes, 1986.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso, Maria Alice Milliet; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais/ Fundação Bienal de São Paulo, 2000.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, São Paulo, SP. Mostra do Redescobrimento: Brasil 500 anos. Curadoria Nelson Aguilar, Maria Cristina Mineiro Scatamacchia, Eduardo Góes Neves, Cristiana Barreto, Lúcia Hussak Van Velthem, José António Braga Fernandes Dias, Luiz Donisete Benzi Grupioni, Regina Pólo Miller, Emanoel Araújo, Maria Lúcia Montes, Carlos Eugênio Marcondes de Moura, François Neyt, Catherine Vanderhaeghe, Kabengele Munanga, Marta Heloísa Leuba Salum, Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo, Frederico Pernambucano de Mello, Nise da Silveira, Luiz Carlos Mello, Franklin Espath Pedroso, Maria Alice Milliet, Glória Ferreira, Jean Galard, Pedro Corrêa do Lago; apresentação Fernando Henrique Cardoso, Luiz Felipe Palmeira Lampreia, Francisco Weffort, Rafael Greca de Macedo, Marcos Maciel, Edemar Cid Ferreira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2000.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: