Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Hans Grudzinski

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.09.2020
1921
1986 Brasil / São Paulo / Mauá
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Pelada, 1982
Hans Grudzinski
Gravura em metal

Hans Grudzinski (Novi Vrbas, Iugoslávia, atual Sérvia 1921 - Mauá SP 1986). Gravador, desenhista, pintor e arquiteto. Forma-se arquiteto em 1940. Em 1947, transfere-se para o Brasil, fixando-se em Mauá, São Paulo. Entre 1954 e 1956, estuda pintura na Associação Paulista de Belas Artes, e em 1959 cursa artes gráficas, na Fundação Armando Álvares ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Hans Grudzinski (Novi Vrbas, Iugoslávia, atual Sérvia 1921 - Mauá SP 1986). Gravador, desenhista, pintor e arquiteto. Forma-se arquiteto em 1940. Em 1947, transfere-se para o Brasil, fixando-se em Mauá, São Paulo. Entre 1954 e 1956, estuda pintura na Associação Paulista de Belas Artes, e em 1959 cursa artes gráficas, na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). No mesmo ano, é orientado pelo gravador Lívio Abramo (1903-1992) no Estúdio Gravura, em São Paulo, onde participa de uma coletiva em 1961. Em 1963, expõe na 1ª Bienal Americana de Gravura, em Santiago, Chile. Em 1966, é agraciado com medalha de ouro no 2º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti (MACC). Obtém prêmio no Salão Paulista de Arte Moderna e participa da 9ª Bienal de São Paulo, em 1967. No ano seguinte, conquista medalha de prata em artes gráficas, no Salão de Arte Contemporânea de São Caetano do Sul, São Paulo. Ganha prêmio Conselho Estadual de Cultura do 1º Salão Paulista de Arte Contemporânea, em 1969. Em 1970, é premiado pelo conjunto da obra no Salão de Arte Brasileira Religiosa de Londrina, Paraná. Em São Paulo, expõe em individuais nas galerias São Luís, em 1963 e 1965, e Documenta, em 1970, 1980 e 1983. Apresenta ainda trabalhos no Panorama de Arte Atual Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), em várias ocasiões, entre 1969 e 1980, quando é premiado na 4ª Mostra Anual de Gravura, no Museu da Gravura , Curitiba, Paraná. Entre 1947 e 1967, trabalha em uma fábrica de porcelanas, em Mauá, São Paulo.

Comentário crítico
A produção gráfica de Hans Grudzinski deteve-se principalmente na gravura em metal, tendo trabalhado especialmente com as técnicas da água-tinta, água-forte e ponta-seca. Inicia-se no estudo da gravura com Lívio Abramo (1903-1992), em 1959, recém-chegado de um período de estudo no ateliê do gravador inglês Stanley William Hayter (1901-1988), com quem se aperfeiçoara na incisão sobre metal.

Na década de 1960, Grudzinski recebe prêmios em diversas exposições, confirmando o reconhecimento de sua qualidade como gravador. Desse período é As Lenhadoras (1966), gravura em metal colorida. O artista resolve as figuras de maneira geometrizante, sendo que a personagem do canto esquerdo beira a abstração - é possível compreendê-la, no contexto da obra, por justaposição às duas outras, estas nitidamente figuras femininas. Grudzinski trabalha com múltiplas linhas paralelas em diversas direções, tanto para compor as figuras, como o fundo, misturando ambos por conta dessa utilização do mesmo procedimento na fatura.

De fins da década de 1970, é Flor, Árvore e Floresta (1979), outra gravura em metal, porém, desta vez, feita de duas impressões de diferentes chapas que compõem juntas a imagem. Nela manchas de cor, criadas pela técnica de água-tinta, delimitam áreas irregulares e criam uma sensação de profundidade.

Nos anos 1980, o trabalho de Grudzinski transforma-se significativamente quando passa a utilizar certa luminosidade que remete às gravuras de Rembrandt (1606-1669). É essa luz que guia o olhar do espectador em Procissão no Interior (1983), de maneira narrativa, como que contando a história dos fiéis que chegam à cidade. O artista faz uso ainda de certos relevos e da cor, esta presente apenas em algumas edificações da cena. Em São Paulo (1980), a luz foca tanto a multidão, que se espalha pela parte inferior da tela, em perspectiva, como volumes redondos na parte superior que aparecem, às vezes, entrecortados por barras verticais retas e diagonais. Outros volumes de formas geométricas diversas também flutuam nesse espaço criado pelo gravador. Articulando manchas, o tracejado firme e incisivo e o uso de tons de marrom, Grudzinski produz um clima misterioso nessa estampa bastante inusitada, tanto no que diz respeito ao tratamento do tema, como pela organização da composição.

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Pelada

Gravura em metal

Exposições 84

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GRUDZINSKI, Hans S. Hans Grudzinski: gravuras (folheto). Texto de Armindo Trevisan. São Paulo, Documenta, nov. 1980.
  • GRUDZINSKI, Hans S. Hans Grudzinski: gravuras (folheto). Textos de Armindo Trevisan, Ivo Zanini e Jacob Klintowitz. São Paulo, Documenta, nov. 1983.
  • GRUDZINSKI, Hans. Aprendendo com o artista:a gravura de Grudzinski. São Bernardo do Campo: Núcleo Henfil de Ação Cultural, 1990. il. color.
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1985: seu mercado, seus leilões. São Paulo: J. Louzada, 1984. v. 1.
  • OS COLECIONADORES - Guita e José Mindlin:matrizes e gravuras. Curadoria Jacob Klintowitz; apresentação Horacio Lafer Piva, Jaime A. Greene; texto José Mindlin, Jacob Klintowitz. São Paulo: 1998. [64] p. , il. color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: