Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Aluísio Carvão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.07.2022
24.01.1920 Brasil / Pará / Belém
15.11.2001 Brasil / Minas Gerais / Poços de Caldas
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Cromática, 1960
Aluísio Carvão
Óleo sobre tela
72,50 cm x 106,00 cm

Aluísio Carvão (Belém, Pará, 1920 – Poços de Caldas, Minas Gerais, 2001). Pintor, escultor, ilustrador, ator, cenógrafo, professor. As cores assumem força expressiva na obra de Aluísio Carvão, que também pesquisa as potencialidades das formas geométricas.

Texto

Abrir módulo

Aluísio Carvão (Belém, Pará, 1920 – Poços de Caldas, Minas Gerais, 2001). Pintor, escultor, ilustrador, ator, cenógrafo, professor. As cores assumem força expressiva na obra de Aluísio Carvão, que também pesquisa as potencialidades das formas geométricas.

Inicia a atividade artística no Pará como ilustrador, escultor e cenógrafo.  Em 1946, realiza a primeira exposição individual no Amapá. No início da carreira, suas pinturas retratam em geral paisagens, indicando ressonâncias do impressionismo.  

Em 1949 é contemplado pelo Ministério de Educação e Cultura (MEC) com uma bolsa destinada a professores de artes e se muda para o Rio de Janeiro. Em 1952, ingressa no curso livre de pintura de Ivan Serpa (1923-1973), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). Ao longo dessa década, nota-se transformações em sua pintura, que abandona a representação figurativa do real e explora "estruturas reduzidas ao mínimo, rigorosas na sua geometria linear e concentradas em contrastes binários de ritmos puramente óticos"1.

De 1953 a 1956, faz parte do Grupo Frente e participa das principais exposições coletivas ligadas ao concretismo brasileiro. Em 1959, assina o Manifesto neoconcreto, escrito por Ferreira Gullar (1930-2016), com artistas como Amilcar de Castro (1920-2002), Franz Weissmann (1911-2005) e Lygia Clark (1920-1988).

Entre 1957 e 1959, substitui Ivan Serpa nos cursos do MAM. Em 1958, a exposição individual realizada na Galeria de Artes das Folhas, em São Paulo, inicia a fase com trabalhos que exploram o movimento de formas geométricas, destacando-se o aspecto ótico, como em Ritmo-Centrípeto-Centrifugal (1958) e Clarovermelho (1959), obras com formas vazadas e ritmos lineares e espirais.

A série Cromáticas (1957-1960), produzida propositalmente sem moldura, evidencia uma mudança na relação entre o quadro e a parede, numa pesquisa que, como afirma o crítico Fernando Cocchiarale (1951), vai em direção à integração da obra no espaço, característica marcante do neoconcretismo. 

O interesse exclusivo pela cor – sua matéria, intensidade e duração – desdobra-se do espaço bidimensional da tela para a tridimensionalidade em Cubocor (1960), pequeno cubo de cimento uniformemente coberto por pigmento vermelho, considerado por alguns críticos como ponto alto de sua pesquisa, simultaneamente objeto e cor, elemento pictórico e espacial2. Esse aspecto é ressaltado pelo poeta Ferreira Gullar, para quem "Aluísio Carvão é um alquimista da cor. O que lhe importa não é a figura, não é a cor enquanto cor de alguma coisa, mas a cor como coisa"3.

A adesão ao neoconcretismo leva o artista a abandonar as estruturas formais geométricas em favor de uma construção que se faz diretamente com a cor, em telas que suspendem a diferenciação entre forma, cor e fundo. Segundo o crítico Mário Pedrosa (1900-1981), a geometria persiste como “um limite convencional da fase anterior”, pois agora é a cor, com a “sua intensidade e saturação”, que caracteriza as telas, com consistência que chega a impor “até mesmo a forma".4

Em 1960, participa da mostra Konkrete Kunst, em Zurique (Suíça), e da Exposição de Arte Neoconcreta, em Munique (Alemanha). É contemplado no Salão Nacional de Arte Moderna com o prêmio de viagem ao exterior. Como artista visitante, ingressa na Hochschule für Gestaltung (HfG), na cidade alemã de Ulm.

Depois da estadia na Europa, volta para o Rio de Janeiro em 1963 e intensifica sua atuação como professor, ministrando cursos no MAM do Rio de Janeiro e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage). Na década de 1960, utiliza materiais não tradicionais, como prego e barbante agrupados em suportes de madeira, o que pode ser verificado em Superfícies farfalhantes (1967), produzida com tampas de garrafas comprimidas e perfuradas com pregos, fixadas em um suporte, explorando os aspectos cinético e sonoro.

A partir do fim dos anos 1970, retorna ao suporte tradicional da tela, privilegiando a articulação das cores com uma linguagem lírica e evocativa que utiliza tons vibrantes e formas com características menos rigorosas. De acordo com o crítico Roberto Pontual (1939-1994), nessa nova fase, a cor segue sendo importante, mas em vez de reduzir a forma à cor, propõe “uma construção que seja também metáfora"5

Na década de 1980, integra diversas retrospectivas sobre arte concreta e neoconcreta. Uma importante retrospectiva do artista é realizada em 1996, no Museu Metropolitano de Arte de Curitiba, e segue para o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM/BA), em Salvador, e o MAM do Rio de Janeiro.  

Durante a permanência na cidade fluminense de Saquarema, produz diversas marinhas, alternando essas pinturas de caráter mais figurativo com o estilo evocativo da fase concretista. As obras realizadas na década de 1990 exploram um repertório que, segundo o artista, é descendente do grafismo marajoara e do vocabulário da geometria pura, como triângulo, quadrado, círculo, linha e espiral. Nessas telas, surgem sinais de festas e folguedos, pipas coloridas, bandeirolas, reminiscências da infância que lhes conferem aspecto íntimo, memorialista e lírico.  

Importante figura do concretismo e do neoconcretismo, Aluísio Carvão explora as nuances cromáticas e os contornos formais com ousadia, a ponto de jogar com dimensões espaciais. Dialogando eventualmente com abordagem figurativa, constrói um estilo alusivo e inventivo.

Notas

1. PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Editora JB, 1987. p. 278.

2. Para Roberto Pontual (op. cit., p. 278), o Cubocor é a "matéria da cor". Para Fernando Cocchiarale (in MARTINS, Anna Maria (textos), Aluísio Carvão, 1999, p. 13), "o Cubo-Cor é um dos emblemas neoconcretos da subsistência da cor fora do quadro, liberta do lugar que lhe foi destinado à existência pela história da pintura".

3. Apud AYALA, Walmir; CAVALCANTI, Carlos (orgs.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC; INL, 1973.  p. 87.

4. Apud PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. p. 115.

5. PONTUAL, Roberto, op. cit. p. 278.

Obras 24

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Claroverde

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Composição

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Jaime Acioli

Composição II

Chapinhas pintadas sobre madeira

Exposições 233

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 57

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • ALUÍSIO Carvão. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999. 95 p., il. color. ISBN 85-86796-32-8.
  • ALUÍSIO Carvão. Texto Anna Maria Martins; introdução Fernando Cocchiarale; apresentação José Carlos Martins. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999. 95 p. , il. color.
  • ALUÍSIO Carvão. Texto Frederico Morais. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1986.
  • ALUÍSIO Carvão. Texto Frederico Morais. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1986.
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil - Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner).
  • AMARAL, Aracy et al. Modernidade: arte brasileira do século XX. São Paulo: MAM; Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988.
  • AR: Exposição de artes plásticas, brinquedos, objetos e maquetes. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1997. [24p.], il. color.
  • ARTE suporte computador. Organização Solange Lisboa e Antonio Ruete. São Paulo: Casa das Rosas, 1997.
  • ARTISTAS desenhistas. Rio de Janeiro: Sesc Copacabana, 1997. [8] p.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • Bienal mostra arte de Mercosul em Porto Alegre. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 01 de out. 97. Caderno 2, p.D14. BIENAL DE ARTES VISUAIS DO MERCOSUL
  • CANONGIA, Ligia (Coord.). Abstração geométrica 1: concretismo e neoconcretismo. Curadoria Ligia Canongia. Rio de Janeiro: Funarte, 1987.
  • CARVÃO, Aluísio. A pintura me envolve de forma permanente. Estado de São Paulo, Caderno 2, 12 jul. 2001.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio CARVÃO . [s.n.], 1985. [14] p., il. p&b color.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio Carvão : pinturas. Rio de Janeiro: Thomas Cohn Arte Contemporânea, 1986. 1 folha dobrada, 5 il. color.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio Carvão. Rio de Janeiro: MAM, 1996. 64 p. , il. color.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio Carvão. São Paulo: Galeria Arte Global, 1983.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio Carvão. Texto Frederico Morais. [s.l.: s. n. ], 1985. [14] p. , il. color.
  • CARVÃO, Aluísio. Aluísio Carvão: pinturas. Rio de Janeiro: Thomas Cohn Arte Contemporânea, 1986. Folha dobrada, 5 il. color.
  • CARVÃO, Aluísio. Pinturas de 1958 a 1960. Rio de Janeiro: MAM, 1961.
  • CARVÃO, Aluísio. Sala especial Aluísio Carvão. Rio de Janeiro: Funarte, 1998. folha dobrada, il.
  • CARVÃO, Aluísio; SILVEIRA, Dora (Coord. ). Aluísio Carvão. Curadoria Luiz Camillo Osório; versão em inglês Ricardo Quintella. Rio de Janeiro: MAC-Niterói, 2001. [47] p. , il. color.
  • CARVÃO, Aluísio; SILVEIRA, Dôra (Coord.). Aluísio CARVÃO. Niterói: MAC-Niterói, 2001. [47] p., il. color.
  • COCCHIARALE, Fernando. Introdução. In: MARTINS, Anna Maria (textos). Aluísio Carvão. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999.
  • COLEÇÃO Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da Arte Brasileira. São Paulo: MAM, 1984.
  • DESEXPLOSIGNIÇÃO: homenagem à exposição nacional de arte concreta. Texto José Roberto Aguilar; texto crítico Haroldo de Campos. São Paulo: Casa das Rosas, 1996. 1 folha dobrada, il. color.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • EXPOSIÇÃO Brasil- JAPÃO DE Arte Contemporânea, 9., 1990, São Paulo. São Paulo: Fundação Brasil- Japão de Artes Plásticas, 1990. 86 p., il. p&b.
  • EXPOSIÇÃO Retrospectiva Histórica e Comemorativa dos 40 Anos do Grupo Frente. Rio de Janeiro: Galeria do Ibeu, 1994.
  • Experiência neoconcreta. Rio de Janeiro/Curitiba, MAM e Museu Municipal de Arte, 1991.
  • Exposição do acervo da Caixa. São Paulo, Conjunto Cultural da Caixa 13 Galeria, 1997.
  • GRUPO frente / I Exposição Nacional de Arte Abstrata: 1954- 1956 / Hotel Quitandinha - 1953. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1984. (Ciclo de Exposições sobre Arte no Rio de Janeiro).
  • IMAGEM gráfica. Rio de Janeiro: Escola de Artes Visuais do Parque Lage, 1995. 160 p., il. p&b. ISBN 85-85954-02-7.
  • Jornal do Brasil, 18 de nov. 2001. Caderno B.
  • KLEIN, Cristian. A arte dos anos de chumbo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 25 jul. 1998. B, P. 4.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MARTINS, Anna Maria. Aluísio Carvão. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999.
  • MILLEN, Manya. Mostra para reescrever a história da arte. O Globo, Rio de Janeiro, 19 de set. 1997. 2º Caderno, p. 4. BIENAL DE ARTES VISUAIS DO MERCOSUL
  • Museu de Arte Moderna 13 MAM/SP (Panorama apresenta a crise da pintura... Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 de mar. 93. Ilustrada, 6.
  • NEMER, José Alberto. ícones da utopia. Belo Horizonte: Fundação Palácio das Artes, 1992.
  • NEOCONCRETISMO 1959/ 1961. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1984. [52] p., il. p&b.
  • PAIXÃO do olhar: instalação, pintura, fotografia e vídeo. Rio de Janeiro: MAM, 1993. 32 p., il.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1975, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1975: escultura e objeto. São Paulo: MAM, 1975.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1983, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1983: pinturas. São Paulo: MAM, 1983.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1993, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1993: pintura. São Paulo: MAM, 1993.
  • PEDROSA, Mário; AMARAL, Aracy (Org. ). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981. 421 p. (Debates, 170).
  • PEDROSA, Mário; AMARAL, Aracy (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília . São Paulo: Perspectiva, 1981. 421 p. (Debates, 170).
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • RIO: mistérios e fronteiras. Tradução Antonio Carioca. Rio de Janeiro: MAM, 1995. 55 p., il., figs.
  • SALÃO Nacional de Artes Plásticas, 16., 1998, Rio de Janeiro. 16º Salão Nacional de Artes Plásticas. Curadoria Viviane Matesco, Luiz Camillo Osorio; texto Márcio Souza. Rio de Janeiro: Funarte, 1998.
  • SILVEIRA, Dôra (Coord.). Espelho da Bienal. Curadoria Ruben Breitman; versão em inglês Jullan Smyth; texto Mário Pedrosa e Paulo Reis; apresentação Italo Campofiorito. Niterói: MAC-Niterói, 1998. [16] p., 11 cartões-postais.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: