Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Luise Weiss

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.09.2018
18.10.1953 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título, 1995
Luise Weiss
Xilogravura

Luise Weiss (São Paulo SP 1953). Gravadora, pintora, fotógrafa, professora. Gradua-se em artes plásticas, em 1977, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, onde é aluna de Evandro Carlos Jardim (1935), Regina Silveira (1939) e Carmela Gross (1946). Paralelamente à graduação, realiza livros com suas xilogravuras...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Luise Weiss (São Paulo SP 1953). Gravadora, pintora, fotógrafa, professora. Gradua-se em artes plásticas, em 1977, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, onde é aluna de Evandro Carlos Jardim (1935), Regina Silveira (1939) e Carmela Gross (1946). Paralelamente à graduação, realiza livros com suas xilogravuras. Entre 1977 e 1987 é professora do laboratório de desenho infantil e juvenil da Pinacoteca do Estado de São Paulo - Pesp. Inicia sua carreira como professora universitária em 1984, lecionando na Faculdade de Artes Alcântara Machado - Faam, e desde 1985 dá aulas na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 1990 é agraciada com a Bolsa Vitae pelo projeto Fragmentos. Mestre, em 1992, pela ECA/USP, conclui o doutoramento em 1998, na mesma universidade, com a tese Retratos Familiares: in Memorian. Em 2001 vai para a Áustria, terra de seus antepassados, e munida de fotografias antigas, refotografa alguns dos locais onde ele viveram. Realiza pinturas com base nessas fotografias, expostas em 2004. Em 2002 retoma o contato com a tia-avó Clara Weiss, que lhe fornece mais fotografias de família para a execução de suas obras. Começa, em 2003, a preparação do projeto de sua livre-docência na Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, onde desde 1997 é professora de gravura e desenho.

Comentário Crítico
Luise Weiss começa a expor em 1974, quando participa do circuito de exposições coletivas na cidade de São Paulo com xilogravuras apresentadas como livros. Cedo revela seu interesse por constituir um repertório de imagens a partir da investigação da própria identidade, tomando retratos de seus antepassados como base para realizar suas obras. O retrato tem um papel decisivo na relação entre a pintura, a gravura e a fotografia no trabalho da artista. Os antigos retratos fotográficos de seus familiares - frontais ou de perfil, retratos de corpo inteiro (até mesmo de casamento), mães com filhos e retratos de crianças - dão lugar a retratos pintados sem a preocupação da representação fiel: Weiss observa as fotografias antes e durante a realização das pinturas em vez de projetá-las na tela.

Até 1997, pinta em preto-e-branco passando a usar cores em sua produção de 1998, quando trabalha sobre retalhos de tecidos coloridos colocados na superfície do duratex. Na pintura, encobre o rosto ou partes do corpo dos retratados e faz o mesmo em litografias e xilogravuras. A fotografia não é para Weiss somente um processo de intermediação entre a pintura e a gravura. As fotografias propriamente ditas aparecem em objetos criados pela artista - como os copos com água ou mel nos quais mergulha imagens fotográficas de seus ancestrais - ou em álbuns fotográficos.

Obras 33

Abrir módulo
Registro fotográfico autoria desconhecida

In Memoriam

Copo de água com imagem
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

In Memoriam

Fotografia a cores
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

In Memoriam

Fotografia a cores
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

In Memoriam

Fotografia a cores
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

In Memoriam

Fotografia a cores

Exposições 106

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 32

Abrir módulo
  • 1º Salão SESC de gravura. Curadoria Geraldo Edson de Andrade. Rio de Janeiro: Sesc Copacabana, 1996. [16 ] p. Exposição realizada na Galeria Sesc Copacabana, no período de 25 jun. a 31 jul. 1996.
  • A FIGURA humana na coleção Itaú. apresentação Ricardo Ribenboim. São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2000. 20 p.
  • A NOVA dimensão do objeto. São Paulo: MAC/USP, 1986.
  • ARTE conceitual e conceitualismos: anos 70 no acervo do MAC USP. Curadoria Cristina Freire; versão em inglês Elizabeth Bjorkstrom Moraes, Thomas Karsten. São Paulo: MAC/USP, 2000.
  • BELUZZO, Ana Maria de Moraes. Lugares de Passagem. São Paulo: Centro Cultural Blue Life, 2004.
  • BIENAL NACIONAL DA GRAVURA, 1., 1994, São José dos Campos, SP. 1ª Bienal Nacional da Gravura. São José dos Campos: Prefeitura Municipal, 1994.
  • BONATO, Mirella (coord.). São Paulo Gravura Hoje. Curadoria Alex Gama, Renina Katz, Maria Bonomi. Rio de Janeiro: Funarte, 1999.
  • CHIARELLI, Tadeu. A gravura paulista significa. São Paulo: Galeria São Paulo, 1996.
  • CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
  • ENSINO da arte: a gravura como meio. Apresentação Frederico Lencioni Neto; texto Ronaldo Oliveira, Sueli Dutra, Christina Rizzi et al. Jacareí: Casa da Gravura, 1998. 79 p.
  • EXPRESSIONISMO no Brasil: heranças e afinidades. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1985. 128 p., il. p&b., color.
  • FABRIS, Annateresa. Identidades da Gravura. São Paulo: Galeria São Paulo, 1996.
  • GOELDI, Oswaldo. Goeldi: nosso tempo. Curadoria Célia Procópio de Araujo Carvalho. São Paulo: MAB, 1995.
  • GRAVURA moderna brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes. Curadoria Rubem Grilo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1999.
  • GRAVURA paulista. Curadoria Evandro Carlos Jardim. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1995.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • MARTINS, Carlos (Coord.). Acervo gravura: doações recentes 1982/1984. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1984.
  • MICHELON, Neuter (coord.). Habitar. Curadoria Vitória Daniela Bousso. São Paulo: Caixa Econômica Federal, 1996.
  • MONFORTE, Luiz Guimarães (Coord.). 4º Stúdio UNESP, SESC e SENAI de tecnologias de imagens. São Paulo, 1996. , il. color.
  • MOSTRA DE GRAVURA CIDADE DE CURITIBA, 6., 1984. VI Mostra de Gravura Cidade de Curitiba: 1984 - Pan-Americana. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1984.
  • MOSTRA RIO GRAVURA, 1999, Rio de Janeiro. Mostra Rio Gravura: catálogo geral dos eventos. Tradução Stephen Berg. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal, 1999.
  • MULHERES gravadoras: uma homenagem à Edith Behring. Curadoria Ana Maria Netto Nogueira; revisão Edith Piza. Jacareí: Casa da Gravura, 1998.
  • NOVOS e novíssimos gravadores nacionais. São Paulo: MAC/USP, 1975. , il. p&b.
  • OS COLECIONADORES - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras. Curadoria Jacob Klintowitz; texto José Mindlin, Jacob Klintowitz. São Paulo: Centro Cultural FIESP, 1998. [64] p., il. color.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • TEMPORADA de projetos 1998. São Paulo: Paço das Artes, 1998. folha dobrada, il. color.
  • WEISS, Luise. Luise Weiss. São Paulo: Edusp, 2005. 148 p. il. (Artistas da Usp, 14).
  • WEISS, Luise. Luise Weiss. São Paulo: Paço das Artes, 1989. , il. color.
  • WEISS, Luise. Luise Weiss: fragmentos. São Paulo: MASP, 1991. , il. p&b.
  • WEISS, Luise. Luise Weiss: objetos e desenhos. Texto de Ciça França Lourenço. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • WEISS, Luise. Retratos familiares: in Memorian, 1998. 105 f. Tese (Doutorado em Poéticas Visuais) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1998.
  • XILOGRAVURA: do cordel à galeria. São Paulo: Metrô, 1994.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: