Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Sérgio Ferro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.04.2021
25.07.1938 Brasil / Paraná / Curitiba
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

São Sebastião, 1971
Sérgio Ferro
Óleo e acrílica sobre tela
180,00 cm x 73,00 cm

Sérgio Ferro Pereira (Curitiba, Paraná, 1938). Pintor, desenhista, arquiteto e professor. Forma-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, em 1962. Três anos depois, faz pós-graduação em museologia e evolução urbana, na mesma faculdade. Em 1965, participa da organização da mostra Opinião 65, no...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Sérgio Ferro Pereira (Curitiba, Paraná, 1938). Pintor, desenhista, arquiteto e professor. Forma-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, em 1962. Três anos depois, faz pós-graduação em museologia e evolução urbana, na mesma faculdade. Em 1965, participa da organização da mostra Opinião 65, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ, onde também expõe. Cursa semiologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, em 1966. Na década de 1960, integra com Flávio Império (1935 - 1985) e Rodrigo Lèfevre (1938 - 1984) o Grupo Arquitetura Nova. É professor da Escola de Formação Superior de Desenho, entre 1962 e 1968; do curso de história da arte e de estética da FAU/USP, de 1962 a 1970; e do curso de arquitetura da Universidade de Brasília - UnB, entre 1969 e 1970. Por causa da ditadura militar no Brasil, muda-se para a França, em 1972. De 1972 a 2003, leciona na École Nationale Supérieure d'Architecture de Grenoble [Escola Nacional Superior de Arquitetura de Grenoble], na Suíça, e, na mesma universidade, funda o laboratório Dessin/Chantier [desenho/canteiro] e o dirige de 1982 a 1997. Realiza pinturas figurativas, inspirando-se principalmente em figuras presentes nos desenhos e pinturas de Michelangelo Buonarroti (1475 - 1564). Recebe o prêmio de melhor pintor da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA, em 1987.  Publica, entre outros, os livros O Canteiro e o Desenho, 1979, Michelangelo: Notas por Sérgio Ferro, 1981, e Michel-Angel, Architecte et Sculpteur, 1998. Realiza murais para várias instituições na França e no Brasil, como o Memorial da América Latina, em 1990, e o Memorial de Curitiba, em 1996 e em 2002.

Análise

Na década de 1960, Sérgio Ferro participa do Grupo Arquitetura Nova, com Flávio Império e Rodrigo Lefèvre voltado para uma compreensão do exercício da profissão de arquiteto, simultaneamente como ação cultural, política e produtiva. O grupo realiza propostas de políticas públicas urbanas, ligadas a projetos de habitações populares. Os projetos de residências realizados por Sérgio Ferro no período mantêm diálogo com a produção de Vilanova Artigas (1915 - 1985).

Devido à ditadura militar no Brasil, o artista é obrigado a mudar-se para a França em 1972. Passa a dedicar-se à pintura e à carreira docente, lecionando na Escola de Belas Artes e na École Nationale Supérieure d'Architecture de Grenoble [Escola Nacional Superior de Arquitetura de Grenoble], Suíça. Na pintura, realiza obras de caráter figurativo, em que tem como referência grandes pintores da história da arte, retrabalhando principalmente figuras presentes nos desenhos e pinturas de Michelangelo Buonarroti. Para o artista, ao mesmo tempo em que as figuras remetem a Michelangelo, elas se inserem numa outra realidade, porque a luz é cinematográfica e a musculatura, pouco fiel à anatomia e à tradição renascentista. Como aponta o crítico Wilson Coutinho (1947-2003), Ferro se apropria de Michelangelo para dotá-lo de uma apreensão contemporânea. Assim, fragmenta a obra do mestre, deixando ausências, colocando no plano da tela um conjunto de procedimentos modernos para trazê-la como memória de uma imagem dispersa.

Nos quadros de Sérgio Ferro, o espaço é construído a partir de elementos gráficos e suas relações na tela. Como nota o crítico Fábio Magalhães, em muitos trabalhos, entretanto, a cor e a colagem intervêm de maneira definitiva, impondo uma nova organização espacial, sobrepondo-se à densidade do grafismo.

Obras 13

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Aman

Óleo e acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Estudo Nº 1

Óleo e acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Gêmeos II

Óleo e acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Ícaro II

Óleo e acrílica sobre tela

Debates 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 115

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Arte nos presídios após 1964 - Jogo de Idéias - Parte 1
Primeira parte da entrevista com Alípio Freire, Sérgio Ferro, e Felipe Lindoso para o Jogo de Idéias, programa de TV do Itaú Cultural com convidados da música, da literatura, do teatro, da educação, entre outras áreas.
Arte nos presídios após 1964 - Jogo de Idéias - Parte 2
Segunda prte da entrevista com Alípio Freire, Sérgio Ferro, e Felipe Lindoso para o Jogo de Idéias, programa de TV do Itaú Cultural com convidados da música, da literatura, do teatro, da educação, entre outras áreas.

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • 5 PINTORES de vanguarda. Apresentação Carlos Scarinci. Porto Alegre: Museu de Arte do Rio Grande do Sul, 1965. [8] p., s. il.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). IC R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • FERRO, Sérgio. Futuro/anterior. trad. M. Lúcia Montes; William Shelton; Regina Marganti. Pietro Maria Bardi. São Paulo, Nobel, 1989.
  • FERRO, Sérgio. Sergio Ferro. Barbizon: Editions l'Entrée des Artistes, 1990. 48 p., il. color.
  • FERRO, Sérgio. Sérgio Ferro, um artista brasileiro: na Capela dos Fundadores do Memorial de Curitiba. Texto Margarita Pericás Sansone. Curitiba: Prefeitura Municipal, 2000. 38 p., il. color.
  • FERRO, Sérgio. Sérgio Ferro. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1991. il. color.
  • FERRO, Sérgio. Sérgio Ferro. Texto Fábio Magalhães. Curitiba: Simões de Assis Galeria de Arte, 2002. [36] p., il. p&b color.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • SÉRGIO Ferro. Texto de Fábio Magalhães. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1987.
  • SÉRGIO Ferro: o verso e o reverso da pintura. Texto de Gilles Lipovetsky. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1991.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: