Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Felícia Leirner

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.09.2020
1904 Polônia / a definir / Varsóvia
1996 Brasil / São Paulo / Campos do Jordão
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini/Itaú Cultural

Pássaro II, 1970
Felícia Leirner
Bronze polido
36,50 cm x 42,00 cm

Felícia Leirner (Varsóvia, Polônia 1904 - Campos do Jordão SP 1996). Escultora. Muda-se para o Brasil com o marido, Isay Leirner (1903-1962), em 1927. Em São Paulo, estuda pintura com Yolanda Mohalyi (1909-1978). Inicia estudos de escultura com Victor Brecheret (1894-1955), em 1948. Na década de 1950, predominam em suas esculturas temáticas rela...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Felícia Leirner (Varsóvia, Polônia 1904 - Campos do Jordão SP 1996). Escultora. Muda-se para o Brasil com o marido, Isay Leirner (1903-1962), em 1927. Em São Paulo, estuda pintura com Yolanda Mohalyi (1909-1978). Inicia estudos de escultura com Victor Brecheret (1894-1955), em 1948. Na década de 1950, predominam em suas esculturas temáticas relacionadas à maternidade e ao universo familiar. Em 1959, realiza importante mostra retrospectiva na Galeria de Arte das Folhas. Em algumas esculturas realizadas nos anos 1960, a artista aproxima-se da abstração. Participa de diversas edições da Bienal Internacional de São Paulo, mostra em que recebe o prêmio de melhor escultor nacional, em 1963, e conta com sala especial, em 1965. Nesse ano, passa a residir em Campos do Jordão, São Paulo, onde, em 1978, é inaugurado o Museu Felícia Leirner, que apresenta cerca de 100 esculturas da artista em espaço aberto. Ela tem trabalhos expostos em espaços públicos, como a Escultura (1973), no Jardim das Esculturas do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP)  e a obra Os Passáros (1978/1979), na praça da Sé, em São Paulo. Sobre sua produção são publicados os livros Felícia, pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, em 1983, e Felicia Leirner: a Arte como Missão, com texto do crítico de arte Frederico Morais, pelo Museu Felícia Leirner, em 1991.

Comentário Crítico
A produção inicial de Felícia Leirner, na década de 1950, revela afinidade com a obra de seu mestre, Victor Brecheret. Seus temas principais nesse período são a mulher, a maternidade e o universo familiar. As figuras da artista apresentam uma assimetria formal, decorrente do contraste entre o comprimento dos braços e pernas ou do volume do corpo em relação à cabeça diminuta, e aproximam-se assim de obras de Aristide Maillol (1861-1944) e de Henry Moore (1898-1986). Ela cria texturas na superfície do bronze, por meio de ranhuras, incisões e grafismos.

A artista, que inicialmente realiza figuras isoladas, passa a trabalhar com formas que se complementam. Amplia a relação entre os espaços vazios e cheios em suas composições, criando obras de maior leveza. Para o crítico de arte Mário Pedrosa (1900-1981), sua escultura se enriquece pela contraposição entre os planos côncavos e convexos e pela alternância entre sombra e claridade.

Alguns dos trabalhos de Leirner aproximam-se da abstração, como nas séries Cruzes, 1963 ou Estruturações, 1964/1966. Essa última, apresenta afinidade com a vertente construtiva. Já em Habitáculos, 1966/1967, ela explora o campo da arquitetura, aproximando-se de obras de Hans Arp (1886-1996) e François Stahly (1911). Suas esculturas da década de 1980 são constituídas por formas recortadas, projetadas para se integrarem à paisagem.

Obras 11

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Roberto Toledo

A Noite

Bronze
Registro fotográfico Roberto Toledo

Cruzes I

Bronze
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Escultura

Cimento pintado
Registro fotográfico João L. Musa/Itaú Cultural

Figura

Bronze

Exposições 36

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTISTAS da escultura brasileira. São Paulo: Volkswagen do Brasil, 1986. 217 p., il. color.
  • FLÓRIDO, Janice Maria; LOBELLO, Mario (Orgs.). A metrópole e a arte. São Paulo: Prêmio, 1992. (Arte e Cultura 13.).
  • KLINTOWITZ, Jacob. O Ofício da arte: a escultura. São Paulo: Sesc, 1988. 271 p., il. color.
  • LEIRNER, Felícia. Felícia Leirner. São Paulo: Skultura Galeria de Arte, s.d. il. color.
  • LEIRNER, Felícia. Felícia Leirner: dez anos de escultura. São Paulo: Skultura Galeria de Arte, 1959.
  • LEIRNER, Felícia. Felícia. Organização Geraldo Anhaia Mello. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1983. 50 p., il.
  • MORAIS, Frederico. Felicia Leirner: a arte como missão. Campos do Jordão: Museu Felicia Leirner, 1991. 103 p., il. p&b, color.
  • PEDROSA, Mário. Felícia Leirner, escultora. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 07 mar. 1961.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: