Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Vik Muniz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.09.2018
1961 Brasil / São Paulo / São Paulo
Arquivo do artista

Pictures of Paper: Crowd at Coney Island, Temperature 89°, They came early and they stayed late, July 1940, after Weegee, 2009
Vik Muniz
Impressão digital em nitrato de prata
180,00 cm x 231,00 cm

Vicente José de Oliveira Muniz (São Paulo, São Paulo, 1961). Fotógrafo, desenhista, pintor e gravador. Cursa publicidade na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo. Em 1983, passa a viver e trabalhar em Nova York. Realiza, desde 1988, séries de trabalhos nas quais investiga, principalmente, temas relativos à memória, à percepção e...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Vicente José de Oliveira Muniz (São Paulo, São Paulo, 1961). Fotógrafo, desenhista, pintor e gravador. Cursa publicidade na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo. Em 1983, passa a viver e trabalhar em Nova York. Realiza, desde 1988, séries de trabalhos nas quais investiga, principalmente, temas relativos à memória, à percepção e à representação de imagens do mundo das artes e dos meios de comunicação. Faz uso de técnicas diversas e emprega nas obras, com freqüência, materiais inusitados como açúcar, chocolate líquido, doce de leite, catchup, gel para cabelo, lixo e poeira. Em 1988, realiza a série de desenhos The Best of Life, na qual reproduz, de memória, uma parte das famosas fotografias veiculadas pela revista americana Life. Convidado a expor os desenhos, o artista fotografa-os e dá às fotografias um tratamento de impressão em periódico, simulando um caráter de realidade às imagens originárias de sua memória. Com essa operação inaugura sua abordagem das questões envolvidas na circulação e retenção de imagens. Nas séries seguintes, que recebem, em geral, o nome do material utilizado - Imagens de Arame, Imagens de Terra, Imagens de Chocolate, Crianças de Açúcar etc. -, passa a empregar os elementos para recriar figuras referentes tanto ao universo da história da arte como do cotidiano. Seu processo de trabalho consiste em compor as imagens com os materiais, normalmente instáveis e perecíveis, sobre uma superfície e fotografá-las. Nessas séries, as fotografias, em edições limitadas, são o produto final do trabalho. Sua obra também se estende para outras experiências artísticas como a earthwork e as questões envolvidas no registro dessas criações.

Análise

Vik Muniz cursa publicidade na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo. Muda-se para Nova York em 1983, onde reside e trabalha. Após um breve período ligado à escultura, passa a dedicar-se ao desenho e sobretudo à fotografia. Trabalha com séries de fotografias, na maioria das vezes reproduções de obras de arte reconhecidas, que recria com materiais diversos como papéis perfurados, algodão, recortes de revistas, chocolate líquido, açúcar ou poeira.

No caso da série realizada com chocolate líquido, reproduz, entre outras obras, A Descida da Cruz, de Caravaggio (1571-1610), ou a foto de Hans Namuth (1917-1990) que mostra o artista Jackson Pollock (1912-1956) pintando. As imagens dessa série, produzidas pacientemente com conta-gotas, foram fotografadas e posteriormente destruídas.

Em 2000, publica o livro Clayton Days, com uma série de fotografias realizadas quando era artista-residente no Frick Art & Historical Center, em Pittsburgh, Estados Unidos. Capta as imagens da vida em Clayton - uma residência do século XIX que pertenceu ao industrial e colecionador de arte Henry Clay Frick - por um ponto de vista rebaixado. Dessa forma, o lugar parece ter sido percebido pelo olhar sensível de uma criança. O artista revela ainda o fascínio pelas muitas fotos da família na residência, preservada como museu. A série resulta em imagens intrigantes, que formam uma narrativa de cunho ficcional, não-linear.

Na série Pictures of Magazines [Retratos de Revistas, 2003], expõe retratos de conhecidas personalidades brasileiras, como o jogador Pelé e o presidente Luis Inácio Lula da Silva mas também de um anônimo vendedor de flores. O artista realiza uma complexa operação de decomposição e recomposição da imagem fotográfica. Os retratos são obtidos pela reunião de pequenos fragmentos de páginas de periódicos que, sobrepostos em um trabalho preciso, fazem surgir os rostos dos personagens retratados.

Muniz busca na fotografia a expressão para questões de representação da realidade, ligando-a ao desenho e à pintura, de forma não-convencional. Suas imagens suscitam no espectador a sensação de estranheza, e o questionamento da fotografia como reprodução fiel da realidade. Também inova ao estabelecer uma relação original entre o artista, a obra de arte e o espectador, que deve refletir mas também se deixar levar pelos mecanismos da ilusão.

Obras 6

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Imigrantes

Cibacrome
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/ Itaú Cultural

Mass, 2

Cibachrome
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Multidão

Cibachrome

Exposições 344

Abrir módulo

Feiras de arte 3

Abrir módulo

Mostras 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Vik Muniz - Enciclopédia Itaú Cultural
Imagens iconográficas, arquétipos, estereótipos, clichês. Coisas que as pessoas sabem ou acham que têm total conhecimento sobre elas ganham outros desdobramentos e significados no trabalho do multiartista Vik Muniz. “A função da arte é criar o vácuo conceitual entre o que você imagina e o que é, para que você possa pensar o mundo de uma outra forma”, explica ele. Paulistano radicado em Nova York desde a década de 1980, Muniz recria figuras amplamente conhecidas e lhes dá outro olhar ao utilizar materiais inusitados em sua composição, a exemplo da cópia da “Mona Lisa”, de Leonardo da Vinci, feita com manteiga de amendoim e geleia. Seu trabalho consiste em compor as estampas desejadas com os materiais, em geral perecíveis, sobre uma superfície e depois fotografá-las. Suas obras, muito ligadas à cultura pop, são mundialmente conhecidas integram acervos particulares e de museus e galerias no Brasil em diversos outros países.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • A FIGURA humana na coleção Itaú. apresentação Ricardo Ribenboim. São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2000. 20 p.
  • A QUIETUDE da terra, vida cotidiana, arte contemporânea e projeto axé. Concepção e edição France Morin; edição John Alan Farmer; versão em inglês H. Sabrina Gledhill, Lavinia Sobreira Magalhães, Alejandro Reyes, Nadine Fajerman. Salvador: Museu de Arte Moderna da Bahia, 2000.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo, SP. Um e/entre outros/s. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998.
  • BRASIL. Plural y singular. Curadoria Laura Buccellato, Clelia Taricco. Buenos Aires: MAMba, 2000.
  • CENTRO CULTURAL LIGHT (RIO DE JANEIRO, RJ). Horizonte reflexivo. Curadoria Eduardo Brandão, Lisette Lagnado; versão em inglês Stephen Berg. Rio de Janeiro: Centro Cultural Light, 1998.
  • CITY canibal. Curadoria Vitória Daniela Bousso. São Paulo: Paço das Artes, 1998.
  • FARIAS, Agnaldo. Arte brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2002. (Folha explica, 40).
  • LATIN american sale. New York: Christie's, 2000. 241 p., il. color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte contemporânea. Curadoria geral Nelson Aguilar; curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso; tradução Arnaldo Marques, Ivone Castilho Benedetti, Izabel Murat Burbridge, Katica Szabó, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MUNIZ, Vik. Clayton Days: picture stories by Vik Muniz, for very little folks. Entrevista Linda Benedict-Jones. Pittsburgh: Frick Art & Historical Center, 2001.
  • MUNIZ, Vik. Ver para crer. Versão em inglês Izabel Murat Burbridge. São Paulo: MAM, 2001.
  • MUNIZ, Vik. Vik Muniz. Tradução Elizabeth Chin. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1991.
  • MUSEU DE ARTE MODERNA (SÃO PAULO, SP). Arte brasileira no acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo: doações recentes 1996-1998. Curadoria Tadeu Chiarelli. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1998.
  • O ESPÍRITO da nossa época: coleção Dulce e João Carlos de Figueiredo Ferraz. Curadoria Stella Teixeira de Barros, Ricardo Resende; versão em inglês Thomas William Nerney, Izabel Murat Burbridge. São Paulo: MAM, 2001.
  • PANORAMA da Arte Brasileira, 1995. Curadoria Ivo Mesquita. São Paulo: MAM, 1995. Catálogo de exposição.
  • SEMANA Fernando Furlanetto, 1., 1998, São João da Boa Vista. 1º Semana Fernando Furlanetto. Produção Samantha Moreira. São João da Boa Vista: Prefeitura Municipal, 1998.
  • SÉCULO 20: arte do Brasil. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso. Lisboa: Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, 2000.
  • WHITNEY Biennial, 2000 Biennial Exhibition. Curadoria Michael Auping, Valerie Cassel, Hugh M. Davies, Jane Farver, Andrea Miller-Keller, Lawrence R. Rinder. New York: Whitney Museum of American Art, 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: