Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Madeleine Colaço

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.06.2016
22.05.1907 Marrocos / a definir / Tanger
24.11.2001 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Madeleine Ribeiro Colaço (Tânger,  Marrocos, 1907 - Rio de Janeiro, RJ, 2001). Artista plástica e tapeceira. Aos 12 anos, muda-se para Paris, onde estuda no colégio Saint Marie de Neully, completando os estudos básicos em Londres. Por volta de 1925, retorna à cidade natal, onde se torna aprendiz na arte da tapeçaria na escola do Palácio de Kasba...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Madeleine Ribeiro Colaço (Tânger,  Marrocos, 1907 - Rio de Janeiro, RJ, 2001). Artista plástica e tapeceira. Aos 12 anos, muda-se para Paris, onde estuda no colégio Saint Marie de Neully, completando os estudos básicos em Londres. Por volta de 1925, retorna à cidade natal, onde se torna aprendiz na arte da tapeçaria na escola do Palácio de Kasbah. Nos anos seguintes, em viagens para Inglaterra e França, estuda coleções de tapeçaria em diferentes museus.

Em 1928, muda-se para Lisboa, onde conhece e aprende a técnica tradicional do ponto de Arraiolos, desenvolvida desde o século XVI na pequena cidade com o mesmo nome. Transfere-se para o Brasil em 1940, fixando-se inicialmente em Petrópolis, Rio de Janeiro. Desenvolve a técnica que fica conhecida como "ponto brasileiro", tal como foi registrada no Centre Internacional de la Tapisserie Ancienne et Moderne [Centro Internacional da Tapeçaria Antiga e Moderna], em Lausanne, Suíça. Ainda na década de 1940, funda, na região do Espraiado, a Escola Thomaz Colaço, centro de ensino profissionalizante voltado à alfabetização e à formação de artesãs, que se mantém ativo até 1978.

Realiza sua primeira mostra individual em 1953, no Ministério da Educação e Cultura, no Rio de Janeiro. Entre as décadas de 1960 e 1990, exibe suas obras no país e no exterior. De 1986 a 2000, expõe bienalmente na Galeria Jacques Ardies, em São Paulo. Em 1987, recebe do governo brasileiro a comenda da Ordem de Rio Branco.

Comentário crítico
A obra de Madeleine Colaço ocupa posição de destaque na história da tapeçaria no Brasil. E o impacto que a convivência com a natureza e a cultura brasileiras, desde a década de 1940, têm em seu trabalho é decisivo para a consolidação dessa posição. Isso porque, da técnica de bordado aos motivos e padrões ornamentais, as tapeçarias de Colaço incorporam aspectos característicos do país. No caso do "ponto brasileiro", assim batizado pela colecionadora francesa Marie Cuttoli (1879-1973), é o ritmo e a cadência do samba que são incorporados à técnica do bordado. Diz a artista: "Eu escutava um samba [...] quando percebi que o ato de bordar também poderia ter uma cadência, impor um ritmo à agulha1".

Os "sambas bordados" de Colaço, como têm sido chamados, tomam por base o ponto de Arraiolos, aprendido em Portugal, mas introduzem variações, incorporando o imprevisto e o aleatório. Ao invés de trabalhar sempre numa mesma direção, como é a norma no ponto português, a artista propõe um "modo livre e criativo de trabalhar com a agulha, sem qualquer direção pré-determinada2". Essa liberdade se estende a outros aspectos técnicos: a artista não produz cartões preparatórios, mas desenha os motivos diretamente na tela; escolhe materiais variados, desde lã e algodão a fios acrílicos e metálicos, realizando muitas vezes misturas ousadas de cores.

Os motivos inspiram-se principalmente na exuberância da fauna e flora brasileiras, mas também nas festas e em personagens populares, nos azulejos e na arquitetura das casas e igrejas coloniais. Estas últimas transformam-se em padrões geométricos que, aliados ao colorido, chegam por vezes a lembrar a pintura de Alfredo Volpi (1896-1988).

Notas
1 Apud KAC, Eduardo; FAGUNDES, Antonio Fernandes. Na cadência do 'samba bordado'. In: Madeleine Colaço. Rio de Janeiro: Index, 1988.

2 Idem.

Exposições 11

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: