Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Axl Leskoschek

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
03.09.1889 Áustria / a definir / Graz
1975 Áustria / a definir / Viena

Axl Leskoschek 34
Axl Leskoschek

Axl von Leskoschek (Graz, Áustria 1889 - Viena, Áustria 1975). Gravador, pintor, ilustrador, desenhista, professor, cenógrafo. Ingressa na Escola de Belas Artes de Graz e na Escola de Artes Gráficas de Viena, em 1919, e tem aulas com Hofbauer, Hermann Cossmann (1884 - 1966) e Schorotter. Nessa época participa dos grupos Sezession, em Graz e Vien...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Axl von Leskoschek (Graz, Áustria 1889 - Viena, Áustria 1975). Gravador, pintor, ilustrador, desenhista, professor, cenógrafo. Ingressa na Escola de Belas Artes de Graz e na Escola de Artes Gráficas de Viena, em 1919, e tem aulas com Hofbauer, Hermann Cossmann (1884 - 1966) e Schorotter. Nessa época participa dos grupos Sezession, em Graz e Viena, e Werkbund. Em 1921, apresenta aquarelas em sua primeira individual em Viena. Entre 1929 e 1932 cria cenários para teatro. Fugindo do nazismo, refugia-se na Suíça, onde inicia a série de xilogravuras Odysséia. Em 1939, muda-se para o Rio de Janeiro e leciona xilogravura no curso de desenho de propaganda e de artes gráficas da Fundação Getúlio Vargas - FGV, entre seus alunos estão Fayga Ostrower (1920 - 2001), Renina Katz (1926), Ivan Serpa (1923 - 1973) e Edith Behring (1916 - 1996), e também dá aulas de gravura em seu ateliê, no bairro da Glória. O artista, além de realizar xilogravuras, pinta paisagens, naturezas-mortas e cenas do cotidiano carioca e fluminense. Ilustra vários livros, a maioria publicada pela Livraria Editora José Olympio, como O Romanceiro do Brasil, de Ulrich Bechers, Dois Dedos, de Graciliano Ramos (1892 - 1953), Uma Luz Pequenina, de Carlos Lacerda, e as traduções brasileiras de Fédor Dostoïevski (1821 - 1881). Retorna à Áustria em 1949, e reside em Viena, onde ilustra revistas e livros.

Comentário Crítico
A produção brasileira de Axl Leskoschek inclui aquarelas, óleos, gravuras em linóleo, água-forte e, principalmente, xilogravuras. O artista prefere realizar trabalhos em pequenos formatos, elaborados com grande precisão técnica, nos quais apresenta grande riqueza de detalhes. Nessas obras, representa cenas da vida urbana e suburbana do Rio de Janeiro.

Leskoschek ilustra diversas publicações, entre as quais se destaca a série de 60 diminutas xilogravuras para O Romanceiro do Brasil, de Ulrich Bechers. Como aponta o pesquisador José Neisten, nas ilustrações que faz para a tradução brasileira das obras de Fédor Dostoïevski (1821 - 1881), lançada pela Livraria Editora José Olympio, o artista surpreende pela adequação formal e psicológica à verdade humana e literária dos personagens criados pelo escritor. Para a crítica de arte Radha Abramo, a atenção com à minúcia leva o artista, em suas xilogravuras, a reconstituir os cenários de época, com riqueza de texturas e jogos de luz.

O artista desenvolve importante atividade docente, sendo professor do curso de desenho, propaganda e artes gráficas criado pela Fundação Getúlio Vargas - FGV, e ministrando aulas de gravura em seu ateliê. É responsável pela formação de diversos artistas, entre eles, Fayga Ostrower (1920 - 2001), Renina Katz (1926), Misabel Pedrosa (1927), Rachel Strosberg (1927), Danúbio Gonçalves (1925), Décio Vieira (1922 - 1988), Ivan Serpa (1923 - 1973), Teresa Nicolao (1928), Edith Behring (1916 - 1996).

Obras 43

Abrir módulo

Exposições 50

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • AMARAL, Aracy (Org. ). Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo:perfil de um acervo. Prefácio Ana Mae Barbosa; comentário Aracy Amaral; Sônia Salzstein; fotografia Romulo Fialdini. São Paulo: Techint Engenharia, 1988. 391 p. , il. color.
  • AXL Leskoschek e seus alunos: Brasil / 1940-1948. Curadoria Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1985. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GRAVURA moderna brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes. Curadoria Rubem Grilo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1999.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A gravura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Rio, 1965.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LESKOSCHEK, Axl. Axl Leskoschek. São Paulo: Galeria Grafus, 1978.
  • LESKOSCHEK, Axl. O mestre gravador: xilogravuras do período brasileiro: 1940-1948. Porto Alegre: Caixa Econômica Estadual, 1989. 14 p. , il. p&b.
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: