Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Maria Auxiliadora

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.07.2021
15.05.1935 Brasil / Minas Gerais / Campo Belo
20.08.1974 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sonho de Natal
Maria Auxiliadora
Óleo sobre tela, c.i.d.
49,00 cm x 28,00 cm

Maria Auxiliadora da Silva (Campo Belo, Minas Gerais, 1935 - São Paulo, São Paulo, 1974). Pintora, costureira e bordadeira. É reconhecida por seus quadros com cores puras e vibrantes, pelos volumes e relevos feitos com massa acrílica e mechas de cabelo e por retratar cenas do cotidiano urbano e rural, além de temas afro-brasileiros, como terreir...

Texto

Abrir módulo

Maria Auxiliadora da Silva (Campo Belo, Minas Gerais, 1935 - São Paulo, São Paulo, 1974). Pintora, costureira e bordadeira. É reconhecida por seus quadros com cores puras e vibrantes, pelos volumes e relevos feitos com massa acrílica e mechas de cabelo e por retratar cenas do cotidiano urbano e rural, além de temas afro-brasileiros, como terreiros, capoeira e rodas de samba.

Oriunda de uma família de artistas, como escritores, músicos e pintores, essa imersão desde cedo em um ambiente criativo impulsiona suas experimentações. Sua mãe, embora não seja artista, incentiva os filhos a criarem e ensina bordado a Maria Auxiliadora, sendo uma grande influência em seus trabalhos. Autodidata, inova em suas técnicas de pintura sem frequentar uma escola formal. 

No início da carreira, a pintora expõe seus quadros na Praça da República, em São Paulo, local de encontro de artistas não inseridos no circuito. É nesse momento que conhece o crítico de arte e físico Mário Schenberg (1914-1990), que adquire diversas de suas obras e a apresenta ao cônsul dos Estados Unidos, que organiza sua primeira exposição individual, em 1970, na Mini-Galeria USIS, no Consulado Americano em São Paulo. Com a mostra, a artista passa a ter reconhecimento nacional e internacional. Expõe ainda na 10ª Bienal de São Paulo (1969); na Galeria Zimmer, em Dusseldorf, Alemanha (1972); e na Art Fair, em Basileia, na Suíça (1973).

Participa do grupo de artistas negros da cidade de Embu das Artes, São Paulo, com o poeta, ator e pintor Solano Trindade (1908-1974). Com o envolvimento no grupo, pode-se depreender das pinturas de Maria Auxiliadora temas ligados à cultura negra e de resistência política, mas não de forma explícita, como se nota nas obras Capoeira (1970), Mobral (1971), Candomblé Verde (1972), e também nas diversas figuras de orixás, na representação de cerimônias de terreiro e do protagonismo de pessoas negras.

Uma característica sempre presente nos trabalhos da artista são cenas de romance, paquera, flerte, com quadros que falam de encontros, retratam bailes ou casamento. A pureza das cores também chama a atenção na obra de Maria Auxiliadora. A artista faz uso recorrente de cores fortes como o azul, o amarelo, o vermelho e o verde. A linguagem escrita também está presente em seus trabalhos com o uso de balões de fala, como na obra Três Mulheres (1972), na qual vemos uma cena colorida com duas mulheres nuas sentadas em uma cama conversando e outra escondida atrás da cortina. Nesse quadro, há roupas penduradas ao fundo, de diferentes modelos e cores, uma cortina detalhada, colcha na cama e um tapete com flores, evidenciando o cuidado na composição dos tecidos. As mulheres travam uma conversa corriqueira, representada por balões de fala, nos quais elas contam que vão ao forró ou sair com o companheiro. Nota-se uma representação de mulheres diversas em suas telas, sem objetificá-las, apresentando uma cena comum entre amigas, que dividem a intimidade. 

O convívio familiar artístico pode ser visto no trabalho Ateliê da Artista e Família (1973), composto de uma sala com pessoas produzindo diferentes obras. Cenas de choro e tristeza também são recorrentes em sua produção e trazem perspectivas melancólicas para suas telas. Obras como Autorretrato com Anjos (1972) e Sem título (Última unção) (1973) mostram cenas de angústia com a morte que se aproxima.

Outra singularidade das obras da artista é a representação dos bordados, muitas de suas pinturas simulam elementos têxteis. A obra Velório da Noiva (1974) traz uma mulher no caixão, coberta de flores. A cena triste é composta ainda de outras pessoas que velam esse corpo e lamentam a morte da noiva. O caixão está no centro da tela e seu véu estende-se até a borda do quadro, com detalhes que emulam um tecido de renda branco. As cortinas das janelas ao fundo também são trabalhadas para que simulem a renda. 

O uso de massa acrílica da marca Wanda, para conferir volume a seus personagens, e a mescla de fios de seu cabelo à tinta, para produzir um efeito de relevo, são marcas de suas pinturas, como se observa em Iemanjá Segurando os Seios (1974), na qual a orixá Iemanjá, conhecida na religião afro-brasileira por ser a senhora dos mares e mãe de todos os orixás, aparece com suas vestimentas características azul e branca, pele negra e cabelos curtos, segurando os seios desnudos, cujo volume salta à tela, conferindo um ar de tridimensionalidade.

A pintora tem ainda exposições póstumas, como na 38ª Bienal de Veneza (1978), na Itália; no Musée d’Art Naïf [Museu de Arte Naïf] d’Île de France, em Vicq, na França (1979), e diferentes exposições coletivas que a colocam como uma artista naïf. Em 2018, ganha uma retrospectiva no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), que reúne 82 de suas pinturas.

Maria Auxiliadora é um nome relevante nas artes visuais brasileira. A artista rompe padrões e inova ao propor técnicas diferentes para suas obras. Ao retratar cenas cotidianas, temas relacionados à cultura negra e ao universo religioso, e ao representar trabalhadores e pessoas comuns, a pintora evidencia o protagonismo de outros personagens e narrativas, que ocupam lugar de destaque em suas telas.

Obras 6

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Banhistas

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Colheita

Óleo sobre tela

Exposições 27

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 19

Abrir módulo
  • AQUINO, Flávio de. Aspectos da pintura primitiva brasileira. Rio de Janeiro: Spala, 1978.
  • ARDIES, Jacques. A Arte naif no Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1998.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AUXILIADORA, Maria. Maria Auxiliadora da Silva. Penápolis: Museu do Sol, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BENTO, Antonio. Expressões da arte brasileira. Tradução Richard Spock, Elaine E. Morisson. Rio de Janeiro: Spala, 1983.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva. São Paulo: CCBB, 2002.
  • FESTA de cores. São Paulo: Masp, 1975.
  • FROTA, Lélia Coelho. Mitopoética de 9 artistas brasileiros: vida, verdade e obra. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.
  • GALERIA ESTAÇÃO. Maria Auxiliadora. Disponível em: http://www.galeriaestacao.com.br/pt-br/artista/33/maria-auxiliadora. Disponível em: 18 jan. 2021.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LINO, Elaine Barbosa. Bordando telas: um estudo da trajetória e obra de Maria Auxiliadora no contexto de resistências. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 2018.
  • MARIA Auxiliadora, uma pintora brasileira. Revista Época, março, 2018. Disponível em: http://www.galeriaestacao.com.br/imagens/imprensa/pdf/mauxiliadoramasp2018.pdf?iframe=true&width=100%&height=100%. Acesso em: 18 jun. 2021.
  • MARTINS, Narcizo. Panorama da arte contemporânea. São Paulo: Grafica e Ed. C, 1986.
  • NEGREIROS, Hanayrá. Ela pinta como se estivesse bordando: pinturas e vestimentas na obra de Maria Auxiliadora. Revista Dobras, v. 12, n. 25, 2019.
  • PEDROSA, Adriano; OLIVA, Fernando. Maria Auxiliadora: vida cotidiana, pintura e resistência. São Paulo: Masp, 2018.
  • SCHENBERG, Mario. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: