Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Sérgio Camargo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.05.2020
08.04.1930 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
20.02.1990 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Nº 289 A, 1970
Sérgio Camargo
Madeira pintada
100,00 cm x 100,00 cm

Sérgio Camargo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1930 - idem, 1990). Escultor. Considerado um dos mais originais artistas brasileiros ligados à vertente construtiva, destaca-se por explorar os limites da forma ao realizar cortes audaciosos nos materiais, em um procedimento por ele denominado “geometria empírica”.

Texto

Abrir módulo

Sérgio Camargo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1930 - idem, 1990). Escultor. Considerado um dos mais originais artistas brasileiros ligados à vertente construtiva, destaca-se por explorar os limites da forma ao realizar cortes audaciosos nos materiais, em um procedimento por ele denominado “geometria empírica”.

Embora tenha contato com trabalhos da vertente construtiva desde o início da carreira, Sérgio Camargo desenvolve uma obra independente e pessoal, sem filiar-se a qualquer grupo ou movimento. Durante dois anos (1946-1948), estuda na Academia Altamira, em Buenos Aires, onde é orientado pelos artistas argentinos Emilio Pettoruti (1892-1971) e Lucio Fontana (1899-1968). Lá, interessa-se pelo construtivismo da Argentina. Parte para Paris em 1948, onde estuda a obra do escultor romeno Constantin Brancusi (1876-1957) e faz um curso de filosofia na Sorbonne. Nesse período, familiariza-se com as esculturas de Georges Vantongerloo (1886-1965) e Henri Laurens (1885-1954).

De volta ao Brasil, produz em 1954 suas primeiras esculturas figurativas de bronze, nas quais já se evidenciam a preocupação com o volume das obras e a potência dos cortes que ordenam as massas, qualidades fundamentais de seus trabalhos posteriores. Novamente em Paris (1961), frequenta o curso de sociologia da arte ministrado por Pierre Francastel (1905-1970), na École Pratique des Hautes Études, e faz experimentações com gesso, areia e tecido, criando estruturas informes e irregulares.

A partir de 1963, produz a série Relevos, da qual se ocupa proficuamente por cerca de dez anos. A operação será quase sempre a mesma: dispor cilindros brancos de madeira de diversos tamanhos, cortados em ângulos variados, sobre uma superfície plana também branca e de madeira. O desafio está em criar composições nas quais a forma geométrica original ⎼ cilindros ou paralelepípedos ⎼ é sistematicamente rompida e rearticulada para estabelecer um novo arranjo, não reversível ao ponto de partida. Nesse instante, a diferença entre o método de Camargo e o procedimento do construtivismo histórico torna-se evidente. Mesmo incorporando a coerência da atitude sistemática e a exatidão geométrica, seu trabalho se abre para o imprevisto; abarca, na interpretação do crítico Ronaldo Brito (1949), a ordem e a loucura da ordem. Os relevos são acolhidos na Europa, e Camargo desenvolve uma carreira internacional bem-sucedida.

Em meados dos anos 1960, o artista começa a experimentar o mármore de carrara em algumas peças. Realiza diversas obras para espaços públicos, entre elas: o muro estrutural do Palácio do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; o Tríptico do Banco do Brasil de Nova York; a coluna Homenagem a Brancusi, para a Faculdade de Medicina de Bourdeaux, França; uma escultura na Praça da Sé, em São Paulo; e um monumento para o Parque da Catacumba, no Rio de Janeiro.

Somente nos anos 1970 passa a utilizar quase exclusivamente o mármore em trabalhos decididamente escultóricos, numa passagem natural dos relevos conhecidos como "trombas" às peças de chão. Por um lado, tal material, com fortes raízes na tradição escultórica, acentua o caráter de permanência e estabilidade dos trabalhos. Por outro, a superfície lisa e uniforme do mármore polido reage de modo mais efetivo aos efeitos da luz, intensificando o aspecto dinâmico e transitório do conjunto.

Camargo retorna definitivamente ao Rio de Janeiro em 1974, mas mantém até o fim da vida um ateliê em Massa Carrara, Itália. Com peças alongadas em pedra negro-belga, produzidas nos anos 1980, o artista experimenta de modo radical os limites da forma ao realizar cortes cada vez mais agudos, ameaçando a integridade física da matéria. Alcança o ponto extremo de convivência possível entre a ordem e sua dissolução. Segundo os críticos, esses trabalhos acrescentariam certa conotação dramática ao singular construtivismo de Sérgio Camargo.

A possibilidade de combinar, de modo coerente e conciso, um número restrito de volumes geométricos (cilindros, cubos, retângulos), sem prestar contas a uma racionalidade didática, confere ao método de Camargo um caráter experimental permanente ao longo de sua obra. Tal experimentalismo, guardadas as devidas diferenças, coloca-o ao lado de artistas como Lygia Clark (1920-1988), Mira Schendel (1919-1988) e Hélio Oiticica (1937-1980). Mesmo orientada pelo princípio construtivo da coerência e da lucidez integrais, a obra de Camargo não abandona o páthos de aventura característico da lírica moderna, como também observa Ronaldo Brito.

Num período em que se acredita no esgotamento da inovação e no qual se defende a superação do legado moderno, Sérgio Camargo inaugura uma trajetória em que a relação conflituosa, mas sempre atenta, com uma tradição preexistente gera uma produção inovadora e singular.

Obras 12

Abrir módulo

Exposições 352

Abrir módulo

Eventos relacionados 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 51

Abrir módulo
  • 10 escultores. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1989. [12] p., il. p&b.
  • 10 escultores. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1989. [12] p., il. p&b. SPgara 1989
  • ADES, Dawn. Arte na América Latina: a era moderna, 1820-1980. Tradução Maria Thereza de Rezende Costa. São Paulo, SP: Cosac & Naify, 1997. 365 p., il. color. p&b.
  • ADES, Dawn. Arte na América Latina: a era moderna, 1820-1980. Tradução Maria Thereza de Rezende Costa. São Paulo, SP: Cosac & Naify, 1997. 365 p., il. color. p&b. 709.8 A232a
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil - Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner).
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil - Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner). 709.04057 A786
  • AMARAL, Aracy et al. Modernidade: arte brasileira do século XX. São Paulo: MAM; Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 709.8104 B823m
  • ARNAUD, Raquel (Coord.). Mira Schendel; Sergio Camargo; Willys de Castro. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000. 67 p., il. p&b. color. RJccbb 2000
  • ARNAUD, Raquel (coord.). Mira Schendel; Sergio Camargo; Willys de Castro. Texto Ronaldo Brito, Roberto Conduru, João Masao Kamita, Cristina Bach; versão em inglês Ricardo Gomes Quintana. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000. 67 p., il. p&b. color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1. 700 BI588sp 20/1989 v.1
  • BRANCO Dominante. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1992. il p.b. SPgsp 1992
  • BRITO, Ronaldo. Camargo. Tradução Richard Goodwin. São Paulo: Akagawa, 1990.
  • BRITO, Ronaldo. Camargo. Tradução Richard Goodwin. São Paulo: Akagawa, 1990. 730.981 C172br
  • BRITO, Ronaldo. Sergio Camargo. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. (Espaços da Arte Brasileira).
  • CAMARGO, Sérgio de, RODRIGUES, Maria Clara (coord.), ROESLER, Sílvia (coord.). Camargo: esculturas. Texto Paulo Sérgio Duarte. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1987. [40] p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Construção. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1997. 24 p., il. p&b. C172 1997/c
  • CAMARGO, Sérgio de. Construção. Texto Sônia Salzstein. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1997. 24 p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Morfoses. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1983. [14 p.], il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Morfoses. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1983. [14 p.], il. p&b. C172 1983
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio Camargo. São Paulo: Gabinete de Arte Gráficas, 1977. [16] p., il. p&b. C172 1977
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio Camargo. São Paulo: Gabinete de Arte Gráficas, 1977.[16] p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio de Camargo. São Paulo: Galeria Arte Global, 1975. 8 lâms., il. p&b., color. C172 1975
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio de Camargo. Texto Ronaldo Brito. São Paulo: Galeria Arte Global, 1975. 8 lâms., il. p&b., color.
  • CAMARGO, Sérgio de; RODRIGUES, Maria Clara (Coord.); ROESLER, Sílvia (Coord.). Camargo: esculturas. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1987. [40] p., il. p&b. CAT-G C172c 1987
  • CAMARGO, Sérgio. Sérgio Camargo. Texto de Ronaldo Brito. Brasília: Palácio Itamaraty, 1999. Não catalogado
  • CATÁLOGO: artistas representados e acervo. São Paulo: Galeria Brito Cimino, 1997. 40 p., il. SPbc 1997/c
  • CHRISTIE'S: the latin american sale - important paintings, drawings and sculpture. Christie's, 1998. 294 p., il. color. 707.4 C555L
  • COSTA, Paulo. [Currículo]. Enviado pelo artista em: 10 dez. 2015. 730.981 C172b
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998.
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998. 709.81 D812a
  • FLÓRIDO, Janice Maria; LOBELLO, Mario (Orgs.). A metrópole e a arte. São Paulo: Prêmio, 1992. (Arte e Cultura 13.).
  • FLÓRIDO, Janice Maria; LOBELLO, Mario (Orgs.). A metrópole e a arte. São Paulo: Prêmio, 1992. (Arte e Cultura 13.). 709.8104 L797m
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1987: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Inter / Arte / Brasil, 1986. v. 2. R702.9 L895a v.2, 5, 6, 8, 9, 11
  • MILLIET, Maria Alice. Tendências construtivas e os limites da linguagem plástica. In: MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Organização Nelson Aguilar; coordenação Suzanna Sassoun; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MODERNIDADE: arte brasilieira do século XX. Prefácio Celso Furtado; apresentação Pierre Dossa; texto crítico Aracy Amaral, Roberto Pontual. Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 352 p., il., p&b., color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso, Maria Alice Milliet; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais/ Fundação Bienal de São Paulo, 2000. 709.04 M9161a
  • O CLÁSSICO no contemporâneo. São Paulo: Paço das Artes, 1991. s.p. il. SPpa 1991/c
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • SANTANA FILHO, Élcior Ferreira de (coord.); FILUS, Cláudio (coord.). Escultura Brasileira: perfil de uma identidade. Curadoria Emanoel Araújo, Sérgio Pizoli; tradução David Coles, Eloisa Marques, Daril Collard. São Paulo: Imprensa Oficial, 1997. 730.981 E74
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999.
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999. IC 730.981 T824 2.ed
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673 v.1

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: