Artigo da seção pessoas Sérgio Camargo

Sérgio Camargo

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deSérgio Camargo: 08-04-1930 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 20-02-1990 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Sem Título , 1954 , Sérgio Camargo

Sérgio Camargo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1930 - idem, 1990). Escultor. Considerado um dos mais originais artistas brasileiros ligados à vertente construtiva, destaca-se por explorar os limites da forma ao realizar cortes audaciosos nos materiais, em um procedimento por ele denominado “geometria empírica”.

Embora tenha contato com trabalhos da vertente construtiva desde o início da carreira, Sérgio Camargo desenvolve uma obra independente e pessoal, sem filiar-se a qualquer grupo ou movimento. Durante dois anos (1946-1948), estuda na Academia Altamira, em Buenos Aires, onde é orientado pelos artistas argentinos Emilio Pettoruti (1892-1971) e Lucio Fontana (1899-1968). Lá, interessa-se pelo construtivismo da Argentina. Parte para Paris em 1948, onde estuda a obra do escultor romeno Constantin Brancusi (1876-1957) e faz um curso de filosofia na Sorbonne. Nesse período, familiariza-se com as esculturas de Georges Vantongerloo (1886-1965) e Henri Laurens (1885-1954).

De volta ao Brasil, produz em 1954 suas primeiras esculturas figurativas de bronze, nas quais já se evidenciam a preocupação com o volume das obras e a potência dos cortes que ordenam as massas, qualidades fundamentais de seus trabalhos posteriores. Novamente em Paris (1961), frequenta o curso de sociologia da arte ministrado por Pierre Francastel (1905-1970), na École Pratique des Hautes Études, e faz experimentações com gesso, areia e tecido, criando estruturas informes e irregulares.

A partir de 1963, produz a série Relevos, da qual se ocupa proficuamente por cerca de dez anos. A operação será quase sempre a mesma: dispor cilindros brancos de madeira de diversos tamanhos, cortados em ângulos variados, sobre uma superfície plana também branca e de madeira. O desafio está em criar composições nas quais a forma geométrica original ⎼ cilindros ou paralelepípedos ⎼ é sistematicamente rompida e rearticulada para estabelecer um novo arranjo, não reversível ao ponto de partida. Nesse instante, a diferença entre o método de Camargo e o procedimento do construtivismo histórico torna-se evidente. Mesmo incorporando a coerência da atitude sistemática e a exatidão geométrica, seu trabalho se abre para o imprevisto; abarca, na interpretação do crítico Ronaldo Brito (1949), a ordem e a loucura da ordem. Os relevos são acolhidos na Europa, e Camargo desenvolve uma carreira internacional bem-sucedida.

Em meados dos anos 1960, o artista começa a experimentar o mármore de carrara em algumas peças. Realiza diversas obras para espaços públicos, entre elas: o muro estrutural do Palácio do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; o Tríptico do Banco do Brasil de Nova York; a coluna Homenagem a Brancusi, para a Faculdade de Medicina de Bourdeaux, França; uma escultura na Praça da Sé, em São Paulo; e um monumento para o Parque da Catacumba, no Rio de Janeiro.

Somente nos anos 1970 passa a utilizar quase exclusivamente o mármore em trabalhos decididamente escultóricos, numa passagem natural dos relevos conhecidos como "trombas" às peças de chão. Por um lado, tal material, com fortes raízes na tradição escultórica, acentua o caráter de permanência e estabilidade dos trabalhos. Por outro, a superfície lisa e uniforme do mármore polido reage de modo mais efetivo aos efeitos da luz, intensificando o aspecto dinâmico e transitório do conjunto.

Camargo retorna definitivamente ao Rio de Janeiro em 1974, mas mantém até o fim da vida um ateliê em Massa Carrara, Itália. Com peças alongadas em pedra negro-belga, produzidas nos anos 1980, o artista experimenta de modo radical os limites da forma ao realizar cortes cada vez mais agudos, ameaçando a integridade física da matéria. Alcança o ponto extremo de convivência possível entre a ordem e sua dissolução. Segundo os críticos, esses trabalhos acrescentariam certa conotação dramática ao singular construtivismo de Sérgio Camargo.

A possibilidade de combinar, de modo coerente e conciso, um número restrito de volumes geométricos (cilindros, cubos, retângulos), sem prestar contas a uma racionalidade didática, confere ao método de Camargo um caráter experimental permanente ao longo de sua obra. Tal experimentalismo, guardadas as devidas diferenças, coloca-o ao lado de artistas como Lygia Clark (1920-1988), Mira Schendel (1919-1988) e Hélio Oiticica (1937-1980). Mesmo orientada pelo princípio construtivo da coerência e da lucidez integrais, a obra de Camargo não abandona o páthos de aventura característico da lírica moderna, como também observa Ronaldo Brito.

Num período em que se acredita no esgotamento da inovação e no qual se defende a superação do legado moderno, Sérgio Camargo inaugura uma trajetória em que a relação conflituosa, mas sempre atenta, com uma tradição preexistente gera uma produção inovadora e singular.

Outras informações de Sérgio Camargo:

  • Outros nomes
    • Sergio Camargo
    • Camargo
    • Sérgio de Camargo
  • Habilidades
    • Escultor

Obras de Sérgio Camargo: (12) obras disponíveis:

Exposições (350)

Todas as exposições

Eventos relacionados (3)

Artigo sobre Arco 2003

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioArco 2003: 13-02-2003  |  Data de término | 18-02-2003
Resumo do artigo Arco 2003:

Parque Ferial Juan Carlos I

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Artigo sobre sp-arte 2011

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2011: 12-05-2011  |  Data de término | 15-05-2011
Resumo do artigo sp-arte 2011:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (51)

  • 10 escultores. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1989. [12] p., il. p&b. SPgara 1989
  • 10 escultores. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1989. [12] p., il. p&b.
  • A METRÓPOLE e a arte. Texto Janice Maria Flórido; depoimento Amílcar de Castro, Ana Mae Barbosa, Guto Lacaz, Jaime Lerner, Jorge da Cunha Lima, Olívio Tavares de Araújo, Oscar Niemeyer, Raquel Arnaud, Sérvulo Esmeraldo, Vera Chaves Barcellos. São Paulo: Prêmio, 1992. 128 p. (Arte e cultura, 13). 709.8104 L797m
  • A METRÓPOLE e a arte. Texto Janice Maria Flórido; depoimento Amílcar de Castro, Ana Mae Barbosa, Guto Lacaz, Jaime Lerner, Jorge da Cunha Lima, Olívio Tavares de Araújo, Oscar Niemeyer, Raquel Arnaud, Sérvulo Esmeraldo, Vera Chaves Barcellos. São Paulo: Prêmio, 1992. 128 p. (Arte e cultura, 13).
  • ADES, Dawn. Arte na América Latina: a era moderna, 1820-1980. Tradução Maria Thereza de Rezende Costa. São Paulo, SP: Cosac & Naify, 1997. 365 p., il. color. p&b. 709.8 A232a
  • ADES, Dawn. Arte na América Latina: a era moderna, 1820-1980. Tradução Maria Thereza de Rezende Costa. São Paulo, SP: Cosac & Naify, 1997. 365 p., il. color. p&b.
  • COSTA, Paulo. [Currículo]. Enviado pelo artista em: 10 dez. 2015. 730.981 C172b
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil = Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner). 709.04057 A786
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil = Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner).
  • ARNAUD, Raquel (coord.). Mira Schendel; Sergio Camargo; Willys de Castro. Texto Ronaldo Brito, Roberto Conduru, João Masao Kamita, Cristina Bach; versão em inglês Ricardo Gomes Quintana. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000. 67 p., il. p&b. color.
  • ARNAUD, Raquel (Coord.). Mira Schendel; Sergio Camargo; Willys de Castro. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000. 67 p., il. p&b. color. RJccbb 2000
  • ARTE no Brasil. Apresentação de Pietro Maria Bardi e Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • ARTE no Brasil. Apresentação de Pietro Maria Bardi e Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1. 700 BI588sp 20/1989 v.1
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1.
  • BRANCO Dominante. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1992. il p.b. SPgsp 1992
  • BRITO, Ronaldo. Camargo. Tradução Richard Goodwin. São Paulo: Akagawa, 1990. 266 p., il. p&b color.
  • BRITO, Ronaldo. Sergio Camargo. Coordenação editorial Rodrigo Naves; edição Cristina Fino. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. 304 p., il. p&b. color. (Espaços da Arte Brasileira).
  • BRITO, Ronaldo. Camargo. Tradução Richard Goodwin. São Paulo: Akagawa, 1990. 266 p., il. p&b color. 730.981 C172br
  • CAMARGO, Sérgio de, RODRIGUES, Maria Clara (coord.), ROESLER, Sílvia (coord.). Camargo: esculturas. Texto Paulo Sérgio Duarte. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1987. [40] p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Construção. Texto Sônia Salzstein. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1997. 24 p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Morfoses. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1983. [14 p.], il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio Camargo. São Paulo: Gabinete de Arte Gráficas, 1977.[16] p., il. p&b.
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio de Camargo. Texto Ronaldo Brito. São Paulo: Galeria Arte Global, 1975. 8 lâms., il. p&b., color.
  • CAMARGO, Sérgio de. Construção. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1997. 24 p., il. p&b. C172 1997/c
  • CAMARGO, Sérgio de. Morfoses. São Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1983. [14 p.], il. p&b. C172 1983
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio Camargo. São Paulo: Gabinete de Arte Gráficas, 1977. [16] p., il. p&b. C172 1977
  • CAMARGO, Sérgio de. Sérgio de Camargo. São Paulo: Galeria Arte Global, 1975. 8 lâms., il. p&b., color. C172 1975
  • CAMARGO, Sérgio de; RODRIGUES, Maria Clara (Coord.); ROESLER, Sílvia (Coord.). Camargo: esculturas. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1987. [40] p., il. p&b. CAT-G C172c 1987
  • CAMARGO, Sérgio. Sérgio Camargo. Texto de Ronaldo Brito. Brasília: Palácio Itamaraty, 1999. Não catalogado
  • CATÁLOGO: artistas representados e acervo. São Paulo: Galeria Brito Cimino, 1997. 40 p., il. SPbc 1997/c
  • CHRISTIE'S: the latin american sale - important paintings, drawings and sculpture. Christie's, 1998. 294 p., il. color. 707.4 C555L
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998. 709.81 D812a
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998.
  • GULLAR, Ferreira; FARIA, Rogério. 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1987: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Inter / Arte / Brasil, 1986. v. 2. R702.9 L895a v.2, 5, 6, 8, 9, 11
  • MILLIET, Maria Alice. Tendências construtivas e os limites da linguagem plástica. In: MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Organização Nelson Aguilar; coordenação Suzanna Sassoun; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MODERNIDADE: arte brasileira do século XX. Curadoria Aracy Amaral, Frederico Morais, Roberto Pontual, Marie-Odile Briot. São Paulo: MAM; Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 709.8104 B823m
  • MODERNIDADE: arte brasilieira do século XX. Prefácio Celso Furtado; apresentação Pierre Dossa; texto crítico Aracy Amaral, Roberto Pontual. Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 352 p., il., p&b., color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte moderna. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso, Maria Alice Milliet; tradução Izabel Murat Burbridge, John Norman. São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais/ Fundação Bienal de São Paulo, 2000. 709.04 M9161a
  • O CLÁSSICO no contemporâneo. São Paulo: Paço das Artes, 1991. s.p. il. SPpa 1991/c
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • SANTANA FILHO, Élcior Ferreira de (coord.); FILUS, Cláudio (coord.). Escultura Brasileira: perfil de uma identidade. Curadoria Emanoel Araújo, Sérgio Pizoli; tradução David Coles, Eloisa Marques, Daril Collard. São Paulo: Imprensa Oficial, 1997. 730.981 E74
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999. IC 730.981 T824 2.ed
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999.
  • ZANINI, Walter (Org). História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. 709.81 H673 v.1
  • ZANINI, Walter (Org). História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • SÉRGIO Camargo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa8759/sergio-camargo>. Acesso em: 04 de Jul. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7