Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Arnaldo Ferrari

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.02.2017
25.02.1906 Brasil / São Paulo / São Paulo
1974 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Igrejas e Casas, 1962
Arnaldo Ferrari
Óleo sobre tela, c.i.d.
79,00 cm x 60,00 cm

Arnaldo Ferrari (São Paulo, São Paulo, 1906 - Idem, 1974). Pintor, desenhista, professor. Seguindo a profissão do pai, trabalha como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estuda artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, divide um ateliê com amigos no edifício Santa Helena ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Arnaldo Ferrari (São Paulo, São Paulo, 1906 - Idem, 1974). Pintor, desenhista, professor. Seguindo a profissão do pai, trabalha como pintor decorador, realizando frisos decorativos para residências. Estuda artes decorativas no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, entre 1925 e 1935. Em 1934, divide um ateliê com amigos no edifício Santa Helena e, pela amizade com o pintor Mario Zanini (1907-1971), aproxima-se dos demais integrantes do Grupo Santa Helena. Como Alfredo Volpi (1896-1988), faz decorações para palacetes, dedicando-se à pintura esporadicamente. Freqüenta também o curso livre de pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), onde tem aulas de desenho e pintura com Enrico Vio (1874-1960), entre 1936 e 1938. Sua produção inicial aproxima-se daquela dos pintores do Grupo Santa Helena em relação aos temas e realiza paisagens dos arredores de São Paulo, naturezas-morta e nus. Entre 1950 e 1959, integra o Grupo Guanabara, com Thomaz (1932-2001), Tomie Ohtake (1913), Tikashi Fukushima (1920-2001) e Oswald de Andrade Filho (1914-1972). Na metade da década de 1950, interessa-se pela obra do pintor uruguaio Joaquín Torres-García (1874-1949), e volta-se para a pintura abstrata e construtivista. É apresentada retrospectiva de sua obra em 1975, no Paço das Artes, em São Paulo, e catálogo com textos de Theon Spanudis (1915-1986), José Geraldo Vieira (1897-1977) e Mário Schenberg (1914-1990).

Análise

Arnaldo Ferrari estuda desenho no Liceu de Artes e Ofícios, entre 1925 e 1935. Também em torno de 1930, freqüenta o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes de São Paulo, onde é aluno de Enrico Vio. Até a década de 1950, acompanha o Grupo Santa Helena, produzindo naturezas-mortas e paisagens dos arredores de São Paulo, que apresentam grande simplificação formal e uma paleta de tons escuros.

A partir da metade da década de 1950, aproxima-se do Grupo Guanabara, também de São Paulo. Nessa época, começa a pintar paisagens urbanas, principalmente fachadas de casas, cujo tratamento formal tende cada vez mais à abstração, como em Casario (1960) e em Igrejas e Casas (1962). Sua pintura passa a vincular-se ao construtivismo geométrico, revelando a apreciação da obra do pintor uruguaio Joaquín Torres-García (1874-1949). Predomina em suas obras um ritmo visual vibrante, dado pela freqüência de curvas e contracurvas ou pelo jogo de ortogonais, em composições cuidadosas. Os quadros revelam uma pulsação interna forte, dada também pelo uso da gama cromática, densa e profunda, mais do que impactante. Na opinião do historiador da arte Walter Zanini (1925), na obra do artista está presente sempre uma espiritualização em tudo aquilo que compõe o seu universo.

Obras 19

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Caldeira

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Casario

Têmpera sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Composição

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Construção

Óleo sobre tela

Exposições 53

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo
  • 5 Mestres brasileiros. trad. Judith Hodgson. BIEZUS, Ladi. Roberto Pontual. Rio de Janeiro, Kosmos, 1977.
  • AMARAL, Aracy (org.). Arte construtiva no Brasil - Constructive art in Brazil. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Companhia Gráfica Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998. (Coleção Adolpho Leirner).
  • ARNALDO Ferrari. Apresentação de Walter Zanini. Texto de Daisy Peccinini de Silva. São Paulo: Portal Galeria de Arte, s.d.
  • ARNALDO Ferrari: retrospectiva. São Paulo: Paço das Artes, 1975.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). IC R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • FERRARI, Arnaldo. Arnaldo Ferrari. Apresentação de Walter Zanini. Texto de Daisy Peccinini de Silva. São Paulo: Portal Galeria de Arte, s.d.
  • FERRARI, Arnaldo. Arnaldo Ferrari: retrospectiva. São Paulo: Paço das Artes, 1975.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • SCHENBERG, Mario. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988.
  • SPANUDIS, Theon. Construtivistas brasileiros. São Paulo: Ed. do Autor, [19--].
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: