Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alfredo Andersen

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.11.2017
03.11.1860 Noruega / a definir / Christiansand
09.08.1935 Brasil / Paraná / Curitiba
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Vista da Curva do Cadeado, 1920
Alfredo Andersen
Óleo sobre tela, c.i.d.
79,00 cm x 55,00 cm

Alfredo Emílio Andersen (Christiansand, Noruega 1860 - Curitiba, Paraná, 1935). Pintor, escultor, decorador, cenógrafo, desenhista, professor. Inicia sua formação artística em Oslo, onde estuda com Wilhelm Krogh, conhecido cenógrafo, pintor e decorador, entre 1874 e 1878. No começo da década de 1880, freqüenta a Academia Real de Belas Artes de C...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Alfredo Emílio Andersen (Christiansand, Noruega 1860 - Curitiba, Paraná, 1935). Pintor, escultor, decorador, cenógrafo, desenhista, professor. Inicia sua formação artística em Oslo, onde estuda com Wilhelm Krogh, conhecido cenógrafo, pintor e decorador, entre 1874 e 1878. No começo da década de 1880, freqüenta a Academia Real de Belas Artes de Copenhague, onde recebe orientação do retratista Carl A. Andersen. Leciona desenho, entre 1881 e 1883, na Escola para Rapazes em Vesterbron Asyl. Em 1891, o artista empreende viagem pela América do Sul, e passa pela costa brasileira. Retorna à Noruega, e, em 1893, realiza uma segunda viagem ao Brasil. Reside por cerca de dez anos em Paranaguá, Paraná. Transfere-se em 1902 para Curitiba, onde cria uma escola particular de desenho e pintura. Leciona também desenho na Escola Alemã e no Colégio Paranaense. Em 1909, assume a direção das aulas noturnas da Escola de Belas Artes e Industriais, em Curitiba. Após seu falecimento, a escola de arte, que funcionara em sua casa, é transformada em museu, abrigando grande parte da sua produção. Andersen destaca-se no cenário artístico paranaense por sua obra, que inclui retratos, paisagens e cenas de gênero, e, sobretudo, por sua relevante atividade didática, que lhe valeu a designação de "pai da pintura paranaense".

Análise

Ao chegar ao Brasil em 1893, Alfredo Andersen fixa-se inicialmente em Paranaguá, Paraná, onde permanece por cerca de dez anos. Realiza telas e desenhos que têm como tema as paisagens do porto e da estrada de ferro, além da representação de tipos populares.

Passa a residir em Curitiba, por volta de 1902, onde ministra aulas de desenho e pintura em seu ateliê e leciona em algumas instituições locais. Como aponta a estudiosa Adalice Araújo, sua obra é caracterizada por três temáticas principais: o retrato, a paisagem e as cenas de gênero. No retrato, explora em geral os efeitos de claro-escuro. Já nas paisagens, sua paleta torna-se gradualmente mais leve e próxima do impressionismo, apresentando uma maior liberdade formal.

Nas paisagens que faz nas décadas de 1920 e 1930, representa os campos e, principalmente, as araucárias, características da vegetação local, integrando o espaço por meio de uma luminosidade dourada.  Em Sete Quedas (1904) apresenta, em um quadro de grandes dimensões, uma visão lírica da natureza, em que se destacam o movimento luminoso da água e a amplidão do espaço, povoado por grandes rochas.

Alfred Andersen é responsável pela formação de novas gerações de artistas no Paraná, a exemplo de Lange, de Morretes (1892 - 1954), Gustavo Kopp (1891 - 1933) e Theodoro de Bona (1904 - 1990).

Obras 21

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Queimada

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Auto-Retrato

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Duas Raças

Óleo sobre tela

Exposições 67

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 21

Abrir módulo
  • ANDERSEN, Alfred. Alfredo ANDERSEN . São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1981. , il. color. A544 1981
  • ANDERSEN, Alfred. Alfredo Andersen. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1981. , il. color.
  • ANDERSEN, Alfred. Andersen. Curadoria Araken Távora; texto Adalice Araújo. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1984. 48 p., il. p.b. color.
  • ANDERSEN, Alfred. Andersen. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1984. A544 1984
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.2
  • Alfredo Andersen. Caderno de Artes Plásticas no 1. Não Catalogado
  • CAMARGO, Iara Strobel. Desenvolvimento da forma na pintura do Paraná de 1889 a 1948: a atuação de Alfredo Andersen. 1984. 242 f. Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, 1984. T759.09281 C172d v.1
  • CAMARGO, Iara Strobel. Desenvolvimento da forma na pintura do Paraná de 1889 a 1948: a atuação de Alfredo Andersen. 1984. 242 f. Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, 1984. T759.09281 C172d v.2
  • CAMARGO, Iara Strobel. O desenvolvimento da forma na pintura do Paraná de 1886 a 1948: a atuação de Alfredo Andersen. 1984. Dissertação (mestrado em artes) - Departamento de Artes Plásticas - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1984.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • RUBENS, Carlos. Vida e glória de Baptista da Costa. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Belas Artes, 1947. 142 p., il., p&b color.
  • RUBENS, Carlos. Vida e glória de Baptista da Costa. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Belas Artes, 1947. 142 p., il., p&b color. 759.98105 C837r
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673 v.2

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: