Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Henrique Mindlin

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.04.2021
01.02.1911 Brasil / São Paulo / São Paulo
1971 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Henrique Ephim Mindlin (São Paulo SP 1911 - Rio de Janeiro RJ 1971). Arquiteto, urbanista, professor, historiador da arquitetura. Forma-se engenheiro-arquiteto, em 1932, na Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Mantém um escritório de arquitetura em São Paulo entre 1933 e 1941. Em 1942, vence o concurso para...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Henrique Ephim Mindlin (São Paulo SP 1911 - Rio de Janeiro RJ 1971). Arquiteto, urbanista, professor, historiador da arquitetura. Forma-se engenheiro-arquiteto, em 1932, na Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Mantém um escritório de arquitetura em São Paulo entre 1933 e 1941. Em 1942, vence o concurso para a nova sede do Ministério das Relações Exteriores (não construído), transfere-se definitivamente para a então capital do Brasil, Rio de Janeiro, e assume o cargo de assistente especial de coordenador mobilização econômica da Secretaria de Mobilização dos Trabalhadores da Amazônica e Relações com Entidades Americanas. O cargo coloca-o em contato com entidades norte-americanas interessadas em estreitar os laços com o Brasil durante a Segunda Guerra Mundial, 1939-1945, como o Inter-American Committee State Department, que o convida, em 1943, para ser consultor do National Housing Agency. Viaja para os Estados Unidos, onde estuda urbanismo e habitação popular, e retorna ao Brasil em 1944. No ano seguinte abre um escritório de arquitetura no Rio de Janeiro.

Em 1955, assume o cargo de relator da Subcomissão de Habitação do Conselho Federal do Comércio Exterior e funda o escritório Henrique E. Mindlin - Giancarlo Palanti Arquitetos Associados, reformulado em 1964, com a incorporação na sociedade dos arquitetos Walmyr Lima Amaral, Marc Demetre Fondoukas e Walter Lawson Morrison. Torna-se consultor da Assembleia Constituinte para a Subcomissão de Estudos do Problema da Habitação, em 1957. Entre 1964 e 1966, instala-se em Portugal para desenvolver o projeto de urbanização e construção da Península de Troia. Desfaz a sociedade com Giancarlo Palanti em 1966.

Simultaneamente às atividades do escritório, colabora com a revista Acrópole, 1938-1971, e publica artigos e livros sobre arquitetura e urbanismo, dos quais se destacam Modern Architecture in Brazil, 1956 - publicado originalmente em inglês e alemão, sendo traduzido para o francês, em 1957, e para o português, em 2000 -, e Brazilian Architecture. Igualmente envolvido com os debates sobre arte moderna, organiza no Ministério da Educação e Saúde - MES, em 1948, a primeira exposição no Brasil do artista norte-americano Alexander Calder, de quem se torna amigo, em 1944, durante a sua estada em Nova York. Essa exposição é remontada no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, abrindo caminho para a participação de Calder na exposição coletiva inaugural do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP e nas duas primeiras edições da Bienal Internacional de São Paulo, realizadas em 1951 e 1953. Além disso, Mindlin assume o cargo de diretor secretário do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ, em 1956, e de titular da Academia Brasileira de Arte, em 1968.

Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro - FAU/UFRJ, recebe o título de livre-docente da cadeira de grandes composições de arquitetura, em 1962, com a tese Prumadas de Circulação em Edifícios Altos, e, em 1969, de catedrático da mesma disciplina com a tese O Grande Hotel - Notas sobre a Evolução de um Programa. No Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB é membro do conselho diretor, 1944-1946 e 1957, conselheiro da revista Arquitetura, em 1961, e presidente do departamento carioca na década de 1970.

Comentário crítico
Colaborando para a consolidação e regulamentação profissional do arquiteto no Brasil, através do Instituto dos Arquitetos do Brasil - IAB, e de uma série de artigos publicados em revistas e jornais, Henrique Mindlin tem papel destacado na difusão e afirmação da arquitetura moderna brasileira no país e no mundo. É de sua autoria o livro Modern Architecture in Brazil, de 1956, lançado originalmente em inglês e alemão e logo traduzido para o francês. O livro, que se esgota rapidamente, atualiza o catálogo da exposição norte-americana Brazil Builds, realizada entre 1942 e 1943, primeira grande mostra da arquitetura moderna brasileira. Nele, Mindlin faz o inventário da produção arquitetônica nacional entre 1937 - ano em que o projeto do Ministério da Educação e Saúde - MES começa a ser desenvolvido - e 1956. Tanto o prefácio assinado pelo historiador Siegfried Giedion, secretário-geral dos Congressos Internacionais de Arquitetura Moderna - Ciam,  quanto a introdução de Mindlin e a seleção das obras reforçam a leitura realizada pelo arquiteto Philip Lippincott Goodwin, organizador da exposição, inspirado por Lucio Costa. Segundo a leitura de Goodwin, a arquitetura moderna brasileira se define pela síntese entre tradição e modernidade, pela adaptação dos princípios do movimento moderno, notadamente da obra de Le Corbusier, ao meio local e pelo vínculo com o Estado.1 

Curiosamente a obra de Mindlin como arquiteto não se define por nenhum desses aspectos, havendo poucos projetos que podem ser incluídos nessa leitura, entre eles o Ministério das Relações Exteriores, 1942 (não construído), o Hotel Pan-Americano, 1947 (não construído), selecionado por Giedion no livro A Decade of New Architecture de 1951, e a Residência George Hime, 1949, 1º Prêmio de Habitação da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, 1951, ao lado de Lucio Costa com os edifícios do Parque Guinle, 1943/1948. Sua produção, no início mais austera e próxima da arquitetura moderna alemã, dialoga, a partir do fim dos anos 1950, com a produção norte-americana, mais especificamente com a de Ludwig Mies van der Rohe. A primeira obra em que Van der Rohe aparece como inspiração é o Edifício Avenida Central, 1958/1961, em que Mindlin adota a ossatura metálica destacada dos panos de vidro de dupla coloração, e um sistema construtivo misto de aço, cimento e amianto revestido com placas de alumínio, que resiste ao fogo. O edifício, contudo, não tem a mesma pureza e o rigor dos edifícios do seu inspirador, seja porque as lajes são ainda de concreto armado, seja porque a torre, além de não ser um prisma perfeito, está implantada sobre uma base horizontal de três andares que ocupa os limites do terreno. Os limites técnicos e econômicos impostos à arquitetura de Van der Rohe no Brasil levam Mindlin, segundo o historiador da arquitetura Yves Bruand, a rever a solução proposta no Edifício Avenida Central, adaptando os panos de vidro contínuos à estrutura independente de concreto armado, tal como realiza no Bank of London and South America, 1959, em São Paulo, e no City Bank, 1957, no Recife. O primeiro se destaca pela elegância da composição, engenhosidade da implantação e pelo apuro das técnicas construtivas empregadas. Nesse projeto, Mindlin, já associado a Giancarlo Palanti, desenvolve uma solução que é retomada em outros projetos de bancos: a concentração da circulação vertical - elevadores e escadas - e das instalações sanitárias num bloco contínuo situado no limite do lote vizinho, de forma a conferir, segundo a historiadora da arquitetura Aline Coelho Sanches, "maior flexibilidade ao espaço remanescente que poderia ser agenciado das mais diversas maneiras de acordo com as necessidades do banco, a partir de elementos de fácil instalação e remoção".2 Vale salientar que este é um dos primeiros bancos em que se emprega a fachada contínua de vidro, material que até o momento não inspira segurança para esse tipo de programa. A referência a Van der Rohe aparece novamente no Banco da Lavoura de Minas Gerais, 1962, em São Paulo, mas desta vez não à produção norte-americana, mas àquela desenvolvida nos anos 1920, ainda na Europa, quando o arquiteto adota para edifícios de escritório faixas contínuas e intercaladas de concreto armado e vidro.

A inspiração norte-americana não é exclusiva do arquiteto paulista, que vive nos Estados Unidos entre 1943 e 1944, nem se restringe ao projeto. Inspirados nos escritórios de arquitetura americana, Rino Levi e Lucjan Korngold em sociedade com Abelardo Gomes de Abreu e Mindlin, reorganizam seus escritórios de arquitetura de forma a torná-los mais eficientes para o desenvolvimento de projetos cada vez mais complexos. Apostando na racionalização e especialização da atividade de projeto e na organização de equipes de trabalho organizadas por técnicos com conhecimentos específicos, Mindlin deixa de assinar individualmente seus projetos em 1964, quando funda o escritório Henrique E. Mindlin, Giancarlo Palanti e Arquitetos Associados S. C. Ltda. e passa a atuar em diversas cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Belém, Porto Alegre, e também no exterior, como em Portugal.

 

Notas
1 Sobre essa leitura e o estabelecimento de uma trama recorrente na história da arquitetura moderna brasileira ver: MARTINS, Carlos A. F. Arquitetura e estado no Brasil: elementos para uma investigação sobre a constituição do discurso moderno no Brasil, a obra de Lucio Costa 1924/1952. 1987. 185 f. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - FFLCH/USP, 1987; TINEM, Nilce. O alvo do olhar estrangeiro: o Brasil na historiografia da arquitetura moderna. João Pessoa: Manufatura, 2002. 237p. il. p&b; WISNIK, Guilherme. Formalismo e tradição: a arquitetura moderna brasileira e sua recepção crítica. 2003. 114 f. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2003.
2 SANCHES, Aline Coelho. A obra e a trajetória do arquiteto Giancarlo Palanti: Itália e Brasil. 2004. 379 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia do Ambiente Construído) - Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2004, p. 214.

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.
  • CAVALCANTI, Lauro. Quando o Brasil era moderno: Guia de Arquitetura 1928-1960. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.
  • GOODWIN, Phillip Lippincott. Brazil builds: architecture new and old, 1652-1942. New York: The Museum of Modern Art, 1943. Disponível em: https://www.moma.org/documents/moma_catalogue_2304_300061982.pdf.
  • LIERNUR, Jorge Francisco. The South American Way. El milagro brasileño, los Estados Unidos y la Segunda Guerra Mundial (1939 - 1943). In: Escritos de arquitectura del siglo 20 en América Latina. Madrid: Tanais Ediciones, 2002, pp.143-170. 224p. il. p&b.
  • MARTINS, Carlos A. F. Arquitetura e Estado no Brasil: elementos para uma investigação sobre a constituição do discurso moderno no Brasil, a obra de Lucio Costa 1924/1952. Dissertação (Mestrado em História). 1987. 185p. São Paulo. Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, 1987.
  • MINDLIN, Henrique. Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano/IPHAN, 2000.
  • SANCHES, Aline Coelho. A obra e a trajetória do arquiteto Giancarlo Palanti: Itália e Brasil. Dissertação (Mestrado em Tecnologia do Ambiente Construído). 2004. 379f. São Carlos. Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2004.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • TINEM, Nilce. O alvo do olhar estrangeiro: o Brasil na historiografia da arquitetura moderna. João Pessoa: Manufatura, 2002. 237p. il. p&b.
  • WISNIK, Guilherme. Formalismo e tradição: a arquitetura moderna brasileira e sua recepção crítica. Dissertação (Mestrado em História). 2003. 114p. São Paulo. Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, 2003.
  • YOSHIDA, Celia Ballario. Henrique Ephim Mindlin: o homem e o arquiteto. São Paulo: Instituto Roberto Simonsen, 1975. 225 p. il p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: