Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Luiz Alfredo Garcia-Roza

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.12.2020
19.09.1936 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
16.04.2020 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Luiz Alfredo Garcia-Roza (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1936 – idem, 2020). Romancista, psicanalista, professor e filósofo. Destaca-se por consolidar o gênero policial na literatura brasileira, em uma série de romances protagonizados no bairro de Copacabana pelo detetive Espinosa, homem culto e solitário que investiga um crime diferente a cada...

Texto

Abrir módulo

Luiz Alfredo Garcia-Roza (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1936 – idem, 2020). Romancista, psicanalista, professor e filósofo. Destaca-se por consolidar o gênero policial na literatura brasileira, em uma série de romances protagonizados no bairro de Copacabana pelo detetive Espinosa, homem culto e solitário que investiga um crime diferente a cada livro. Espinosa torna-se o principal personagem das obras do escritor.

Na década de 1960, forma-se em filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e, enquanto finaliza sua graduação em psicologia, torna-se professor dessa instituição, onde, em 1988, ajuda a criar o Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica. A proposta curricular do curso é inovadora no Brasil, por dar lugar às diversas linhas teóricas da psicanálise e por não se restringir a análises clínicas, aplicações de métodos e estudos de caso. Com 60 anos, o professor abandona a universidade para se dedicar unicamente à literatura.

Em seu primeiro romance, O Silêncio da Chuva (1996), Garcia-Roza apresenta aos leitores o detetive Espinosa, figura central de praticamente todos os seus livros. O nome do personagem faz alusão ao filósofo holandês Benedito de Espinosa (1632-1677), conhecido pela racionalidade e pelo empirismo. O personagem Espinosa é um delegado com senso firme de justiça e de ordem social, apegado a valores éticos e a suas próprias convicções. Morador do bairro Peixoto, em Copacabana, vive sozinho num apartamento antigo, entre livros e fotografias da ex-esposa e do filho.

Embora não seja a primeira narrativa criminal da literatura brasileira, O Silêncio da Chuva é reconhecido como a obra literária que consolida o gênero policial no país. Nessa história, Espinosa investiga o assassinato de um empresário em um edifício do centro da cidade. Prestigiado por público e crítica, o livro recebe os prêmios Nestlé e Jabuti. O autor prossegue com a série de novelas policiais protagonizadas por Espinosa: em Uma Janela em Copacabana (2001), o personagem investiga os assassinatos de dois agentes de segurança e descobre uma trama de corrupção que envolve policiais e políticos.

Sua obra é inspirada no contista norte-americano Edgar Allan Poe (1809-1849), fundador da narrativa de mistério. Garcia-Roza explora a identidade de policiais e criminosos, buscando explicar as motivações da violência nos centros urbanos. O autor destaca a geografia do Rio de Janeiro, com suas ruas largas, esquinas movimentadas, vielas em declive e galerias subterrâneas, relacionando-a com as ações dos personagens (crimes, perseguições, investigações etc.).

Segundo Garcia-Roza, o mistério das grandes cidades é um fator atrativo para a ficção detetivesca. Após cometer um delito, o criminoso pode se tornar anônimo na multidão. Cabe ao detetive perseguir essas individualidades e revelar seus segredos. Espinosa aparece em todos os livros do escritor, com exceção de Berenice Procura (2005). Nesta narrativa, uma taxista de 34 anos apura a morte de uma travesti na praia de Copacabana, enquanto lida com conflitos em sua família.

Uma das linhas de pesquisa sobre sua obra enfatiza a contribuição do romancista no campo das narrativas policiais. Seus livros têm todos os elementos tradicionais da ficção policial: o crime, as pistas, o processo investigativo e a conclusão. O desvendar do crime se assemelha a um enigma. No decorrer da perícia, o narrador desloca o roteiro literário para o entorno do ato central, revelando pormenores da ação e dos agentes. Mesmo após a conclusão das investigações, certas chaves de leitura permanecem em aberto. Essa formatação narrativa é explicada por uma frase de Poe, utilizada como epígrafe no romance de Garcia-Roza intitulado Na Multidão (2007): “A essência de todo crime permanece irrevelada”. Dessa forma, o autor afasta sua narrativa do estilo lógico e coerente usado pelo escritor britânico Arthur Conan Doyle (1859-1930), criador do personagem Sherlock Holmes.

Outra linha de pesquisa se debruça sobre as características do personagem Espinosa. Seu perfil, desenhado ao longo da série de romances, é visto como uma representação do homem pós-moderno, pois sua experiência é marcada por conflitos identitários. Culto e elegante, o inspetor passa longas horas em seu apartamento vazio, rememorando frustrações. Divorciado, envolve-se esporadicamente em relações fortuitas. Outros hábitos pessoais, como a leitura de romances e a apreciação de vinhos, representam a solidão do homem contemporâneo. O universo interior do protagonista é explorado em sua atuação profissional. Garcia-Roza associa a identidade do delegado de polícia à sua capacidade de esclarecer as circunstâncias do crime investigado. Essa rede de confrontações psicológicas e factuais é o vértice com base no qual o enredo se organiza.

Em 2006, recebe o título de professor emérito da UFRJ. Em 2015, ministra uma palestra sobre romance policial na Academia Brasileira de Letras, que reconhece sua importância para o gênero na literatura brasileira.

Além da relevância conquistada pelos aspectos estilísticos de sua produção literária, Luiz Alfredo Garcia-Roza torna-se uma referência para a compreensão da violência que acomete os centros urbanos. Nesse processo, o personagem Espinosa torna-se uma importante figura da tradição literária nacional.

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: