Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Claudio Tozzi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.01.2021
07.10.1944 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Porta de Funilaria, 1976
Claudio Tozzi
c.i.d.

Claudio José Tozzi (São Paulo, São Paulo, 1944). Pintor. É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). Em suas primeiras obras, o artista revela a influência da arte pop, pelo uso de imagens retiradas dos meios de comunicação de massa, como na série de pinturas Bandido da Luz Vermelha (...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Claudio José Tozzi (São Paulo, São Paulo, 1944). Pintor. É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). Em suas primeiras obras, o artista revela a influência da arte pop, pelo uso de imagens retiradas dos meios de comunicação de massa, como na série de pinturas Bandido da Luz Vermelha (1967), na qual remete à linguagem das histórias em quadrinhos.

O artista trabalha com temáticas políticas e urbanas, utilizando com freqüência novas técnicas em seus trabalhos, como a serigrafia. Em 1967, seu painel Guevara Vivo ou Morto, exposto no Salão Nacional de Arte Contemporânea, é destruído a machadadas por um grupo radical de extrema direita, sendo posteriormente restaurado pelo artista. Tozzi viaja a estudos para a Europa em 1969. A partir dessa data, seus trabalhos revelam uma maior preocupação com a elaboração formal e perdem o caráter panfletário que os caracterizava. Começa a desenvolver pesquisas cromáticas na década de 1970. Nos anos 80, sua produção abre-se a novas temáticas figurativas, como é possível observar nas séries dos papagaios e dos coqueirais. Apresenta também a tendência à geometrização das formas. Na realização dos quadros utiliza um rolo de borracha de superfície reticulada, o que agrega novos aspectos às suas obras, como textura e volumetria. Passa a realizar trabalhos abstratos, nos quais explora efeitos luminosos e cromáticos. Cria painéis para espaços públicos de São Paulo, como Zebra, colocado na lateral de um prédio da Praça da República e outros ainda na Estação Sé do Metrô, em 1979, na Estação Barra Funda do Metrô, em 1989, no edifício da Cultura Inglesa, em 1995; e no Rio de Janeiro, na Estação Maracanã do Metrô Rio, em 1998. Entre as exposições que participou na década seguinte, destacam-se, em 2000,  Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal, em São Paulo e Nave dos Insensatos, no Museu da Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP), em 2005.

Análise

Claudio Tozzi inicia a carreira como artista gráfico. Vence o concurso de cartazes para o 11º Salão Paulista de Arte Moderna, ocorrido em 1962. Em 1963, começa o curso de arquitetura, concluído em 1968, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). Na época, pinta muito. Em seus trabalhos são encontrados símbolos da sociedade de consumo, que aparecem como imagens ou objetos. Utiliza sinais de trânsito, bandeiras, letreiros, peças publicitárias e histórias em quadrinhos, retira-os de seu contexto e atribui-lhes novos sentidos. É influenciado por Sérgio Ferro (1938), Flávio Império (1935-1985) e Maurício Nogueira Lima (1930-1999), em cujas obras se percebe a convergência entre a cartazística soviética, as vertentes construtivas e o vocabulário pop com finalidade política. Trabalhos como Usa e Abusa (1966) e Paz (1963) são característicos da época.

A partir de 1967, apropria-se de trechos de histórias em quadrinhos e lhes dá sentido crítico, sob a influência do artista norte-americano Roy Lichtenstein (1923-1997), e realiza as telas Até que Enfim (1967) e Bandido da Luz Vermelha (1967). Ao mesmo tempo, faz trabalhos explicitamente engajados, como Guevara Vivo ou Morto (1967) e A Prisão (1968). Alguns deles são mostrados em exposições importantes, como a 9a. Bienal Internacional de São Paulo, em 1967, e coletivas em Londres e Buenos Aires. Em 1969, passa da crítica social para a pesquisa de formas, sobretudo da disposição gráfica e impessoal das figuras. Dessa reflexão, nascem as séries Astronautas, Presilhas e Parafusos. O curador Fábio Magalhães afirma que "as diversas abordagens do parafuso correspondem a um processo de reflexão sobre as possibilidades gráficas e metafóricas de um mesmo tema".1 Em 1972, Tozzi realiza o painel Zebra, na praça da República, em São Paulo. Dois anos mais tarde, cria telas com materiais orgânicos, pigmentos e objetos distribuídos regularmente em caixas de acrílico. Algumas das obras são exibidas na mostra Cor/Pigmento/Luz, na Galeria Bonfiglioli, em São Paulo, em 1975. No ano seguinte, participa da Bienal de Veneza.

Ainda na década de 1970, cria trabalhos mais conceituais, em que alia a pintura ao uso de palavras, como em Dissociação das Cores (1974) e Colors (1975), e realiza paisagens em que a aplicação reticulada de tinta cria zonas de cor regulares. Em 1979, realiza o mural da estação Sé do metrô, em São Paulo. O trabalho dá origem à série de pinturas Colcha de Retalhos, feitas com padrões diferentes de cor. Na década de 1980, o procedimento gráfico de pintar é utilizado na realização de abstrações geométricas. Em 1989, é publicada uma monografia sobre seu trabalho, com texto de Fábio Magalhães. Dois anos depois, expõe na 21ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1993, apresenta individual no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ).

Notas

1 MAGALHÃES, Fábio. Obra em construção: 25 anos de trabalho de Claudio Tozzi. Fábio Magalhães. Rio de Janeiro, Revan, 1989. p. 40.

Obras 64

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

A Luta

Liquitex sobre tela
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

A Prisão

Tinta em massa sobre hardboard
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini/Itaú Cultural

Astronauta

Liquitex sobre tela

Exposições 373

Abrir módulo

Eventos relacionados 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Claudio Tozzi - Encontros
Itaú Cultural

Fontes de pesquisa 28

Abrir módulo
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • ARTISTAS do muralismo brasileiro. São Paulo: Volkswagen do Brasil, 1988.
  • ARVANI, Berenice Paula (coord. ). Arte hoje. São Paulo: Arvani Arte, 2001.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • ECO art. Tradução Angela Brant Ribeiro; traducao Maria Luiza Crespo; tradução Milena Guinle; apresentação Julio Bozano; comentário Geraldo Edson de Andrade; comentario Charles Merewether. Rio de Janeiro : Spala, 1992.
  • EXPOSIÇÃO DE BELAS ARTES BRASIL-JAPÃO, 7., 1985, São Paulo. 7ª Exposição de Belas Artes Brasil-Japão. São Paulo: Fundação Brasil-Japão de Artes Plásticas, 1985.
  • FLÓRIDO, Janice Maria; LOBELLO, Mario (Orgs.). A metrópole e a arte. São Paulo: Prêmio, 1992. (Arte e Cultura 13.).
  • KLINTOWITZ, Jacob. Brasil: a arte de hoje. Fotografia Romulo Fialdini, Beto Felicio, João (fotógrafo) Bosco, Arnaldo Pappalardo, João Paulo Capobianco, James Dee. São Paulo : Galeria São Paulo, 1983.
  • KLINTOWITZ, Jacob. O Universo construído da imagem = Universo constructed from image. Sao Paulo : Valoart, 1989.
  • KLINTOWITZ, Jacob. Versus: dez anos de crítica de arte. Prefácio Jacob Klintowitz; apresentação Pietro Maria Bardi. São Paulo: Galeria de Arte André, 1978. 143 p.
  • MAGALHÃES, Fábio. Obra em construção: 25 anos de trabalho de Claudio Tozzi. Rio de Janeiro, Revan, 1989.
  • MONFORTE, Luiz Guimarães (Coord.). 4º Stúdio UNESP, SESC e SENAI de tecnologias de imagens. São Paulo, 1996. , il. color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte contemporânea. Curadoria geral Nelson Aguilar; curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso; tradução Arnaldo Marques, Ivone Castilho Benedetti, Izabel Murat Burbridge, Katica Szabó, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • O MUSEU de Arte Moderna de São Paulo. São Paulo : Banco Safra, 1998. 351 p. : il. color.
  • OBJETO na arte: Brasil anos 60. Coordenação Daisy Valle Machado Peccinini de Alvarado. São Paulo: FAAP, 1978.
  • SÉCULO 20: arte do Brasil. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso. Lisboa: Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, 2000.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Apresentação Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria GB, 1985.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Apresentação Jacob Klintowitz. Ribeirão Preto : Galeria Jardim Contemporâneo, 1981.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Apresentação Renato Magalhães Gouvêa. Recife : Gatsby Arte, 1977.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Sao Paulo : Montessanti Galleria, 1986.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Sao Paulo : Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1979.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi. Sao Paulo: Montessanti Galleria, 1986.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi: Geometrias do Tempo. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1998.
  • TOZZI, Claudio. Claudio Tozzi: pinturas. Belo Horizonte : Gesto Gráfico Galeria e Escola de Arte, 1986.
  • TOZZI, Claudio. Cláudio Tozzi. Sao Paulo : Museu da Casa Brasileira, 1993.
  • TOZZI, Claudio. Cláudio Tozzi. São Paulo : Fundação Bienal de São Paulo, 1991.
  • TOZZI, Claudio. Paisagens/trópico revisitado. Sao Paulo : Galeria Alberto Bonfiglioli, 1980.
  • TOZZI, Claudio. Passagens. Texto Ignácio de Loyola Brandão, Haroldo de Campos; fotografia Romulo Fialdini. São Paulo : Galeria de Arte de São Paulo, 1984.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: