Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alvim Correa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
30.01.1876 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
07.07.1910 Bélgica / a definir / Bruxelas
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Derrota dos Marcianos, 1906
Alvim Correa

Henrique Alvim Correa (Rio de Janeiro RJ 1876 - Bruxelas, Bélgica 1910). Pintor, desenhista e ilustrador. Inicia estudos artísticos no ano de 1894 em Paris, onde assiste às aulas do pintor especializado em pinturas históricas e de temática militar Jean Baptiste Édouard Detaille (1848-1912). No ano seguinte freqüenta o ateliê de Jean Jacques Brun...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Henrique Alvim Correa (Rio de Janeiro RJ 1876 - Bruxelas, Bélgica 1910). Pintor, desenhista e ilustrador. Inicia estudos artísticos no ano de 1894 em Paris, onde assiste às aulas do pintor especializado em pinturas históricas e de temática militar Jean Baptiste Édouard Detaille (1848-1912). No ano seguinte freqüenta o ateliê de Jean Jacques Brunet (18--?-1897).  e participa pela primeira vez do Salon de Paris. Em 1897, inicia uma série de estudos para a execução de um grande panorama circular intitulado Cerco à Cidade de Paris. Muda-se para Bruxelas, onde, em 1900, instala seu ateliê no bairro de Boitsfort. Em 1903, realiza uma série de ilustrações baseadas no livro The War of the Worlds [A Guerra dos Mundos], de H. G. Wells (1866-1946). Esses trabalhos, depois de submetidos à aprovação do autor, em 1905, são publicados numa edição de luxo, composta de 500 exemplares, em 1906. O conjunto dessas ilustrações constitui o ponto forte de seu trabalho. O desconhecimento de sua produção pelo público brasileiro até meados da década de 1960 deve-se ao fato de sua carreira ter-se desenvolvido inteiramente na Europa. Também contribuem para a descoberta tardia de seus trabalhos o furto e a destruição das obras de temática militar, guardados em seu ateliê, durante a invasão alemã da cidade de Bruxelas, em 1914. A esse fato soma-se o torpedeamento, em 1942, pelas tropas alemãs do navio que transportava para o Brasil as obras gráficas (originais e matrizes) de sua autoria.

Comentário Crítico
Alvim Correa vive no Rio de Janeiro até 1890, quando se muda com a família para Lisboa e depois para Paris. Em 1894, inicia aprendizado artístico com Jean Baptiste Edouard Detaille (1848-1912), famoso pintor de temas militares, e freqüenta no ano seguinte o ateliê de Jean Jacques Brunet (18--?-1897). Expõe no Salon de Paris, em 1895 e 1896, trabalhos com temática de guerra, gênero que não abandona até o fim da vida. Em Esboço do Panorama do Cerco de Paris (ca.1896), explora a paisagem ampla, com seus detalhes topográficos e insere pequenas figuras de soldados, elaboradas de forma a reforçar a imagem de brutal violência do conflito.

Em 1898, muda-se para Bruxelas após o casamento com Blanche Barbant, filha do gravador Charles Barbant (séc. XIX). Com o nascimento do primeiro filho, para prover o sustento da família, é obrigado a exercer atividades em áreas como as de decoração mural e desenho publicitário. No primeiro decênio do século XX, realiza sua obra mais notável: ilustra o romance de ficção The War of the Worlds [A Guerra dos Mundos], de H. G. Wells (1866-1946). O artista explora com habilidade as oposições tonais, como o contraste entre o negrume das trevas e a luz ofuscante. Povoados por seres fantásticos, os desenhos aproximam-se, segundo a pesquisadora Maria Stella Teixeira de Barros, do imaginário simbolista e principalmente da obra de Alfred Kubin (1877-1959) e de Félicien Joseph Victor Rops (1833-1898).

O fascínio pelo tema da guerra, além de advir do estudo com Detaille, pode ter surgido pelo contato com as batalhas de Pedro Américo (1843-1905), expostas na pinacoteca da Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), como aponta o crítico Alexandre Eulálio (1932-1988), e com os panoramas realizados por Victor Meirelles (1832-1903) na década de 1880. Seus desenhos, no entanto, não mantêm o heroísmo sedutor e reluzente da guerra, mas apresentam um aspecto sombrio, de melancolia e desamparo.

Alvim Correa escreve algumas peças de teatro e textos teóricos sobre arte. Destacam-se, também, em sua obra os desenhos e as pinturas de paisagens, reais ou imaginárias, com cenários oníricos, fantásticos, nas quais é possível perceber o conhecimento das gravuras japonesas ukiyo-e. Alguns desses trabalhos são voltados à criação de uma atmosfera de terror. O artista realiza caricaturas e paródias, além de desenhos de inspiração erótica, assinados com o pseudônimo de Henri Lemort [Henrique, o morto]. Falecido prematuramente, aos 34 anos, Alvim Correa, na passagem do século XIX para o XX, deixa uma obra diversificada e complexa, singular no cenário artístico nacional e internacional.

Obras 20

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Cabaret

Crayon e lápis de cor sobre papel

Exposições 20

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 31

Abrir módulo
  • A CARICATURA no Brasil: (o desenho de humor). São Paulo: Museu Lasar Segall, 1979.
  • A CARICATURA no Brasil: (o desenho de humor). São Paulo: Museu Lasar Segall, 1979. SPmLs 1979
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • BARROS, Maria Stella Teixeira de. Henrique Alvim Corrêa: correspondências e afinidades. São Paulo, 1996. 209 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo - FFLCH/USP, 1996.
  • BARROS, Maria Stella Teixeira de. Henrique Alvim Corrêa: correspondências e afinidades. São Paulo, 1996. 209 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo - FFLCH/USP, 1996. T759.981 B277h
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. R703.0981 B813a
  • CORREA, Alvim. Alvim Corrêa: óleos, desenhos. São Paulo: Galeria Arte Global, 1983. , il. p&b. color.
  • CORRÊA, Henrique Alvim. Henrique Alvim Corrêa: cenas da vida militar. Rio de Janeiro: MNBA, 1990.
  • CORRÊA, Henrique Alvim. Henrique Alvim Corrêa: cenas da vida militar. Rio de Janeiro: MNBA, 1990. Não catalogado
  • Corrêa, Alvim. Alvim Corrêa: óleos, desenhos. São Paulo: Galeria Arte Global, 1983. , il. p&b. color. CAT-G C824 1976
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986. 709.81034 P645d
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • EULALIO, Alexandre. Henrique Alvim Corrêa: guerra e paz. Cotidiano e imaginário na obra de um pintor brasileiro no 1900 europeu. In: Literatura e Artes Visuais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1981. p.33-55. Não catalogado
  • EULÁLIO, Alexandre. Literatura & artes plásticas. Introdução Homero Senna. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1989. 80 p., il. p&b.
  • EULÁLIO, Alexandre. Literatura & artes plásticas. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1989. 80 p., il. p&b. ISBN 85-7004-126-8. 869.9 E88La
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. 759.98105 F144c
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • Jornal O Globo, Rio de Janeiro. 09 de fev. 1977. pág. 37. Não catalogado
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A gravura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Rio, 1965.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A gravura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Rio, 1965. 769 L533g
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673 v.1

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: