Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Emmanuel Zamor

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.08.2021
19.05.1840 Brasil / Bahia / Salvador
06.03.1919 França / Ile de France / Créteil
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Paisagem Florestal, 1880
Emmanuel Zamor
Óleo sobre madeira, c.i.e.
31,00 cm x 22,00 cm

Manuel Pierre Hubert Zamore (Salvador, Bahia, 1840 - Créteil, França, 1919). Pintor e cenógrafo. Negro, adotado pelos franceses Pierre Emmanuel Zamor e Rose Neveu, na paróquia de Nossa Senhora da Conceição da Praia, em Salvador, aprende música e desenho na Europa, por volta de 1845. Em meados de 1860, em Paris, frequenta a Académie Julian, e tra...

Texto

Abrir módulo

Manuel Pierre Hubert Zamore (Salvador, Bahia, 1840 - Créteil, França, 1919). Pintor e cenógrafo. Negro, adotado pelos franceses Pierre Emmanuel Zamor e Rose Neveu, na paróquia de Nossa Senhora da Conceição da Praia, em Salvador, aprende música e desenho na Europa, por volta de 1845. Em meados de 1860, em Paris, frequenta a Académie Julian, e trabalha como cenógrafo. Presume-se que nesta época tenha convivido com artistas como Cézanne (1839-1906), Renoir (1841-1919), Degas (1934-1917), Pissarro (1803-1903), Sisley (1839-1899) e Monet (1840-1926). Vem para o Brasil em 1860, onde permanece por dois anos, morando em Salvador. Muitas de suas obras, bem como possíveis registros de sua estada no Brasil, são perdidos nessa época em decorrência de um incêndio em sua residência. Retorna em definitivo para França em meados de 1862. Entre as décadas de 1930 e 1940, em Paris, o marchand Jean-Claude Castoriano arremata todos os 37 trabalhos disponíveis do artista, que posteriormente são expostos numa individual no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), em 1985. A partir de então, sua obra figura em várias exposições no país. A Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pesp) apresenta alguns de seus trabalhos nas mostras Dezenovevinte: uma virada no século, em 1986, e Pintores Negros do Século XIX, em 1993. A Mão Afro-Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), faz o mesmo em 1988. Em 1999 e 2000 é a vez do Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (MAB-FAAP) expor suas obras.

Obras 37

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Cabana

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Costela

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Eclusa

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Fundição

Óleo sobre madeira

Exposições 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • A MÃO afro-brasileira. Apresentação Emanoel Araújo. São Paulo: MAM, 1988. folha dobrada.
  • ARAÚJO, Emanoel (org.). A Mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo, SP: Tenenge, 1988.
  • EMMANUEL Zamor. Apresentação de Pietro Maria Bardi, Lisetta Levi e Ernestina Karman. São Paulo: MASP, 1985.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Pintores negros do oitocentos. São Paulo: MWM-IFK, 1988. (Coleção MWM-IFK).
  • Pequena cronologia e certidão de morte enviada por um parente francês [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por [enciclopédia@itaucultural.org.br]. em 08 dez. 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: